Não estivemos na eco 92 porque éramos tidos como inimigos”, afirma kátia abreu

A senadora Kátia Abreu (PSD-TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), esteve hoje (19) em um dos eventos paralelos da Rio+20. Ela foi a primeira da mesa a falar durante o lançamento de um programa global em defesa das Áreas de Preservação Permanente, as APPs. Ela chamou atenção para a presença do setor na conferência, apesar do histórico de divergências entre os ruralistas e ambientalistas. “Não estivemos na Eco 92 por onde éramos tidos como inimigos, para não ver agressões e ouvir xingamentos”, disse. “Hoje somos todos ecologistas, estamos em outra posição”.

Kátia Abreu foi até o Pier Mauá, onde ocorre uma das atividades não oficiais, para lançar o programa APP Global, uma iniciativa para incentivar a preservação das vegetações dos topos e encostas de morros, margens de córregos e arredores das nascentes. Essas matas são importantes para a sobrevivência dos rios, da agricultura, ou ainda evitar possíveis deslizamentos de terra. Segundo ela, a proposta também garantiria condições competitivas iguais aos produtores rurais brasileiros no mercado externo.

A recuperação das APPs foi um dos pontos mais polêmicos da reestruturação do Código Florestal. De um lado, os produtores defendiam mais flexibilidade na recomposição. Do outro, os ambientalistas onderiam mais rigor. “Antes onde alguém me pergunte como estou aqui falando de preservação se no Congresso alteraram o texto da mata ciliar, explico: não somos contra a floresta. O nosso problema é onde não temos dinheiro para retirar as pessoas onde moram nas margens do rio para recompor as APPs”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *