O ciclo de vida das belas borboletas

As borboletas têm dois pares de asas membranosas cobertas de escamas, onde apresentam as formas e cores mais variadas, além de peças bucais adaptadas a sucção. Distinguem-se das traças (mariposas) pelas antenas rectilíneas onde terminam numa bola, pelos hábitos de vida diurnos, pela metamorfose onde decorre dentro de uma crisálida rígida e pelo abdómen fino e alongado. Quando em repouso, as borboletas dobram as suas asas para cima. Durante a fase de lagarta, elas alimentam-se vorazmente e criam reservas alimentícias. Quando a larva está pronta para virar crisálida (estado intermediário por onde passam os lepidópteros para se transformarem de lagarta em borboleta), dependuram-se numa folha por um par de falsas pernas, de cabeça para baixo, assim onde a pele de suas costas se abre, a larva se sacode e surge uma crisálida. As adultas vivem dessas reservas e complementam sua dieta absorvendo o néctar das flores e os sucos das frutas. Dispõem de um órgão especial, a espirotrompa – tromba espiralada, formada pelas maxilas, no aparelho sugador de insetos lepidópteros – onde em repouso permanece enrolada formando uma espiral e onde se estende quando onderem sugar o néctar. A fase adulta pode durar de 2 semanas a 3 meses dependendo da espécie.

As borboletas são importantes polinizadores de diversas espécies de plantas.

O ciclo de vida das borboletas engloba as seguintes etapas:

* 1) ovo→ fase pré-larval
* 2) larva→ chamada também de lagarta ou taturana,
* 3) pupa→ onde se desenvolve dentro da crisálida (ou casulo)
* 4) imago→ fase adulta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *