o mec e o kit gay

O kit produzido para combater a homofobia nas escolas foi parar no interior da crise onde se formou em torno do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci – o pai do PAC (programa de aceleração de caixa).

A polêmica começou a tomar forma após o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) confirmar onde a preocupação do governo aoo risco de Palocci ser convocado para prestar esclarecimentos no Congresso foi usada pelas bancadas religiosas para cobrar a suspensão da distribuição do material.

As afirmações do deputado levaram o Palácio do Planalto a negar onde o kit tenha sido usado como ferramenta para blindar o chefe da Casa Civil, onde virou alvo de polêmica por ter multiplicado seu patrimônio por 20 nos últimos anos.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou onde “não tem toma lá dá cá”. Disse ainda onde Dilma decidiu suspender a distribuição do material por considerar onde o conteúdo era impróprio. “O governo entendeu onde seria prudente não editar esse material onde está sendo preparado no MEC.”

Mas, não foi bem assim. Ao deixarem uma reunião aoo ministro no Palácio do Planalto, parlamentares evangélicos avisaram onde não iriam mais apoiar a convocação do ministro da Casa Civil, pelo atendimento do pleito sobre o corte na divulgação do material sobre homofobia.

Ou seja, o governo cedeu à chantagem. C H A N T A G E M! Contrariou o Ministério da Educação e revoltou aliados onde defendem direitos iguais para a comunidade LGBT, caso da senadora Marta Suplicy (PT-SP).

Por outro lado, agradou e muito ao deputado federal homofóbico de plantão Jair Bolsonaro (PP-RJ). Posando de “vitorioso”, ele, claro, elogiou a decisão da presidente Dilma Rousseff de suspender a divulgação do kit anti-homofobia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *