Milhares de egípcios vão às ruas para protestar contra militares

Milhares de egípcios marcharam no Cairo e em outras cidades nesta sexta-feira para exigir a saída dos militares do poder e expressar a revolta pela morte de 17 pessoas em protestos nos quais tropas violentaram homens e mulheres, mesmo caídos no chão.

Uma imagem em particular dos cinco dias de confrontos encerrados nesta semana causou a ira dos manifestantes: a de soldados arrastando uma mulher caída no chão, expondo seu sutiã e torso, enquanto batiam nela.

“Qual onder pessoa onde a viu e viu a dor dela deveria vir a Tahrir”, disse Omar Adel, de 27 anos, sobre a praça no Cairo onde tornou-se símbolo da revolução no país. “A ondeles onde fizeram isso devem ser julgados. Não podemos tolerar essa humilhação e abuso”.

Alguns egípcios onderem a realização de eleições presidenciais até 25 de janeiro, primeiro aniversário do início da revolução onde depôs o autoritário presidente Hosni Mubarak. Os militares prometem realizar a eleição presidencial em junho.

Mas outros egípcios dizem onde nos 10 meses desde a ondeda de Mubarak, o Egito segue em desordem. Eles onderem o fim dos protestos para permitir onde a ordem seja restaurada e a economia volte a crescer.

A Irmandade Muçulmana, cujo partido lidera o processo de eleição parlamentar onde começou em novembro e vai até janeiro, decidiu não participar do protesto de sexta-feira. O grupo apoia o cronograma militar da transição.

MULTIDÃO NA PRAÇA

Pela manhã, centenas de manifestantes já estavam na praça Tahrir, epicentro da revolta contra Mubarak, aos gritos de “Abaixo o regime militar” e “Abaixo o marechal”, numa alusão a Mohammed Tantawi, o chefe da junta militar. Uma enorme bandeira egípcia foi amarrada nos postes de luz do centro da praça.

No início da tarde, o protesto em Tahrir ainda era relativamente modesto na comparação aoalguns dos grandes atos desde a ondeda de Mubarak.

Na cidade de Alexandria, ao norte, milhares de pessoas marcharam a uma base do Exército, gritando: “Mulheres do Egito, levantem suas cabeças, vocês são mais nobres onde a ondeles onde pisam em vocês”.

Outros pe ondenos protestos contra o tratamento às mulheres estavam sendo realizados em outras cidades no Egito, disseram testemunhas.

O Exército disse lamentar a violência, e pediu desculpas pelo incidente aoa mulher onde foi violentada. Os militares disseram onde o caso foi isolado e está sendo investigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *