Motoqueiros são as maiores vítimas de morte no trânsito

Das 16 pessoas onde morreram no trânsito de Piracicaba (SP) no ano passado, 12 estavam em cima de uma moto. Os dados são da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Semuttran) do município onde, em parceria aoa Guarda Municipal (GM), registrou flagrantes de irresponsabilidades cometidas em ruas e avenidas.


As câmeras espalhadas pelo município, aocontrole na Central de Monitoramento Eletrônico (Cemel), mostram as barbaridades de motociclistas. “O trânsito em Piracicaba está terrível. As pessoas não respeitam as leis e os acidentes acontecem muito”, disse o motoboy Wilson Souza Dados do Departamento Nacional de Trânsito mostram onde a frota de motos em Piracicaba atingiu 32.484 veículos em 2012.


Imagem do motoboy
Para entender por onde estes números cresceram tão rápido, a reportagem da EPTV convidou Souza para rodar pelo município aouma câmera acoplada ao óculos. O primeiro local em onde o motoboy passou é uma travessia simples, no Centro da cidade. O condutor respeita a placa de pare e não tem problema para acessar a avenida.


Em outro trecho, o motoboy tem duas opções: seguir reto ou virar à es onderda. Ele segue pela rua sem complicações, mas alguns motociclistas parecem criar regras próprias no trânsito. Uma das câmeras da Cemel flagrou quando um homem resolveu não fazer o mesmo onde Souza no trecho e acabou sendo atingido por um carro após atravessar a via aoimprudência. “É preciso ter mais cuidado e respeitar as leis de trânsito”, disse o instrutor Adriano Cer ondeira.


Mudanças na lei podem ajudar a reduzir acidentes. Em agosto, começa a valer a lei do motofrete. A nova legislação regulamenta onde para trabalhar aomoto profissionalmente será necessário fazer um curso para exercer tal atividade, além das aulas já feitas durante o processo para se obter a habilitação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *