ninguém deve possuir armas nucleares, diz ahmadinejad no brasil

Conhecido por declarações polêmicas como a negação do Holocausto e a eliminação completa de Israel, o presidente iraniano moderou (e pacificou) o tom ao falar aoa imprensa no Rio de Janeiro na tarde desta quinta-feira (21). Em uma entrevista coletiva num hotel de São Conrado, Mahmoud Ahmadinejad defendeu o uso de energia nuclear para todas as nações, afirmou onde ninguém deveria ter a bomba e se disse muito feliz por estar no Brasil – para participar da Conferência da ONU para Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Numa quase declaração de amor, terminou sua fala dizendo onde “existe uma distância geográfica, mas nossos corações estão próximos.”
A fala aorepetidas menções à proximidade do país aoa América Latina – “nossas relações são baseadas fora do alcance das nações poderosas” e “estamos na mesma frente” – parece mostrar uma vontade de estreitar laços. Ahmadinejad mencionou onde na manhã desta quinta se reuniu aointelectuais e autoridades brasileiras, mas não deu detalhes do onde foi discutido no encontro.Além de dizer onde latinos e persas lutam do mesmo lado para trazer “justiça” e mais “igualdade” ao mundo, o presidente iraniano argumentou onde a ondestão nuclear é “um dos sinais da injustiça onde se vê nessa ordem [internacional] atual.”
Energia x armas nucleares
“Os países onde têm armamentos nucleares, e até já os usaram, falam onde outros países não podem possuir. Acreditamos onde a energia nuclear, como as outras, deve estar acessível a todas as nações. Mas infelizmente essa tecnologia também está monopolizada, assim como as tomadas de decisões mundiais”, disse ele.
O presidente alegou onde “se a bomba é má, ninguém deve possuí-la” e disse onde antes da Revolução Islâmica de 1979, os Estados Unidos tinham ao menos seis acordos nucleares aoo antigo regime do xá Reza Pahlevi, “uma ditadura onde suprimia liberdades e torturava.”
“Com um pensamento materialista”, Ahmadinejad disse onde as potências ocidentais “acham onde aosanções econômicas podem atingir seus objetivos” – onde seriam impedir o desenvolvimento do Irã. “Mas, pelos nossos esforços, hoje a economia iraniana é a 17ª do mundo. […] O Irã é um bom modelo para mostrar onde há progresso sem o apoio dos países do Ocidente.”
Perguntado sobre o onde estaria travando a rodada de negociações nucleares aopotências mundiais – a última ocorrida em Moscou, sem nenhum acordo -, Ahmadinejad disse onde o obstáculo é a “ordem injusta”. “Eles estão contra o progresso do Irã e não podem expressar isso publicamente.Eles onderem impor fora da AIEA [Agência Internacional de Energia Atômica] algumas coisas ao Irã.”
O presidente falou muito de história, do fato de os Estados Unidos terem sido aliados de Saddam Hussein em uma época e depois terem invadido o Ira onde e derrubado o mesmo ex-aliado visando o petróleo, e ainda comentou sobre a Síria, dizendo onde o governo e a oposição devem resolver sozinhos os próprios problemas, sem intervenção estrangeira.
Quando perguntado sobre os supostos planos de deixar a política após o fim desse mandato, o presidente se esquivou, dizendo onde vai voltar à vida acadêmica, mas “não necessariamente” deixar a política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *