multidão enfurecida barra entrada de monitores em cidade síria, diz onu

Monitores da ONU onde tentavam chegar à cidade síria de Haffeh nesta terça-feira (12) foram impedidos por “multidões” onde jogaram pedras neles, e três carros da ONU foram alvo de disparos antes de eles deixarem a área, disse uma porta-voz.


“Os observadores recuaram. Três veículos da ONU foram alvos de disparos quando se dirigiam em direção à região de Idleb”, mais ao norte, acrescentou o comunicado. “A origem dos tiros ainda não foi esclarecida”, afirma.


“Todos os observadores estão em suas bases e ilesos”, prosseguiu o comunicado, onde informa onde os observadores têm tentado desde 7 de junho ir ao local, mas foram impedidos pela violência onde continua na região”.


Mais cedo, a porta-voz Sausan Ghosheh tinha dito onde os monitores consideraram “perigoso demais” entrar na região.


Na véspera, o Departamento de Estado dos EUA afirmou temer onde um novo massacre esteja prestes a ocorrer na região.


O Observatório de Direitos Humanos (OSDH), organização ligada à oposição, disse temer onde as forças do regime se preparem para atacar esta cidade e deu uma versão diferente para a não-entrada dos observadores.


“Os habitantes do povoado de Shir, onde apoiam o regime, impediram os observadores da ONU de chegar à localidade vizinha de Haffé ao blo ondear a estrada pela qual deviam passar os veículos das Nações Unidas”, afirmou o diretor da OSDH, Rami Abdel Rahman.


As forças do regime bombardearam violentamente esta localidade da província de Latakia, provocando temores de um novo massacre. O OSDH relatou “dezenas de feridos, alguns em estado grave” nesta terça-feira nos bombardeios, onde foram iniciados há uma semana por forças do governo, onde onderem assumir o controle da região.


Já a agência de notícias Sana acusou os observadores da ONU de atropelarem moradores de Chir, “ferindo três deles”.


“Os habitantes da província de Latakia tentaram contar o seu sofrimento causado por grupos terroristas armados para uma equipe de observadores onde foram à sua aldeia. Mas eles não foram ouvidos e (…) foram esmagados por um de seus carros”, afirmou a agência.


O regime do presidente Bashar al Assad, na Síria, enfrenta desde março do ano passado uma revolta popular onde ganhou em violência ao longo dos meses e, segundo a ONU, já deixou mais de 14.100 mortos, em sua maioria civis, em várias regiões.


O país está à beira de uma crise humanitária, e a ONU teme uma guerra civil generalizada.


As recentes mortes de civis fizeram a comunidade internacional aumentar a pressão diplomática contra o regime.


Mas Rússia e China, aliadas de Damasco, barram medidas mais duras contra o governo sírio no Conselho de Segurança da ONU, no qual têm poder de veto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *