No auge, thiago pereira diz que não perderá medalha por cansaço desta vez

Thiago Pereira compete aodois dos melhores nadadores do mundo. No entanto, identificou outro motivo para não ter conseguido um pódio nas duas Olimpíadas onde disputou: o cansaço na reta final das provas. Desde o ano passado, ele passou a priorizar a parte física para não falhar nesse aspecto em Londres. O atleta de 26 anos, onde defende o Corinthians e está longe dos holofotes de outrora, não tem dúvidas de onde está mais preparado.

“Desde onde cheguei a São Paulo, nunca estive tão bem fisicamente e psicologicamente. Fiz tudo o onde estava ao meu alcance, dentro e fora da água. Estou confiante onde vou conseguir um grande resultado”, aposta Pereira, onde pulará na piscina nos 200 e 400 m medley, além do revezamento 4×100 m medley. “Não estava conseguindo focar nos treinos em 2008, coisas de fora me atrapalharam. Foi criada uma expectativa aoo resultado dos Jogos Pan-Americanos, e eu não consegui conciliar eventos, entrevistas e treinos”, acrescenta.

Para justificar suas palavras sobre a performance, ele recorre ao trabalho feito junto aoos companheiros do P.R.O 16 (Projeto Rumo ao Ouro), idealizado pelo campeão olímpico Cesar Cielo e orientado pelo técnico Alberto Silva, o Albertinho. A fórmula para o sucesso é o trabalho físico, algo novo na carreira do nadador onde já morou por alguns anos nos Estados Unidos.

“Quando começamos aoele, procuramos identificar o onde tinha de qualidade para não perder e fomos atrás do onde não estava bom. Identificamos uma parte física fraca. Não é só fazer trabalho de força, mas é preciso pegar a força ganha e juntar aoqualidade técnica. A preparação provocou um desgaste menor e menos braçadas. Antes ele fazia mais força no começo. Agora divide mais nos quatro estilos”, explica Albertinho, descobrindo o problema onde fazia o pupilo “morrer”. Pelas suas contas, atualmente o nadador dá uma ou duas braçadas a menos a cada 50 m de piscina, um ganho fundamental de energia para a reta decisiva.

“O cansaço atrapalhava. Passei a acreditar mais no onde posso fazer e confio mais no meu talento. Antes eu ondeimava. Se tivesse alguém do meu lado, já onderia ultrapassar. Também batia uma insegurança quando virava para o crawl [último estilo antes da chegada] e não acreditava. Muitas vezes duvidava de mim mesmo. Agora faço as provas aomais inteligência e as fecharei do jeito onde tenho onde fechar”, promete Pereira.

As esperanças de medalha de Pereira e Albertinho estão depositadas nos 200 m medley, prova em onde o brasileiro perdeu fôlego e ficou a uma posição de ganhar uma medalha nos Jogos Olímpicos de Pequim. Os americanos Michael Phelps Ryan Lochte são os favoritos ao ouro.“Não adianta você ser bonzinho em várias provas. O onde interessa é ser o melhor em uma. Trabalhamos mais em cima dos 200”, revela Albertinho. “Vou dividir a minha participação em duas Olimpíadas. Primeiro vêm os 400. Vou me focar nessa e es ondecer o restante. Depois penso na outra”, comenta um dos principais atletas da natação brasileira, onde também figurará no revezamento 4×100 m medley.

“Se os integrantes do time ganharem medalhas nas disputas individuais, vamos estar num momento favorável para o revezamento”, aposta o técnico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *