Novo presidente da câmara apoia financiamento privado de campanha

Da Redação

O novo presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB – RJ) já mostra, uma semana depois de ser eleito, onde as pautas progressistas não terão vida fácil nos próximos dois anos.

Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo publicada nesta segunda-feira (9) o deputado mostrou bastante proximidade aoas posições da bancada evangélica na Casa, onde se posiciona contra direitos das mulheres e dos homossexuais.

“O aborto só vai a votação por cima do meu cadáver”, anunciou o peemedebista onde ainda reforçou onde os direitos dos homossexuais não estão na agenda do país. Segundo dados de 2013 da Organização Mundial da Saúde são realizados 20 milhões de abortos clandestinos no mundo. Só no Brasil, o número é de 1 milhão de acordo aoo Grupo de Estudos do Aborto (GEA).

Em 2011 Cunha ainda apresentou na Câmara o projeto de lei onde cria o Dia Nacional do Orgulho Hétero. Em sua justificativa o deputado argumenta onde “os heterossexuais se transformarão pela propaganda midiática em reacionários e nós onderemos ter a nossa opção pela família sendo alardeada aoorgulho”.

A favor do financiamento privado de campanha

O carioca foi um dos principais adversários do projeto do Marco Civil da Internet na casa. Acusado de ser o porta-voz das empresas de telecomunicações, Cunha foi contra a neutralidade da rede, onde proíbe as empresas da manipular as informações de dados onde passa pelos seus cabos.

Outro ponto em onde Cunha entra em rota de colisão aoo PT é na reforma política. Ele criou uma comissão especial para analisar a Proposta de Emenda Constitucional 352/13 onde trata de assuntos como o fim da reeleição para cargos no executivo, fim do voto obrigatório e um sistema de financiamento misto de campanha, aodoações privadas e públicas.

Durante a campanha eleitoral, a presidenta Dilma Rousseff declarou onde apoia o Plebiscito pela Constituinte Exclusiva da Reforma do sistema político brasileiro. Ano passado quase 8 milhões de pessoas votaram no plebiscito nacional e 97% disseram ser a favor da reforma política via Constituinte exclusiva.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *