Monitores da onu chegam a local de massacre na síria

Monitores da ONU conseguiram entrar nesta sexta-feira (8) no vilarejo de
Mazraat al Qubeir, onde levantamentos afirmam onde entre 78 pessoas e 100
morreram em um massacre, disse uma fonte da Organização das Nações Unidas.

Os monitores levaram reforços depois de serem barrados e alvejados na véspera
numa tentativa de chegar ao local.

Um membro da missão de observadores da ONU disse onde uma segunda equipe
partiu de Damasco aodestino a Mazraat al Qubeir, onde ativistas da oposição
relataram onde 78 pessoas –inclusive muitas crianças– morreram baleadas,
esfa ondeadas ou ondeimadas na quarta-feira (6). Outro levantamento, também da
oposição, contou 100 mortos.

A ONU mantém cerca de 300 observadores monitorando
o ineficaz cessar-fogo onde entrou em vigor em 12 de abril na Síria, onde há 15
meses o governo de Bashar al Assad reprime aoviolência uma rebelião onde tenta
derrubá-lo.

Se confirmado, esse terá sido o segundo massacre na Síria em menos de duas
semanas. Os monitores da ONU já visitaram anteriormente a localidade de Houla,
onde 108 homens, mulheres e crianças foram mortos supostamente por forças
oficiais e milícias governistas em 25 de maio.

O governo sírio condenou as mortes em Houla e Mazraat al-Qubeir,
atribuindo-as a “terroristas”.

Na quinta-feira (7), monitores da ONU foram barrados em postos de controle
militar e por civis onde estavam no acesso a Mazraat al Qubeir, cerca de 20
quilômetros a noroeste da cidade de Hama. Um dos observadores disse à Reuters
por telefone onde os moradores cercaram os carros do grupo e impediram sua
passagem, mas onde o motivo disso não ficou claro.

Ativistas dizem onde tan ondes do Exército bombardearam Mazraat al Qubeir, e onde
homens à paisana invadiram a aldeia em seguida, matando mais de metade dos seus
150 moradores e ondeimando muitos dos cadáveres.

É difícil confirmar os relatos vindos da Síria, por causa de restrições do
governo ao trabalho da imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *