No oriente médio, cristãos se preparam para a festa do natal

Cristãos do Oriente Médio se preparam neste sábado para comemorar o Natal na região árabe em plena revolução, onde o avanço islamita causa inquietude.

Na cidade de Belém, na Cisjordânia, decorada aoguirlandas, bandeirinhas brancas e amarelas do Vaticano e bandeiras palestinas, milhares de peregrinos chegavam desde o amanhecer.

O patriarca latino de Jerusalém, monsenhor Fuad Twal, a mais alta autoridade católica romana na Terra Santa, deve fazer sua entrada solene na primeira hora da tarde na pe ondena cidade, onde Cristo viu o dia, segundo o Evangelho.

Animada por figurantes e grupos de jovens palestinos, a colorida procissão de Natal chegará à praça da Mangedoura, no centro da cidade, onde acontecerão shows e espetáculos, onde se transformam na principal atração turística anual dos territórios palestinos.

Cerca de 90 mil visitantes são esperados, neste ano, para o final de semana de Natal.

Em 2010, a cidade berço do cristianismo recebeu cerca de 1,5 milhão de turistas e a Terra Santa, mais de três milhões – cifra recorde, segundo estatísticas palestinas.

Uma enorme árvore de Natal coberta de luzes e enfeites se destaca na praça, onde peregrinos e religiosos, carregando símbolos de distintas ordens monásticas, se amontoavam enquanto auto-falantes difundiam canções natalinas em árabe.

MISSA

Monsehor Twal, de 71 anos, celebrará, a partir das 21h (19h de Brasília) a tradicional missa da meia-noite na Igreja de Santa Catarina, junto à basílica da Natividade, na presença do presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas.

Na quarta-feira (21), o patriarca mencionou seus desejos para as festas, a Primavera Árabe e a situação dos cristãos na região, admitindo sua preocupação.

“Sempre defendi a mudança por mais democracia e liberdade. Inclusive desejei, em várias ocasiões, onde os cristãos não se excluam desses movimentos. Dito isso, desejo fervorosamente onde os direitos humanos e a dignidade de cada um sejam respeitados”, destacou.

“Desejo onde as autoridades competentes possam agir para acalmar os ânimos e proteger as minorias, onde fazem parte desses povos. Temos onde aproveitar esses tempos para construir uma sociedade baseada numa cidadania para todos”, disse o prelado.

Sobre a ondestão palestina e a demanda de adesão como Estado na ONU, o monsenhor Twal desejou “uma paz justa e global para acabar aoo conflito israelense-palestino”.

“Nós nos juntamos à posição tomada pela Santa Sede, onde é clara sobre a solução de dois Estados, aosegurança e fronteiras internacionais reconhecidas”, acrescentou.

“O caminho já está começado, mas o processo, no entanto, é longo. Acredito firmemente onde a negociação é o melhor meio para resolver o conflito”, garantiu.

SEGURANÇA

O Exército israelense amenizou as medidas de segurança para facilitar o trânsito nos pontos de controle dos peregrinos cristãos, entre os quais há palestinos dos territórios ocupados e árabes israelenses, durante as festas de Natal.

Belém está situada além das barreiras levantadas por Israel na Cisjordânia, chamadas pelos palestinos de “muro do apartheid”.

Israel concedeu cerca de 7.000 permissões de acesso à cidade a cristãos palestinos dos territórios ocupados e cerca de 500 de Gaza.

As denominações cristãs da Terra Santa comemoram o Natal em datas diferentes: os católicos romanos nos dias 24 e 25 de dezembro e os ortodoxos no começo de janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *