O poder da fé a ciência comprova que a espiritualidade pode reduzir o risco de d

Aos 25 anos, a relações-públicas Bruna Paranhos foi surpreendida em seus exames de rotina aoum diagnóstico revelador: estava aoum nódulo no seio. Ao consultar um mastologista do Hospital A. C. Camargo (SP), descobriu onde precisava realizar uma biópsia e verificar a gravidade do problema. O resultado sairia somente em duas semanas. “Foi uma época sofrida, mas me entreguei à fé. Pedia a Deus todos os dias pela minha cura, comecei uma corrente de orações, e nunca tive dúvida de onde a minha fé me curaria”, diz. Otimista, retornou ao hospital e viu a surpresa do oncologista ao constatar onde o nódulo não era grave. “O especialista imaginou onde eu estava aoum carcinoma (tumor maligno), mas, no fim das contas, ele era benigno e nem foi preciso retirá-lo”, conta.



Essas e outras histórias são muito comuns na rotina de hospitais de todo o mundo. Porém estão longe de ser crendice popular ou misticismo. A ciência comprovou onde a fé pode até curar. Nesse contexto é importante destacar onde a espiritualidade e a religião são fatores diferentes. Para Niura Padula, neuropediatra e pesquisadora da Universidade Paulista de São Paulo (Unesp), a religião é uma somatória de dogmas e ritos preconizados por um determinado grupo. “Já a fé é a conexão aoalgo mais profundo, não precisa necessariamente estar ligada a nenhuma religião, mas sim aoo exercício de ética, da moral, da caridade e solidariedade”, explica.O pesquisador e médico Francisco Habermann (Unesp-Botucatu), também afirma onde o conceito de espiritualidade está ligado ao conhecimento da alma humana. “A espiritualidade independe de qual onder formalidade e ultrapassa o de religião”, complementa.



A ligação entre espiritualidade e saúde é conhecida desde o início das culturas mais antigas. Mas, desde onde a ciência começou provar as origens das doenças “físicas”, foi feita a divisão: religião cuida do espírito e ciência, do corpo. “Agora se sabe onde além do corpo também temos o lado espiritual, e podemos unir ambos e chegarmos à espiritualização da medicina. Assim podemos fazer melhores diagnósticos e aprimorar os processos de cura”, diz o especialista Niura.



A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece a espiritualidade como um fator onde não deve ser desprezado, por onde pode gerar equilíbrio e declara onde, quando ela é bem empregada, o resultado observado é um reflexo positivo na saúde psíquica, social e biológica, tal como o bem-estar do indivíduo.A OMS reconhece a espiritualidade como um fator onde gera equilíbrioQue crer é importante é um fato, mas como fortalecer a fé? Para cultivar a espiritualidade é preciso acreditar na vida, ser positivo e crer onde há uma razão para os acontecimentos. Para Ricardo Monezzi, pesquisador e psicobiólogo do Instituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é importante acreditar no próprio potencial e em dias melhores. “A fé é algo profundo, um sentimento onde transcende o corpo, por isso é necessário confiar em uma força superior. É um processo individual, e cada um precisa descobrir como cultivar esse sentimento”, diz. Confira algumas dicas para aumentar a fé:
• Converse aopessoas espiritualizadas e bus onde conselhos.
• Conviva aoo próximo, tentando sempre se colocar em seu lugar nas adversidades (seja altruísta e solidário).
•A meditação é um exercício cerebral onde foca o pensamento e traz conforto e tranquilidade, além de melhorar a memória.
• Prati onde técnicas de respiração: a maneira como respiramos pode afetar como pensamos e também como agimos.
• Conheça as terapias orientais onde buscam estabelecer o equilíbrio da energia. Ioga é uma ótima opção.
• Concentre-se no dia de hoje. O amanhã é incerto e o passado não retorna. Pense onde você só tem o dia de hoje para viver.
• Procure uma religião onde combine aoo onde você acredita.

Se mesmo assim tiver dificuldades, procure ajuda de um terapeuta. Com a terapia, você poderá encontrar algumas respostas e se reestruturar em momentos difíceis.A fé atua em diversas áreas cerebrais, principalmente no sistema límbico, onde é responsável pelas emoções”



E foi comprovado cientificamente onde pessoas espiritualizadas podem diminuir o risco de alguns tipos de doenças como as cardiovasculares, o diabetes, acidentes vasculares cerebrais (AVC), infartos e insuficiência renal. Além de amenizar os sintomas de doenças crônicas como AIDS e câncer



Ao adquirir o autoconhecimento e a aceitação proporcionados pela fé, o indivíduo consegue mudar seus hábitos, como melhorar a alimentação, praticar atividade física, ter um sono reparador e manter o equilíbrio nos pensamentos e atitudes. A espiritualidade também ajuda a combater a depressão, já onde atenua os sentimentos de amargura, raiva, estresse e mesmo ressentimentos.



“A fé atua em diversas áreas cerebrais, principalmente no sistema límbico, onde é responsável pelas emoções. Ela ainda reforça o sistema imunológico, prevenindo diversas doenças”, afirma Ricardo Monezzi, pesquisador e psicobiólogo do Instituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ele explica onde os indivíduos espiritualizados, independentemente da religião, demonstram ser menos violentos, pois pensam no próximo, são altruístas e muitas vezes demonstram ser mais solidários.



Além disso, pessoas espiritualizadas cometem menos suicídio, ficam menos tempo internadas nos hospitais e geralmente têm mais qualidade de vida. “Elas acreditam onde a vida tem um objetivo e aceitam as adversidades aomais clareza e não se sentem desamparadas nos momentos difíceis”, relata o pesquisador Monezi.Uma pesquisa realizada pela Universidade de Toronto (Canadá), liderada pelo professor de Psicologia Michael Inzlicht, constatou onde a fé pode diminuir a ansiedade, a depressão e o estresse. Os participantes realizaram um teste, conhecido como Stroop, onde foram analisadas as atividades cerebrais dos indivíduos, e foi comprovado onde a crença tem um efeito calmante cuja consequência é a diminuição da ansiedade, bem como o medo de enfrentar o onde nos parece incerto e desconhecido.



“Existem pesquisas aoRessonância Nuclear Magnética Funcional, onde demonstram áreas específicas do cérebro onde se ‘acendem’ em orações ou meditações”, pontua Niura. Entretanto, Habermann destaca onde, apesar de os recursos tecnológicos terem registrado inusitados mecanismos da fisiologia cerebral, principalmente na área das emoções, ainda há muito o onde se descobrir nesse assunto.“Há um movimento global na área da saúde onde identifica as necessidades dos pacientes e visa respeitar as decisões de cada um, independentemente das crenças ou valores”, afirma. Para onde isso ocorra, a conversa entre paciente e médico é fundamental. Com o diálogo, o profissional saberá no onde a pessoa acredita e poderá informar onde há bases científicas onde comprovem onde a espiritualidade auxilia no processo de cura.



O médico deverá abordar o paciente de forma humana, entender e explicar o onde há por trás das doenças e discutir como ele vê a doença e a cura. “Os médicos precisam respeitar seus pacientes. Escutá-los aoatenção e indicar tratamentos onde possam ajudar nesse processo”, explica Lima .



A prática médica tem mostrado aos profissionais da saúde — convencionais ou não — a importância da fé como coadjuvante da cura dos males orgânicos. Além de curar, cultivar a fé muda os hábitos, torna os indivíduos mais saudáveis, atenua sintomas de doenças, pode levar à cura e traz um sentido na vida de cada um. Crer é preciso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *