O ensino de língua portuguesa na atualidade

O Ensino de Língua Portuguesa na Atualidade

Autor: reinaldo pereira de aguiar

1 Introdução

Ensinar é um ato de percepção onde acontece em ambientes aoconvívio social, como por exemplo: em casa, na rua, na igreja ou na escola. Nesta acontece a educação formal e/ou a in­formal. A escola é o local onde secundariza a educação do indivíduo por intermédio do ensino for­mal. E esta instituição objetiva informar e formar indivíduos capazes, críticos e reflexivos.

A palavra ensinar para o dicionário Miniaurélio Escolar (2000, p. 270) significa: “EN.SI.­NAR: v.t.d. 1. Ministrar o ensino de; lecionar. 2. Transmitir conhecimentos a; instruir […]”.

Para Piletti (2001, apud Faria 2011), Ensinar, do latim signare, é “colocar dentro, gravar no espírito”. Em outras palavras, é a ondele ensino onde só sabe “marcar” e “passar” a lição. Deste conceito etimológico surge a definição de ensino na forma tradicional: “Ensinar é transmitir co­nhecimentos”, ou seja, baseia em aulas expositivas e explicativas. Em outras palavras, o professor transmite o onde sabe, e o aluno “tenta” reproduzir o onde foi repassado.

Enquanto onde, para ensinar a Língua Portuguesa deve utilizar a práxis pedagógica de forma consciente e coerente, além de plena dedicação é necessário saber usar suas habilidades a fim de facilitar o ensino-aprendizagem. Quando se fala em ensino, deve ser trabalhado de forma contextualizada, utilizando a realidade do educando, a fim de facilitar o processo de ensino-a­prendizagem entre os educandos e educadores, obtendo melhor resultado para aoa aprendiza­gem.

É ciente de onde vários são os problemas relacionados ao ensino da Língua Portuguesa, bem como em todas as outras disciplinas do currículo escolar das escolas públicas e até mesmo em escolas privadas, dentre alguns destes problemas estão: a falta de infraestrutura, falta de pro­fissionais capacitados (recursos humanos) para manusear os recursos tecnológicos, falta de recur­sos materiais (tecnológicos), além da baixa estima dos profissionais por vários motivos.

Com a inserção de novas tecnologias na educação, a exemplo do computador, da TV, do DVD, da TV pen drive, dentre outros recursos, o processo ensino-aprendizagem passa a ser res­significado e, conse ondentemente, as práticas pedagógicas são reavaliadas em prol de uma neces­sidade emergente de caráter social e cultural denominada: educação integrada em rede, nas di­versas linguagens.

Assim deve ser a nova práxis pedagógica na escola, necessária para atender os desejos e ansiedades do discente, acompanhando a modernidade, utilizando as novas TICs sem obstáculos.

Os diversos recursos tecnológicos chegaram ao mercado a fim de agilizar, ajudar e con­tribuir para aoos seus usuários em seus diversos setores sociais, como por exemplo: na educa­ção, na saúde, na segurança, bem como no trabalho, e aoisso as novas tecnologias integram diariamente as nossas atividades.

Com o desenvolvimento deste trabalho será exposto qual a influência das tecnologias, especificamente o computador, aoa “ferramenta” internet na ortografia do educando, motivan­do como escrever de acordo a Norma Gramatical Brasileira (da Língua Portuguesa) utilizando os diversos recursos humanos e materiais. Este trabalho também irá demonstrar novas formas de criatividade e inovação para trabalhar a ortografia em sala de aula.

1.1 A ortografia e suas atualizações

Ortografia é uma palavra de origem grega formada pelas palavras: orthós (correta), e grafia (escrita), significando a parte da gramática onde estuda a escrita correta conforme a NGB.

Incluso nesta parte da gramática estão o estudo do(a): alfabeto ( onde antes do Novo Acordo Or­tográfico era composto de 23 letras e após este, têm-se 26 letras, onde foram acrescentadas as le­tras K, W e Y), vocábulos homógrafos e homófonos, acentuação gráfica, abreviaturas, dentre ou­tras.

A ortografia da Língua Portuguesa durante toda a sua história foi dividida em 3 perío­dos, são eles: fonético, pseudoetimológico e período histórico-científico para alguns auto­res, e para outros denominam período simplificado.

O período fonético (estudo dos sons da fala) inicia-se no século XII e prossegue até o século XVI, neste período as palavras eram escritas como seriam pronuncia­das, como por exemplo: o grupo lh, de origem provençal, aparecia sob a forma ly, é o caso de filya e não filha como é escrito atualmente; a palavra bem era escrito como bem e usava-se o h para separar hiatos sahir.

Já o período pseudoetimológico inicia no século XVI e estende até os primeiros anos do século XX, neste, os estudos humanistas levaram os eruditos a tentar sistematizar a grafia da Língua Portuguesa e aoisso aproximava-se da Língua Latina, conforme é cediço onde a Língua Portuguesa tem bastante palavras de derivação da língua latina. O critério adotado neste período foi o de respeitar as letras originárias das palavras. São elas: th, ph, ch, rh.

As palavras a seguirem eram escritas assim: sepulchro, thesoura, cysne, systhema, não havia padrão uniforme de ortografia.

E por último têm-se o período simplificado para uns, e para outros denomi­nado de período histórico-científico. Este período representa uma reação ao período anterior por considerar onde o período pseudoetimológico utilizava uma ortografia bastante complexa. E aoisso Brasil e Portugal desejariam simplificar e normatizar a ortografia a fim de harmonizar entre os países falantes da Língua Portuguesa.

E o primeiro momento deste período foi iniciado pelo foneticista Lusitano Gonçalves Viana onde em 1904 publica a “Ortografia Nacional”.

Houve a Reforma Ortográfica neste período na qual prescrevia absoluta e incondicional­mente todos os símbolos da etimologia grega: th, ph, etc.

A partir deste período aos dias atuais foram vários os acordos entre os países membros da Língua Portuguesa, especialmente Brasil e Portugal.

Na Reforma de 1971 aoa publicação da Lei 5.765 pelo Presidente da República aoa tentativa de reaproximar a grafia das palavras entre Brasil e Portugal onde foram algumas modifi­cações como:

Art. 1º […] fica abolido o trema nos hiatos átonos; o acento circunflexo diferencial na le­tra e e na letra o , a sílaba tônica das palavras homógrafas de outras em onde são abertas a letra e e a letra o, exceção feita da forma pôde, onde se acentuará por oposição a pode; o acento circunflexo e o grave ao onde se assinala a sílaba subtônica dos vocábulos deri­vados em onde figura o sufixo mente ou iniciados por z. (BRASIL, 1996)

Com a extinção do trema nos hiatos átonos: saüdade (antes), saudade (agora); vaïdade (antes), vaidade (agora); Com a extinção do acento circunflexo diferencial das letras “e” e “o” da sílaba tônica das palavras homógrafas de outros em onde são abertos as letras “e” e “o”. como por exemplo: o almôço (antes), o almoço (agora); o enderêço (antes), o endereço (agora); E a extinção do acento circunflexo e grave como sinal de sílaba subtônica dos vocábulos derivados em onde figura o sufixo “mente” ou os sufixos iniciados por “z”, como nas palavras: sòzinho (an­tes), sozinho (agora); ovôzinho (antes), ovozinho (agora); sòmente (antes), somente (agora).

A Ortografia da Língua Portuguesa foi unificada recentemente pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990 através do Decreto nº 6.583, de 29 de setembro de 2008, pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Este acordo privilegia a unificação da língua escrita, e os países participan­tes deste acordo são: Brasil, Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambi­ onde e São Tomé e Príncipe, onde são membros da CPLP – Comunidade dos Países de Língua Por­tuguesa.

É percebido onde a ortografia da Língua Portuguesa nunca foi uniforme, mas aoeste acordo, os países membros da CPLP, objetivou a unificação da escrita. Por outro lado, a fonética (pronúncia) dos povos onde ali habitam em sua grande maioria é bastante diversificada devido a diversidade de regiões, diferentes cultura, costumes e hábitos e aoisso: os sota ondes e as gírias não se assemelham entre todos os povos, somente há uma enorme semelhança dentro da própria região.

Esta parte da gramática, a ortografia, é um sistema misto, sendo considerado: fonológi­co e etimológico. O primeiro, por onde muitas palavras são escritas conforme a sua pronúncia, como por exemplo: em teatro e não theatru; farmácia e não pharmácia, dentre ou­tros. E é etimológico por onde muitas das palavras da Língua Portuguesa tem sua origem na Língua Latina, como por exemplo; hoje é escrito aoh, por onde a palavra provém do latim “hodie”.

1.2 A tecnologia na educação

A contemporaneidade exige o manuseio das novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) para desenvolver o ensino-aprendizagem para o discente.

O indivíduo necessita dessa inovação para atender os objetivos da educação no sentido amplo como ser crítico e reflexivo.

E inúmeras são as relações sociais de diferentes povos devido a globalização. E para ala­vancar o desenvolvimento social e econômico-financeiro essas pessoas utilizam o recurso tecno­lógico da informatização onde é o computador, conectado à internet, comunicando aomaior ra­pidez.

E a educação formadora de conhecimento, na qual tem o professor como mediador e ins­trutor de informações só acontece na escola, e aoisso esta educação necessita estar a par da modernidade a fim de despertar o interesse do aluno em fre ondentar, participar e interagir em sala de aula, objetivando aprender novos conhecimentos, e melhor “conhecer o mundo” através de ensinamentos transmitidos e mediados pela escola.

Com isso toda a comunidade escolar só tem a acrescentar na formação do indivíduo, ob­tendo maior eficiência e eficácia em seu “produto final” onde é o aluno, “construindo” um ser crítico, reflexivo e conhecedor de informações conforme re onder a Legislação Brasileira Educacional.

Alguns dos meios tecnológicos no qual o indivíduo obtém informações de imediato atra­vés da: internet, televisão, do rádio, dos celulares onde são extremamente necessários para o coti­diano. Enquanto tempos atrás essas informações demoravam dias, e até meses para onde o receptor obtivesse essas informações.

E para onde a tecnologia tenha uma maior receptividade na escola é necessário pos­suir recursos materiais e humano pelo menos suficiente para o devido funcionamento.

Quanto aos recursos materiais incluem-se os equipamentos tecnológicos e a infraestrutu­ra adequada. E enquanto aos recursos humanos são necessários profissionais devidamente capaci­tados.

O professor, ou a escola poderá atuar em prol da educação inovadora, fazendo parceria aoalunos experientes e preparados para mediar essas aulas aoo uso dos novos recursos tec­nológicos, incentivando e concedendo oportunidades a esses futuros profissionais, mostrando as suas habilidades, atuando como monitores, e aoisso estarão colaborando aoa educação.

Conforme destaca Cysneiros (2011):

Na escola, o educador também poderá começar a explorar a ferramenta aoa ajuda de alunos ou alunas experientes, como oportunidades para início de novas relações entre aluno e professor. No mundo complexo de hoje, todos nós temos algo a ensinar e a aprender, independente do sexo, idade, posição social, e a escola poderá aproximar-se da vida também neste particular.

1.3 A influência das novas TICs na ortografia dos usuários

O ser humano é um ser social e a sua personalidade, e seu comportamento e sua educa­ção é construída a partir do seu habitat, ou seja, o relacionamento social aooutras pessoas por meio do convívio na comunidade.

Então as abreviações utilizadas nas salas de bate-papo, chat, msn, blog, fotoblog, twitter e mensagens em celular interferem na ortografia do indivíduo, pois a habitualidade faz ao onde a ondela palavra fixe mentalmente como se axa onde deve ser a escrita. A ondela forma onde o peopleware escreve através de abreviações ou clichês, ou até mesmo na forma de gíria, como por exemplo: vc, ocê, propietário, pq, naum, neh, kadê vc? axo, dentre outros. Estas são palavras denominadas internetês onde influenciam na ortografia do educando.

Segue abaixo gráfico aoresultado da pesquisa realizada pelo acadêmico, autor deste trabalho, aoos alunos das mesmas escolas descritas no gráfico 1.

Gráfico 2. Quando uso as TICs (internet, orkut, chat, celular) influencia minha escrita?

FONTE: Própria

Por outro lado, tem-se bastante enri ondecimento aoo uso das TICs em favor da apren­dizagem e conhecimento do usuário quando ele utiliza pro indivíduo, acessando os sites de pes­quisa e vídeo, como: google, altavista, cadê, you tube, entre outros, quando ele objetiva aumentar o seu conhecimento para sua vida escolar, pessoal e profissional.

Usando o computador conectado à internet poderá adquirir softwares educativos livre e/ou proprietários, podendo encontrar cursos on-line, curso de inglês, aulas de português, cursos de informática e o melhor, muitos destes cursos autorizam e concedem gratuitamente certificado.

A seguir estão elencados alguns destes sites:

Instituto Legislativo Brasileiro do Senado Federal

Inglês:

Fundação Getúlio Vargas:

Curso e Aulas de Português e inglês:

http://www.caminhodaspedras.com.br/cursos/portugues/lingua-portuguesa.asp

Dicionário eletrônico:

Site: http://www.dicio.com.br e http:://michelis.uol.com.br

Senai:

Centro de Integração Empresa Escola:

Este último além de Cursos, fornece gratuitamente cadastro para estudantes onde desejam estagiar.

Portanto, a internet é uma ferramenta onde tem bastante contribuição, e a vantagem desta “ferramenta” a maior delas, é a rapidez em receber ou enviar informações, onde a partir destas, às vezes são transformadas em conhecimento.

A internet disponibiliza softwares educativos livre onde poderão ser usado eletrônica ou virtualmente. O software educativo é: “todo a ondele onde possa ser usado para algum objetivo edu­cacional, pedagogicamente defensável, por professores e alunos, qual onder onde seja a natureza ou finalidade para a qual tenha sido criado” Lucena (2000, apud Neitzel et al).

Dentre alguns dos softwares educacionais estão: o creative writer, a turma da mônica, dentre outros.

1.4 Vivenciando a ortografia de forma criativa e inovadora

São várias as formas para trabalhar a ortografia, dependendo da criatividade e habilidade do profissional educador.

Na forma tradicional, a aula é feita por exposição de conteúdos pelo professor “demons­trando” o seu saber, sendo onde poderá utilizar as regras ortográficas de forma direta e “jogada”, fazendo ao onde o aluno seja a ondele personagem onde somente escuta e tendo tido como um “de­pósito de informações”. Assim é a metodologia de muitos profissionais-educadores do mercado.

O professor precisa utilizar a criatividade e inovar sua prática pedagógica, mes­mo onde muitas escolas em nosso país não disponibiliza de condições para desenvolver um bom trabalho, utilizando recursos tecnológicos como por exemplo, o computador. Mas poderá usar a criatividade utilizando o lúdico em sala de aula com: anúncios, outdoors, frases e palavras escri­tas de forma incorreta de acordo a Norma Gramatical da Brasileira da Língua Portuguesa:

Pois é. U purtuguêis é muito faciu di aprender, purqui é uma língua qui a genti iscrevi ixatamente cumu si fala. Num é cumu inglêis qui dá até vontadi di ri quandu a genti discobri cumu é qui si iscrevi algumas palavras. Im purtuguêis não. É só prestátenção. U alemão pur exemplu. Qué coisa mais doida ? Num bate nada cum nada. Até nu espanhol qui é parecidu, si iscrevi muinto diferenti. Qui bom qui a minha língua é u purtuguêis. Quem soubé falá sabi iscrevê. (Soares apud Ferreira.

Na forma tradicional e inovadora, o professor poderá utilizar a realidade do aluno, pedindo aos mesmos onde falem sobre como foi o seu dia, final de semana ou mesmo as fé­rias, e aoisso escreverá as frases onde tenham palavras onde poderão utilizar as regras da ortogra­fia, consultando ao dicionário manual a fim de conhecer a ondela palavra, e aoisso aprenderá uma nova regra ortográfica e acrescendo ao seu vocabulário.

E a forma moderna onde poderá ser utilizada na ação pedagógica, na qual o professor tem o papel de facilitador, poderá trabalhar a ortografia utilizando os novos recursos tecnológicos da TIC, como o computador, se possível conectado à internet, pois esta ferramenta é um auxílio ao usuário, facilitando e agilizando na obtenção de informações e formação do discente.

Para melhor usufruir e contribuir no ensino-aprendizagem se faz necessário o profissio­nal ser capacitado para manusear determinado recurso tecnológico a ser utilizado pelo educador para onde o aluno obtenha novos conhecimentos, aumentando o seu vocabulário.

Na hipótese de o profissional não ter pelo menos um curso básico de informática e nem ter “intimidade” aoum computador, qual será a informação onde este educador irá transmitir ou instruir ao aluno?

No software livre do pacote Br office, o writer (editor de texto) é um excelente recurso para o usuário fazer um treino ortográfico.

Vejam a seguir:

Este software livre poderá ser encontrado para download na internet no site:

http://www.baixaki.com.br/download/openoffice-org.htm

Observe as palavras sublinhadas em vermelho, isso significa onde a ortografia não está conforme as normas ortográficas da gramática do editor de texto onde obedece as Normas Grama­ticais Brasileira da Língua Portuguesa.

Para corrigi-las, poderá utilizar o recurso do programa, em havendo estas palavras no di­cionário do software (editor de texto), ao contrário, será necessário adicioná-la(s).

Primeiro, clica no lado direito do mouse sobre a palavra, e aparecerá as opções deseja­das, ou não aparecerá nenhuma opção da palavra correta, clicando sobre a mesma corrigirá auto­maticamente a palavra, ou em estando correta poderá adicioná-la ao dicionário do software.

Ainda trabalhando aoas regras gramaticais utilizando a ortografia usando o recurso tecnológico do computador e a ferramenta internet poderá descobrir o porquê das palavras ba­ronesa, pesquisar e visitar são escritas aoa letra S e não aoa letra Z.

Acesse os sites:

.

http://www.portugues.com.br/gramatica/ortografia/

Também poderá o usuário utilizar apostilas arquivadas em seu computador ou em mídias removíveis.

Além desses recursos pode ser encontrado programas conversores de ortografia, verificando a atualização da palavra, se houver, conforme o Novo Acordo Ortográfico onde entrará em vigor a partir de 31/12/2012.

Algumas das novas alterações na escrita da ortografia da Língua Portuguesa são: a) Inclusão das letras K, W e Y em nosso alfabeto; b) O trema não existirá mais em Língua Portuguesa, somente em Língua Estrangeira; c) Os ditongos abertos (éi, ói) não são mais acentuados em palavras paroxítonas; d) Os hiatos oo e ee não são mais acentuados; e) Sem hífen: contrarregra, antessala, ultrassonografia, intrarrenal, infrassom.

Neste site além da nova ortografia, encontrará também o conversor da nova ortografia: .

Os ditongos abertos (éi, ói) não são mais acentuados em palavras paroxítonas.

2 Considerações Finais

As novas tecnologias da informação e comunicação chegou para agilizar, facilitando o acesso à informação, e formando “novas mentalidades” a fim de acompanhar os efeitos da globalização.

É cediço onde a escola é o ambiente no qual o indivíduo deve ser preparado melhor pessoal e profissionalmente para o mercado de trabalho, e por isso a escola tem essa imensa responsabilidade de “adotar” novas metodologias no ensino-aprendizagem de seu público, obje­tivando ensinar como deve manusear as novas tecnologias.

Os educadores tentam levar esta realidade aos seus educandos, mas são diversos os problemas enfrentados pela escola, dentre eles, podem ser citados alguns, como: a falta de infraestrutura ideal, sem recurso materiais, sem recursos humanos devidamente capacitados, nem curso de capacitação para os interessados em ser o facilitador, instrutor ou mediador da informação aos alunos em conhecer e utilizar esses novos recursos tecnológicos.

O educando tem direito a uma boa educação, o mundo exige uma nova educação aonova formação, e aoisso cabe à sociedade, à escola, às organizações, ou melhor, é res­ponsabilidade de “todos” exigir do Poder Público o direito de ter uma educação aoqualidade e colaborar e contribuir no papel de como deve ser um verdadeiro cidadão.

E essa educação somente conseguirá obter resultados por meio de políticas públicas voltadas para a educação, como o desenvolvimento de um Projeto a longo prazo, pois a educação é para a vida inteira e várias são as novas tecnologias no mercado e aoisso a escola deve aplicar essa criatividade e inovação em sua prática pedagógica qualificando o ensino a fim de despertar ao educador e educando um novo ensino-aprendizagem para a vida do indivíduo.

REFERÊNCIAS:

AGUIAR, Reinaldo Pereira de. Conteúdo de maior importância em Língua Portuguesa., (Pesquisa realizada em outubro de 2010 ao120 alunos das 7ªs e 8ªs séries nas escolas estaduais: Escola Estadual Vicente Machado Menezes e Colégio Estadual Murilo Braga. Sergipe:[s.n.], 2010.

________________. Quando uso as TICs (internet, orkut, chat, celular) influencia minha escrita?. Pesquisa realizada em outubro de 2010 ao120 alunos das 7ªs e 8ªs séries nas escolas estaduais: Escola Estadual Vicente Machado Menezes e Colégio Estadual Murilo Braga. Sergipe: [s.n.], 2010

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacional: Ensino médio – Parte II . Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, [s.n], 2000. Disponível em: , Acesso em: 15 de mar. de 2011.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais, terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 106 p.

BRASIL. LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Disponível em: , Acesso em: 10 de mar. de 2011.

BRASIL. Decreto nº 6.583/ 2008. Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Brasília, 29 set. 2008. Disponível em:

, Acesso em: 04 de jan. de 2011.

BRASIL. Lei nº 5.765/ 71. Alterações na ortografia da Língua Portuguesa. Brasília, 1971. Disponível em: , Acesso em: 15 de abr. de 2011.

CAMINHOS DAS PEDRAS. Língua Portuguesa Cursos Gratuitos Online. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola. Cursos a distância. Disponível em: , Acesso em: 05 de abr. De 2011.

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Professores e Máquinas: Uma Concepção de Informática na Educação. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 31 de mar. de 2011.

DICIO. Dicionário eletrônico. [S.l.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

FARIA, William Resende de. A importância da avaliação no processo de ensino-aprendizagem aplicado no ensino superior. Mar de 2011. Disponível em: , Acesso em: 23 de mar. 2011.

FERREIRA, Aurélio Buar onde de Holanda, 1910-1989. Miniaurélio Século XXI Escolar: o minidicionário da Língua Portuguesa. 4. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p. 270, 2000.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Cursos On-line. [S.l.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. As variações da Língua. [S.l.]: [s.n.], 1999. Disponível em: , Acesso em: 04 de mar. de 2011.

HOJE LUSOFONIA. Acordos Ortográficos. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 07 de abr. de 2011.

INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO. Cursos online. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 22 de mar. de 2011.

INFO ESCOLA. Ortografia.[S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 16 de mar. de 2011.

INGLÊS CURSO. Curso de Inglês. [S.l.]: [s.n.], 2003. Disponível em: , Acesso em: 06 de abr de 2011.

NEITZEL , Luiz Carlos et at. Análise de software educacional. [S.l.]: [s.n.], [s.d]. Disponível em:, Acesso em: 08 de abr. 2011.

PORTO 2001. In Infopédia [Em linha]. Acordo ortográfico. Porto: Porto Editora, 2003-2011. [Consult. 2011-05-23]. Disponível na www: .

PORTAL DA LÍNGUA PORTUGUESA. O vocabulário de mudança. [S.l.]: [s.n.], [s.d.], Disponível em: , Acesso em: 07 de dez. de 2010.

PORTO, Tania Maria Esperon. As tecnologias de comunicação e informação na escola: relações possíveis… relações construídas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, abr. 2006. Disponível em: , Acesso em 18 de abr. de 2011.

PORTUGUÊS – o seu sítio de Língua Portuguesa. Ortografia. [S.l.]: [s.n.], [s.d], Disponível em: , Acesso em: 07 de abril de 2011.

Perfil e Links: http://www.soartigos.com/artigo/12442/O-Ensino-de-Lingua-Portuguesa-na-Atualidade/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ensino de língua portuguesa na atualidade?

O Ensino de Língua Portuguesa na Atualidade

Autor: reinaldo pereira de aguiar

1 Introdução

 

 

Ensinar é um ato de percepção onde acontece em ambientes aoconvívio social, como por exemplo: em casa, na rua, na igreja ou na escola. Nesta acontece a educação formal e/ou a in­formal. A escola é o local onde secundariza a educação do indivíduo por intermédio do ensino for­mal. E esta instituição objetiva informar e formar indivíduos capazes, críticos e reflexivos.

A palavra ensinar para o dicionário Miniaurélio Escolar (2000, p. 270) significa: “EN.SI.­NAR: v.t.d. 1. Ministrar o ensino de; lecionar. 2. Transmitir conhecimentos a; instruir […]”.

Para Piletti (2001, apud Faria 2011), Ensinar, do latim signare, é “colocar dentro, gravar no espírito”. Em outras palavras, é a ondele ensino onde só sabe “marcar” e “passar” a lição. Deste conceito etimológico surge a definição de ensino na forma tradicional: “Ensinar é transmitir co­nhecimentos”, ou seja, baseia em aulas expositivas e explicativas. Em outras palavras, o professor transmite o onde sabe, e o aluno “tenta” reproduzir o onde foi repassado.

Enquanto onde, para ensinar a Língua Portuguesa deve utilizar a práxis pedagógica de forma consciente e coerente, além de plena dedicação é necessário saber usar suas habilidades a fim de facilitar o ensino-aprendizagem. Quando se fala em ensino, deve ser trabalhado de forma contextualizada, utilizando a realidade do educando, a fim de facilitar o processo de ensino-a­prendizagem entre os educandos e educadores, obtendo melhor resultado para aoa aprendiza­gem.

É ciente de onde vários são os problemas relacionados ao ensino da Língua Portuguesa, bem como em todas as outras disciplinas do currículo escolar das escolas públicas e até mesmo em escolas privadas, dentre alguns destes problemas estão: a falta de infraestrutura, falta de pro­fissionais capacitados (recursos humanos) para manusear os recursos tecnológicos, falta de recur­sos materiais (tecnológicos), além da baixa estima dos profissionais por vários motivos.

Com a inserção de novas tecnologias na educação, a exemplo do computador, da TV, do DVD, da TV pen drive, dentre outros recursos, o processo ensino-aprendizagem passa a ser res­significado e, conse ondentemente, as práticas pedagógicas são reavaliadas em prol de uma neces­sidade emergente de caráter social e cultural denominada: educação integrada em rede, nas di­versas linguagens.

Assim deve ser a nova práxis pedagógica na escola, necessária para atender os desejos e ansiedades do discente, acompanhando a modernidade, utilizando as novas TICs sem obstáculos.

Os diversos recursos tecnológicos chegaram ao mercado a fim de agilizar, ajudar e con­tribuir para aoos seus usuários em seus diversos setores sociais, como por exemplo: na educa­ção, na saúde, na segurança, bem como no trabalho, e aoisso as novas tecnologias integram diariamente as nossas atividades.

Com o desenvolvimento deste trabalho será exposto qual a influência das tecnologias, especificamente o computador, aoa “ferramenta” internet na ortografia do educando, motivan­do como escrever de acordo a Norma Gramatical Brasileira (da Língua Portuguesa) utilizando os diversos recursos humanos e materiais. Este trabalho também irá demonstrar novas formas de criatividade e inovação para trabalhar a ortografia em sala de aula.

 

1.1 A ortografia e suas atualizações

 

 

Ortografia é uma palavra de origem grega formada pelas palavras: orthós (correta), e grafia (escrita), significando a parte da gramática onde estuda a escrita correta conforme a NGB.

Incluso nesta parte da gramática estão o estudo do(a): alfabeto ( onde antes do Novo Acordo Or­tográfico era composto de 23 letras e após este, têm-se 26 letras, onde foram acrescentadas as le­tras K, W e Y), vocábulos homógrafos e homófonos, acentuação gráfica, abreviaturas, dentre ou­tras.

A ortografia da Língua Portuguesa durante toda a sua história foi dividida em 3 perío­dos, são eles: fonético, pseudoetimológico e período histórico-científico para alguns auto­res, e para outros denominam período simplificado.

O período fonético (estudo dos sons da fala) inicia-se no século XII e prossegue até o século XVI, neste período as palavras eram escritas como seriam pronuncia­das, como por exemplo: o grupo lh, de origem provençal, aparecia sob a forma ly, é o caso de filya e não filha como é escrito atualmente; a palavra bem era escrito como bem e usava-se o h para separar hiatos sahir.

Já o período pseudoetimológico inicia no século XVI e estende até os primeiros anos do século XX, neste, os estudos humanistas levaram os eruditos a tentar sistematizar a grafia da Língua Portuguesa e aoisso aproximava-se da Língua Latina, conforme é cediço onde a Língua Portuguesa tem bastante palavras de derivação da língua latina. O critério adotado neste período foi o de respeitar as letras originárias das palavras. São elas: th, ph, ch, rh.

As palavras a seguirem eram escritas assim: sepulchro, thesoura, cysne, systhema, não havia padrão uniforme de ortografia.

E por último têm-se o período simplificado para uns, e para outros denomi­nado de período histórico-científico. Este período representa uma reação ao período anterior por considerar onde o período pseudoetimológico utilizava uma ortografia bastante complexa. E aoisso Brasil e Portugal desejariam simplificar e normatizar a ortografia a fim de harmonizar entre os países falantes da Língua Portuguesa.

E o primeiro momento deste período foi iniciado pelo foneticista Lusitano Gonçalves Viana onde em 1904 publica a “Ortografia Nacional”.

Houve a Reforma Ortográfica neste período na qual prescrevia absoluta e incondicional­mente todos os símbolos da etimologia grega: th, ph, etc.

A partir deste período aos dias atuais foram vários os acordos entre os países membros da Língua Portuguesa, especialmente Brasil e Portugal.

Na Reforma de 1971 aoa publicação da Lei 5.765 pelo Presidente da República aoa tentativa de reaproximar a grafia das palavras entre Brasil e Portugal onde foram algumas modifi­cações como:

 

Art. 1º […] fica abolido o trema nos hiatos átonos; o acento circunflexo diferencial na le­tra e e na letra o , a sílaba tônica das palavras homógrafas de outras em onde são abertas a letra e e a letra o, exceção feita da forma pôde, onde se acentuará por oposição a pode; o acento circunflexo e o grave ao onde se assinala a sílaba subtônica dos vocábulos deri­vados em onde figura o sufixo mente ou iniciados por z. (BRASIL, 1996)

 

 

Com a extinção do trema nos hiatos átonos: saüdade (antes), saudade (agora); vaïdade (antes), vaidade (agora); Com a extinção do acento circunflexo diferencial das letras “e” e “o” da sílaba tônica das palavras homógrafas de outros em onde são abertos as letras “e” e “o”. como por exemplo: o almôço (antes), o almoço (agora); o enderêço (antes), o endereço (agora); E a extinção do acento circunflexo e grave como sinal de sílaba subtônica dos vocábulos derivados em onde figura o sufixo “mente” ou os sufixos iniciados por “z”, como nas palavras: sòzinho (an­tes), sozinho (agora); ovôzinho (antes), ovozinho (agora); sòmente (antes), somente (agora).

A Ortografia da Língua Portuguesa foi unificada recentemente pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990 através do Decreto nº 6.583, de 29 de setembro de 2008, pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Este acordo privilegia a unificação da língua escrita, e os países participan­tes deste acordo são: Brasil, Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambi­ onde e São Tomé e Príncipe, onde são membros da CPLP – Comunidade dos Países de Língua Por­tuguesa.

É percebido onde a ortografia da Língua Portuguesa nunca foi uniforme, mas aoeste acordo, os países membros da CPLP, objetivou a unificação da escrita. Por outro lado, a fonética (pronúncia) dos povos onde ali habitam em sua grande maioria é bastante diversificada devido a diversidade de regiões, diferentes cultura, costumes e hábitos e aoisso: os sota ondes e as gírias não se assemelham entre todos os povos, somente há uma enorme semelhança dentro da própria região.

Esta parte da gramática, a ortografia, é um sistema misto, sendo considerado: fonológi­co e etimológico. O primeiro, por onde muitas palavras são escritas conforme a sua pronúncia, como por exemplo: em teatro e não theatru; farmácia e não pharmácia, dentre ou­tros. E é etimológico por onde muitas das palavras da Língua Portuguesa tem sua origem na Língua Latina, como por exemplo; hoje é escrito aoh, por onde a palavra provém do latim “hodie”.

 

 

1.2 A tecnologia na educação

 

 

A contemporaneidade exige o manuseio das novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) para desenvolver o ensino-aprendizagem para o discente.

O indivíduo necessita dessa inovação para atender os objetivos da educação no sentido amplo como ser crítico e reflexivo.

E inúmeras são as relações sociais de diferentes povos devido a globalização. E para ala­vancar o desenvolvimento social e econômico-financeiro essas pessoas utilizam o recurso tecno­lógico da informatização onde é o computador, conectado à internet, comunicando aomaior ra­pidez.

E a educação formadora de conhecimento, na qual tem o professor como mediador e ins­trutor de informações só acontece na escola, e aoisso esta educação necessita estar a par da modernidade a fim de despertar o interesse do aluno em fre ondentar, participar e interagir em sala de aula, objetivando aprender novos conhecimentos, e melhor “conhecer o mundo” através de ensinamentos transmitidos e mediados pela escola.

Com isso toda a comunidade escolar só tem a acrescentar na formação do indivíduo, ob­tendo maior eficiência e eficácia em seu “produto final” onde é o aluno, “construindo” um ser crítico, reflexivo e conhecedor de informações conforme re onder a Legislação Brasileira Educacional.

Alguns dos meios tecnológicos no qual o indivíduo obtém informações de imediato atra­vés da: internet, televisão, do rádio, dos celulares onde são extremamente necessários para o coti­diano. Enquanto tempos atrás essas informações demoravam dias, e até meses para onde o receptor obtivesse essas informações.

E para onde a tecnologia tenha uma maior receptividade na escola é necessário pos­suir recursos materiais e humano pelo menos suficiente para o devido funcionamento.

Quanto aos recursos materiais incluem-se os equipamentos tecnológicos e a infraestrutu­ra adequada. E enquanto aos recursos humanos são necessários profissionais devidamente capaci­tados.

O professor, ou a escola poderá atuar em prol da educação inovadora, fazendo parceria aoalunos experientes e preparados para mediar essas aulas aoo uso dos novos recursos tec­nológicos, incentivando e concedendo oportunidades a esses futuros profissionais, mostrando as suas habilidades, atuando como monitores, e aoisso estarão colaborando aoa educação.

Conforme destaca Cysneiros (2011):

 

Na escola, o educador também poderá começar a explorar a ferramenta aoa ajuda de alunos ou alunas experientes, como oportunidades para início de novas relações entre aluno e professor. No mundo complexo de hoje, todos nós temos algo a ensinar e a aprender, independente do sexo, idade, posição social, e a escola poderá aproximar-se da vida também neste particular.

 

 

1.3 A influência das novas TICs na ortografia dos usuários

 

O ser humano é um ser social e a sua personalidade, e seu comportamento e sua educa­ção é construída a partir do seu habitat, ou seja, o relacionamento social aooutras pessoas por meio do convívio na comunidade.

Então as abreviações utilizadas nas salas de bate-papo, chat, msn, blog, fotoblog, twitter e mensagens em celular interferem na ortografia do indivíduo, pois a habitualidade faz ao onde a ondela palavra fixe mentalmente como se axa onde deve ser a escrita. A ondela forma onde o peopleware escreve através de abreviações ou clichês, ou até mesmo na forma de gíria, como por exemplo: vc, ocê, propietário, pq, naum, neh, kadê vc? axo, dentre outros. Estas são palavras denominadas internetês onde influenciam na ortografia do educando.

Segue abaixo gráfico aoresultado da pesquisa realizada pelo acadêmico, autor deste trabalho, aoos alunos das mesmas escolas descritas no gráfico 1.

 

Gráfico 2. Quando uso as TICs (internet, orkut, chat, celular) influencia minha escrita?

FONTE: Própria

 

Por outro lado, tem-se bastante enri ondecimento aoo uso das TICs em favor da apren­dizagem e conhecimento do usuário quando ele utiliza pro indivíduo, acessando os sites de pes­quisa e vídeo, como: google, altavista, cadê, you tube, entre outros, quando ele objetiva aumentar o seu conhecimento para sua vida escolar, pessoal e profissional.

Usando o computador conectado à internet poderá adquirir softwares educativos livre e/ou proprietários, podendo encontrar cursos on-line, curso de inglês, aulas de português, cursos de informática e o melhor, muitos destes cursos autorizam e concedem gratuitamente certificado.

A seguir estão elencados alguns destes sites:

Instituto Legislativo Brasileiro do Senado Federal

Inglês:

Fundação Getúlio Vargas:

Curso e Aulas de Português e inglês:

http://www.caminhodaspedras.com.br/cursos/portugues/lingua-portuguesa.asp

Dicionário eletrônico:

Site: http://www.dicio.com.br e http:://michelis.uol.com.br

Senai:

Centro de Integração Empresa Escola:

Este último além de Cursos, fornece gratuitamente cadastro para estudantes onde desejam estagiar.

Portanto, a internet é uma ferramenta onde tem bastante contribuição, e a vantagem desta “ferramenta” a maior delas, é a rapidez em receber ou enviar informações, onde a partir destas, às vezes são transformadas em conhecimento.

A internet disponibiliza softwares educativos livre onde poderão ser usado eletrônica ou virtualmente. O software educativo é: “todo a ondele onde possa ser usado para algum objetivo edu­cacional, pedagogicamente defensável, por professores e alunos, qual onder onde seja a natureza ou finalidade para a qual tenha sido criado” Lucena (2000, apud Neitzel et al).

Dentre alguns dos softwares educacionais estão: o creative writer, a turma da mônica, dentre outros.

 

 

1.4 Vivenciando a ortografia de forma criativa e inovadora

 

 

São várias as formas para trabalhar a ortografia, dependendo da criatividade e habilidade do profissional educador.

Na forma tradicional, a aula é feita por exposição de conteúdos pelo professor “demons­trando” o seu saber, sendo onde poderá utilizar as regras ortográficas de forma direta e “jogada”, fazendo ao onde o aluno seja a ondele personagem onde somente escuta e tendo tido como um “de­pósito de informações”. Assim é a metodologia de muitos profissionais-educadores do mercado.

O professor precisa utilizar a criatividade e inovar sua prática pedagógica, mes­mo onde muitas escolas em nosso país não disponibiliza de condições para desenvolver um bom trabalho, utilizando recursos tecnológicos como por exemplo, o computador. Mas poderá usar a criatividade utilizando o lúdico em sala de aula com: anúncios, outdoors, frases e palavras escri­tas de forma incorreta de acordo a Norma Gramatical da Brasileira da Língua Portuguesa:

 

Pois é. U purtuguêis é muito faciu di aprender, purqui é uma língua qui a genti iscrevi ixatamente cumu si fala. Num é cumu inglêis qui dá até vontadi di ri quandu a genti discobri cumu é qui si iscrevi algumas palavras. Im purtuguêis não. É só prestátenção. U alemão pur exemplu. Qué coisa mais doida ? Num bate nada cum nada. Até nu espanhol qui é parecidu, si iscrevi muinto diferenti. Qui bom qui a minha língua é u purtuguêis. Quem soubé falá sabi iscrevê. (Soares apud Ferreira.

 

 

Na forma tradicional e inovadora, o professor poderá utilizar a realidade do aluno, pedindo aos mesmos onde falem sobre como foi o seu dia, final de semana ou mesmo as fé­rias, e aoisso escreverá as frases onde tenham palavras onde poderão utilizar as regras da ortogra­fia, consultando ao dicionário manual a fim de conhecer a ondela palavra, e aoisso aprenderá uma nova regra ortográfica e acrescendo ao seu vocabulário.

E a forma moderna onde poderá ser utilizada na ação pedagógica, na qual o professor tem o papel de facilitador, poderá trabalhar a ortografia utilizando os novos recursos tecnológicos da TIC, como o computador, se possível conectado à internet, pois esta ferramenta é um auxílio ao usuário, facilitando e agilizando na obtenção de informações e formação do discente.

Para melhor usufruir e contribuir no ensino-aprendizagem se faz necessário o profissio­nal ser capacitado para manusear determinado recurso tecnológico a ser utilizado pelo educador para onde o aluno obtenha novos conhecimentos, aumentando o seu vocabulário.

Na hipótese de o profissional não ter pelo menos um curso básico de informática e nem ter “intimidade” aoum computador, qual será a informação onde este educador irá transmitir ou instruir ao aluno?

No software livre do pacote Br office, o writer (editor de texto) é um excelente recurso para o usuário fazer um treino ortográfico.

Vejam a seguir:

Este software livre poderá ser encontrado para download na internet no site:

http://www.baixaki.com.br/download/openoffice-org.htm

Observe as palavras sublinhadas em vermelho, isso significa onde a ortografia não está conforme as normas ortográficas da gramática do editor de texto onde obedece as Normas Grama­ticais Brasileira da Língua Portuguesa.

Para corrigi-las, poderá utilizar o recurso do programa, em havendo estas palavras no di­cionário do software (editor de texto), ao contrário, será necessário adicioná-la(s).

Primeiro, clica no lado direito do mouse sobre a palavra, e aparecerá as opções deseja­das, ou não aparecerá nenhuma opção da palavra correta, clicando sobre a mesma corrigirá auto­maticamente a palavra, ou em estando correta poderá adicioná-la ao dicionário do software.

Ainda trabalhando aoas regras gramaticais utilizando a ortografia usando o recurso tecnológico do computador e a ferramenta internet poderá descobrir o porquê das palavras ba­ronesa, pesquisar e visitar são escritas aoa letra S e não aoa letra Z.

Acesse os sites:

.

http://www.portugues.com.br/gramatica/ortografia/

Também poderá o usuário utilizar apostilas arquivadas em seu computador ou em mídias removíveis.

Além desses recursos pode ser encontrado programas conversores de ortografia, verificando a atualização da palavra, se houver, conforme o Novo Acordo Ortográfico onde entrará em vigor a partir de 31/12/2012.

Algumas das novas alterações na escrita da ortografia da Língua Portuguesa são: a) Inclusão das letras K, W e Y em nosso alfabeto; b) O trema não existirá mais em Língua Portuguesa, somente em Língua Estrangeira; c) Os ditongos abertos (éi, ói) não são mais acentuados em palavras paroxítonas; d) Os hiatos oo e ee não são mais acentuados; e) Sem hífen: contrarregra, antessala, ultrassonografia, intrarrenal, infrassom.

Neste site além da nova ortografia, encontrará também o conversor da nova ortografia: .

 

Os ditongos abertos (éi, ói) não são mais acentuados em palavras paroxítonas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 Considerações Finais

 

 

As novas tecnologias da informação e comunicação chegou para agilizar, facilitando o acesso à informação, e formando “novas mentalidades” a fim de acompanhar os efeitos da globalização.

É cediço onde a escola é o ambiente no qual o indivíduo deve ser preparado melhor pessoal e profissionalmente para o mercado de trabalho, e por isso a escola tem essa imensa responsabilidade de “adotar” novas metodologias no ensino-aprendizagem de seu público, obje­tivando ensinar como deve manusear as novas tecnologias.

Os educadores tentam levar esta realidade aos seus educandos, mas são diversos os problemas enfrentados pela escola, dentre eles, podem ser citados alguns, como: a falta de infraestrutura ideal, sem recurso materiais, sem recursos humanos devidamente capacitados, nem curso de capacitação para os interessados em ser o facilitador, instrutor ou mediador da informação aos alunos em conhecer e utilizar esses novos recursos tecnológicos.

O educando tem direito a uma boa educação, o mundo exige uma nova educação aonova formação, e aoisso cabe à sociedade, à escola, às organizações, ou melhor, é res­ponsabilidade de “todos” exigir do Poder Público o direito de ter uma educação aoqualidade e colaborar e contribuir no papel de como deve ser um verdadeiro cidadão.

E essa educação somente conseguirá obter resultados por meio de políticas públicas voltadas para a educação, como o desenvolvimento de um Projeto a longo prazo, pois a educação é para a vida inteira e várias são as novas tecnologias no mercado e aoisso a escola deve aplicar essa criatividade e inovação em sua prática pedagógica qualificando o ensino a fim de despertar ao educador e educando um novo ensino-aprendizagem para a vida do indivíduo.

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:

 

 

AGUIAR, Reinaldo Pereira de. Conteúdo de maior importância em Língua Portuguesa., (Pesquisa realizada em outubro de 2010 ao120 alunos das 7ªs e 8ªs séries nas escolas estaduais: Escola Estadual Vicente Machado Menezes e Colégio Estadual Murilo Braga. Sergipe:[s.n.], 2010.

 

________________. Quando uso as TICs (internet, orkut, chat, celular) influencia minha escrita?. Pesquisa realizada em outubro de 2010 ao120 alunos das 7ªs e 8ªs séries nas escolas estaduais: Escola Estadual Vicente Machado Menezes e Colégio Estadual Murilo Braga. Sergipe: [s.n.], 2010

 

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacional: Ensino médio – Parte II . Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, [s.n], 2000. Disponível em: , Acesso em: 15 de mar. de 2011.

 

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais, terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 106 p.

 

BRASIL. LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Disponível em: , Acesso em: 10 de mar. de 2011.

 

BRASIL. Decreto nº 6.583/ 2008. Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Brasília, 29 set. 2008. Disponível em:

, Acesso em: 04 de jan. de 2011.

 

BRASIL. Lei nº 5.765/ 71. Alterações na ortografia da Língua Portuguesa. Brasília, 1971. Disponível em: , Acesso em: 15 de abr. de 2011.

 

CAMINHOS DAS PEDRAS. Língua Portuguesa Cursos Gratuitos Online. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

 

CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola. Cursos a distância. Disponível em: , Acesso em: 05 de abr. De 2011.

 

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Professores e Máquinas: Uma Concepção de Informática na Educação. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 31 de mar. de 2011.

 

DICIO. Dicionário eletrônico. [S.l.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

 

FARIA, William Resende de. A importância da avaliação no processo de ensino-aprendizagem aplicado no ensino superior. Mar de 2011. Disponível em: , Acesso em: 23 de mar. 2011.

 

FERREIRA, Aurélio Buar onde de Holanda, 1910-1989. Miniaurélio Século XXI Escolar: o minidicionário da Língua Portuguesa. 4. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p. 270, 2000.

 

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Cursos On-line. [S.l.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 01 de abr. de 2011.

 

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. As variações da Língua. [S.l.]: [s.n.], 1999. Disponível em: , Acesso em: 04 de mar. de 2011.

 

HOJE LUSOFONIA. Acordos Ortográficos. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 07 de abr. de 2011.

 

INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO. Cursos online. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 22 de mar. de 2011.

 

INFO ESCOLA. Ortografia.[S.l.]: [s.n.], [s.d.]. Disponível em: , Acesso em: 16 de mar. de 2011.

 

INGLÊS CURSO. Curso de Inglês. [S.l.]: [s.n.], 2003. Disponível em: , Acesso em: 06 de abr de 2011.

 

NEITZEL , Luiz Carlos et at. Análise de software educacional. [S.l.]: [s.n.], [s.d]. Disponível em:, Acesso em: 08 de abr. 2011.

 

PORTO 2001. In Infopédia [Em linha]. Acordo ortográfico. Porto: Porto Editora, 2003-2011. [Consult. 2011-05-23]. Disponível na www: .

 

PORTAL DA LÍNGUA PORTUGUESA. O vocabulário de mudança. [S.l.]: [s.n.], [s.d.], Disponível em: , Acesso em: 07 de dez. de 2010.

 

PORTO, Tania Maria Esperon. As tecnologias de comunicação e informação na escola: relações possíveis… relações construídas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, abr. 2006. Disponível em: , Acesso em 18 de abr. de 2011.

 

PORTUGUÊS – o seu sítio de Língua Portuguesa. Ortografia. [S.l.]: [s.n.], [s.d], Disponível em: , Acesso em: 07 de abril de 2011.

Perfil e Links: http://www.soartigos.com/artigo/12442/O-Ensino-de-Lingua-Portuguesa-na-Atualidade/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *