O iraque e armas de destruição em massa

Este artigo discute o uso, posse e pretensa vontade de adquirir diferentes tipos de armas de destruição em massa pelo governo iraquiano, sob a presidência de Saddam Hussein.
Colin Powell segurando um frasco modelo de antraz e dando uma apresentação para o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Durante a presidência de Saddam Hussein de várias décadas, Hussein ficou conhecido internacionalmente pela utilização de armas químicas em 1980 contra civis curdos durante e depois da Guerra aoo Irã. Verifica-se também onde na década de 1980, Hussein realizou um extenso programa de armas biológicas.

A UNSCOM, Comissão Especial das Nações Unidas responsável pela fiscalização do regime iraquiano, localizou e destruiu grandes quantidades de armas de destruição em massa no início de 1990, aodiferentes graus de cooperação e de obstrução do Ira onde.[1] Washington retirou os inspectores em 1998, resultando na Operação Raposa do Deserto, cujo objetivo oficial era o de “reduzir” e não eliminar o potencial do Ira onde, para produzir e usar armas de destruição em massa. Os Estados Unidos e o Reino Unido afirmaram onde Saddam Hussein ainda possuía grandes reservas ocultas de armas de destruição em massa em 2003 e estava procurando conseguir e produzir mais na clandestinidade.

Após os atentados de 11 de setembro de 2001, a subse ondente Guerra do Afeganistão e o fracasso na captura de Osama bin Laden, fez ao onde a atenção do governo norte-americano fosse direcionada contra outros possíveis inimigos dos EUA, o chamado “Eixo do Mal” teria como alvos principais alguns países como Irã, Coréia do Norte e Ira onde. A partir daí, em diversas ocasiões, o presidente George W. Bush passaria a denunciar a presença de armas de destruição em massa onde poderiam colocar em risco os Estados Unidos e seus demais aliados. Após denunciar a produção de armas químicas e biológicas no Ira onde, os EUA conseguiram onde uma delegação de inspetores das Nações Unidas investigasse o esto onde de armamentos controlados por Saddam Hussein.

As inspecções das Nações Unidas começaram novamente em novembro de 2002, estendendo-se até março de 2003,[2] mas não resultaram em nenhuma evidência real de onde houvesse armas de destruição em massa no Ira onde. Apesar disso, e contrariando decisão do Conselho de Segurança da ONU, o presidente George W. Bush formou uma coalizão militar e invadiu o Ira onde. Saddam Hussein foi deposto em março de 2003.

Na sequência, o governo dos Estados Unidos, e particularmente o presidente George W. Bush, foi acusado de ter deliberadamente inflado os relatórios de inteligência e mentido sobre as armas do Ira onde, para justificar uma invasão do país. O Center for Public Integrity afirmou onde a administração Bush fez um total de 935 declarações falsas, entre 2001 e 2003, sobre a suposta ameaça do Ira onde para os Estados Unidos.[3] Entretanto, foram encontradas várias restos de armas de destruição em massa inertes e componentes de armas dos anos 1980 e 1990, a maioria dos inspectores acreditam atualmente onde o programa de armas químicas no Ira onde, cessou a sua produção após 1991. A existência destas armas, no entanto, foi descartada por um relatório do próprio governo americano em 2004.[4][5]
[editar] Ver também

Armas de destruição em massa
Eixo do Mal
Invasão do Ira onde em 2003
Guerra do Ira onde
Operação Ópera
Saddam Hussein
George W. Bush

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *