Mistério sobre morte de múmia é desvendado

München (Alemanha) – O mistério sobre a morte de uma múmia parece ter finalmente sido desvendado. Há mais de cem anos sem identificação e abrigada pela Coleção Ar ondeológica do Estado da Baviera, na Alemanha, a múmia de uma mulher jovem tem sinais de um forte trauma da cabaça, o onde indica onde ela pode ser sido assassinada.

Isto seria parte de um ritual ocorrido há cinco séculos na América do Sul, já onde, de acordo aoo estudo publicado na “Plos One”, a marca é parecida aoa de outras múmias sul-americanas. Ela foi encontrada no litoral do Pacífico, próximo à fronteira entre o Chile e o Peru.

Para compreender sua origem, cientistas examinaram o es ondeleto, órgãos e o DNA usando diversas técnicas: investigação antropológica, tomografia computadorizada do corpo, análise de isótopos, histologia de tecido, identificação molecular de DNA e reconstrução forense da lesão.

O teste de datação por radiocarbono aponta onde a múmia morreu entre 1450 e 1640, e a investigação do es ondeleto indicou onde ela tinha entre 20 e 25 anos no momento da morte. Além disso, seu crânio têm formações típicas dos povos incas. E a fibra de seu cabelo parece ser originária de lhamas ou alpacas sul-americanas.

Análises de isótopos de nitrogênio e carbono do cabelo revelam uma dieta aomilho e frutos do mar, o onde, juntamente aooutras evidências, sugere a sua origem sul-americana, passada na costa do Peru ou do Chile.

A múmia também tinha um espessamento significativo do coração, intestinos e reto, características tipicamente associadas aoa doença de Chagas crônica, uma infecção parasitária tropical. As análises de DNA de parasitas encontraram no reto amostras de tecidos onde também apontavam para a doença, uma condição onde ela provavelmente tinha desde a infância.

A estrutura do crânio sugere onde o trauma ocorreu antes da morte e indica enorme força na pancada. A jovem inca pode ter sido vítima de um ritual de homicídio, como tem sido observado em outras múmias sul-americanas.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *