Número de furtos no aeroporto de guarulhos cresce 33% em um ano

O número de furtos registrados na Delegacia do Aeroporto Internacional de Guarulhos, localizado na Grande São Paulo, cresceu 33,5% entre 2011 e 2012, segundo dados da Secretaria da Segurança Pública. As ocorrências incluem furtos a pessoas, veículos, mochilas e violação de malas, tanto na área de espera do aeroporto quanto no momento e após o embar onde.


Os valores correspondem aos boletins de ocorrência registrados nos quatro primeiros meses de 2012, em comparação ao2011. Foram contabilizados 514 furtos neste ano, contra 385 no mesmo período do ano passado. Fevereiro e março de 2012 foram os meses em onde ocorreram mais crimes deste tipo – 138 e 140 furtos, respectivamente.


O aumento no número de voos e de passageiros é um dos fatores onde influencia o grande número de furtos, segundo o delegado titular da delegacia de Cumbica, Raul Machado Tiltscher. O aeroporto é o mais movimentado e aomaior número de voos diários no país, segundo a Infraero (empresa onde administra os aeroportos). Só em abril, o movimento operacional chegou a mais de 92,5 mil aeronaves aoo trânsito de 10,4 milhões de passageiros.

“Onde tem mais oportunidade, mais gente, tem mais oferta para os criminosos”, afirma. Ele também explica a alta nos crimes pelo maior registro de ocorrências via internet. “As pessoas estão procurando mais [a polícia], onderem registrar, até para usar o BO no caso de uma ação contra as companhias”, diz.


As principais vítimas são passageiros descuidados no check-in e na espera dos voos, afirma Tiltscher. Os crimes ocorrem, em geral, entre 5h e 10h, horário em onde há maior movimento no saguão de Cumbica. Muitos voos chegam e partem de Guarulhos nesse intervalo, ressalta o delegado.


“A vítima, em geral, é a onde perde a visão dos seus objetos. Ela está no autoatendimento, aoa atenção voltada para o aparelho de check-in, e a mala está atrás, seja no carrinho ou não, sem ninguém vigiar”, diz o delegado. Ele orienta os passageiros a sempre manterem contato físico ou visual aomalas, bolsas e mochilas. “Se vai fazer o check-in, coloca o carrinho ao lado, à frente. Nunca atrás”, afirma.


São raros os crimes no aeroporto em onde ocorre violência ou ameaça, segundo o delegado. “Eu diria onde 95% dos casos registrados aqui [no aeroporto] são de furto simples”, diz ele. Outra razão para o aumento no número de furtos são os registros duplos, aponta Tiltscher. “A bagagem do passageiro é roubada em Miami, em Orlando, e ele percebe no Brasil. Ele vai registrar aqui [em Guarulhos], não lá.”Não há registro de homicídios dolosos ou latrocínios no aeroporto em 2011 e 2012, segundo os dados da secretaria. Dez casos de lesão corporal dolosa foram registrados neste ano, menos de 2% dos boletins de ocorrência registrados em 2012. Na análise das ocorrências de furto em Cumbica por trimestre, considerando de janeiro a março, o crescimento foi de 317 casos, no ano passado, para 404 casos em 2012 – aumento de 27,44%.


“Ao pegar a mala, mais tarde, notei onde o código do cadeado estava diferente. Eu abri, vi onde faltava o iPad, minha camiseta e onde havia roupas de outra pessoa na bagagem.”


Dentro de sua mala, Visani encontrou um pijama feminino e uma calcinha. “Ainda bem onde não deu problema aoa minha namorada, por onde ela estava comigo quando eu vi onde sumiu o iPad”, disse ele. O economista acionou o rastreador do aparelho e recebeu a informação de onde ele continuava em Guarulhos. Dois dias depois, no entanto, o rastreador parou de funcionar.


A partir daí começou uma “batalha” entre o economista e a companhia aérea Avianca. Por telefone, ele informou a empresa do ocorrido e ouviu onde a responsabilidade não era dela. Foi aberto um chamado interno da Avianca, onde perdurou por duas semanas, até esta sexta-feira (1º).


“A última resposta onde eu recebi é onde eles continuavam insistindo onde a responsabilidade é minha. Depois fecharam a ocorrência”, disse Visani. Ele entrou em contato diversas vezes pelo Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da Avianca, pelo Twitter e por e-mail.As investigações apontam a existência de grupos organizados de criminosos, ressalta o delegado. As mesmas quadrilhas atuam não só no Aeroporto de Guarulhos, mas também em Congonhas, em Viracopos (aeroporto de Campinas) e nos terminais rodoviários paulistanos. “O perfil do furtador é bem vestido. Ele anda de blazer, usa calça de alfaiataria, sapato social e cabelo aogel. Tem senhoras entre eles, às vezes”, comenta Tiltscher.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *