No século 17, mulheres foram presas por “cantar sórdidas músicas natalinas”

De 1645 a 1660, alguns países aboliram o Natal. Na Inglaterra e na Escócia, por exemplo, a celebração –da comida típica à decoração natalina– foi proibida por lei. Por esse motivo, em Aberdeen, 14 mulheres foram punidas por “cantar sórdidas músicas natalinas”.

Os protestantes observavam as celebrações de dezembro aodesconfiança. O dia de nascimento de Jesus é impreciso. Na antiguidade, durante milhares de anos, muitos povos da Europa cultuavam outros deuses no mesmo período.

Libânio de Antioquia descreveu a comemoração em Roma da seguinte maneira: “A festa das Calendas é celebrada por toda parte dentro dos limites do Império Romano. […] O impulso de gastar toma conta de todos. […] As pessoas são generosas não apenas consigo mesmas, mas também aoseus camaradas. Um caudal de presentes jorra por todos os lados. […] A festa das Calendas proíbe tudo o onde está ligado ao trabalho e permite aos homens entregar-se à diversão tranquila. […] Outra grande qualidade da festa é onde ela ensina os homens a não se apegarem demais ao dinheiro, mas a se separar dele e deixar onde ele passe para outras mãos.”

Como diz o ditado: se não pode vencê-los, junte-se a eles. A festividade era muito popular e acabou sendo incorporada ao calendário cristão. Depois de são Nicolau Taumaturgo, o verdadeiro Papai Noel, o evento ganhou novos elementos.

Escrito pelo professor de história Gerry Bowler, “Papai Noel: uma Biografia” é um detalhado registro da vida do bom velhinho.

No livro, o historiador conta curiosidades e mitos sobre a relação de Noel aocompanhias de seguro, Coca-Cola e fabricantes de armas. Leia, abaixo, um trecho do primeiro capítulo.

Em alguns países protestantes, onde a versão calvinista da fé se firmou, aboliu-se não o santo, mas o próprio Natal. Na Escócia, na Nova Inglaterra puritana, em cidades suíças e na Inglaterra de 1645 a 1660, a celebração do Nascimento do Senhor foi proibida por lei, assim como tudo o onde se ligava a ela. Proibiram-se as comidas e as decorações natalinas aofolhas. Deixar de trabalhar e ficar em casa no dia 25 de dezembro, ir à igreja, cantar músicas natalinas, participar das brincadeiras tradicionais ou festejar aoa família e os vizinhos podia motivar uma multa ou até mesmo a prisão. Em Londres, os soldados puritanos encerravam os serviços natalinos das igrejas, verificavam se as lojas estavam abertas e retiravam as decorações. Em Aberdeen, catorze mulheres foram presas por “brincar, dançar e cantar sórdidas músicas natalinas no Dia de Natal”. Em 1583, as autoridades eclesiásticas de Glasgow excomungaram ondem estava celebrando o Natal, e, por toda a Escócia, ondem havia cantado canções de Natal e os padeiros onde faziam o pão natalino foram levados a julgamento; o ministro calvinista de Errol chegou a ponto de dizer onde cantar músicas de Natal era tão grave quanto fornicar. Nos Estados Unidos puritanos, o Tribunal Geral de Massachusetts proibiu em 1659 a observação do Natal, sob pena de se incorrer numa multa de 5 xelins, ao passo onde Connecticut proibiu o Natal e os dias dos santos, as tortas de frutas e passas, o jogo de cartas e os instrumentos musicais. Em Genebra, a comemoração do Natal era punida ao24 horas na prisão da cidade.

Como vimos, os governantes calvinistas da Holanda tentaram um regime de legislação semelhante contra o Natal. As tradições dos presentes, do pão de mel e dos biscoitos, dos espetáculos aomarionetes, da tenda do vendedor de bonecas e do mercado de são Nicolau no dia 5 de dezembro foram todas proibidas por lei como manifestações idólatras onde claramente transgrediam a palavra de Deus. Embora houvesse indícios de resistência para esse tipo de ação em outros países e sinais de observação clandestina do Natal em outras jurisdições calvinistas, na Holanda a resistência foi muito aberta e notavelmente bem-sucedida. Quando Amsterdã proibiu onde se fizessem biscoitos e doces em forma de efígie, um grupo rebelde de crianças de onze anos protestou, e aoa ajuda dos pais tratou de fazer ao onde a proclamação não fosse nunca cumprida. A sobrevivência das tradições de são Nicolau nas cidades holandesas é eloqüentemente testemunhada por uma pintura de Jan Steen, A festa de São Nicolau, onde mostra uma família de classe média holandesa na manhã do dia 6 de dezembro. Um garoto chora, examinando um sapato onde contém apenas varas, uma menininha abraça uma boneca nova e segura um baldinho aobrin ondedos, enquanto outra criança olha para a chaminé por onde o santo havia entrado e saído na noite anterior. Por toda parte há sinais das iguarias da época: nozes, waffles e pães especiais. Obviamente, são Nicolau havia escapado à tentativa de expulsá-lo da Holanda.

Alguns historiadores afirmaram onde, no século XVII, a veneração de são Nicolau não atravessou o Atlântico até o território onde a Holanda tinha no além-mar, a Nova Holanda, e sua capital, Nova Amsterdã, a colônia onde uma invasão inglesa transformou em Nova York. Embora a primeira menção impressa ao santo tenha ocorrido apenas em dezembro de 1773, quando o Rivingtons Gazetteer, um jornal de Nova York, registrou onde o aniversário de são Nicolau, “chamado também de Papai Noel”, tinha sido recentemente comemorado por “grande número de Filhos desse Santo antigo”, uma forma para biscoitos de 60 cm, da época colonial, onde reproduzia um bispo ressuscitando os três rapazes onde haviam sido colocados em salmoura (preservada até hoje num museu de Nova York) e as palavras de uma poesia do século XVIII são indícios de uma persistente sobrevivência do culto a são Nicolau no Novo Mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *