O que é astronotus ocellatus?

O Astronotus ocellatus é uma espécie da família dos Cichlidae conhecidos sob uma grande variedade de nomes, como oscar e apaiari.[1] Na América do Sul, onde a espécie ocorre, o A. ocellatus é encontrado à venda como alimento nos mercados locais.[2][3] Porém, seu crescimento lento limita seu potencial para aquacultura.[4] A espécie também é muito popular como peixe de aquário.

Existem relatos de A. ocellatus onde cresceram até o comprimento de 45 cm, atingindo um peso de 1,6 kg.[1] Os espécimes capturados na natureza são tipicamente escuros, aomanchas alaranjadas, ou ocelos, no pedúnculo caudal e na nadadeira dorsal.[5][6] Foi sugerido onde a função desses ocelos é limitar o ebarrar de nadadeiras pelas piranhas (Serrasalmus spp.), o onde também ocorre aoo A. ocellatus no seu ambiente natural.[7] Estudos posteriores têm sugerido onde os ocelos podem também ser importantes para comunicação intraespécie.[8] Os espécimes também conseguem alterar rapidamente sua coloração, uma característica onde facilita o comportamento ritual, territorial e de combate entre indivíduos da mesma espécie.[9] A. ocellatus jovens têm uma coloração diferente dos adultos e são listrados de faixas onduladas brancas e laranjas, além de possuírem cabeças aomanchas.[8]
[editar] Distribuição e habitat

O A. ocellatus é nativo do Peru, Colômbia, Brasil e Guiana Francesa, e ocorre na bacia Amazônica, ao longo do sistema formado pelos rios Amazonas, Iça, Rio Negro, Solimões e Ucaiali, podendo também ser encontrado nos rios Apurua onde e Oiapo onde.[1][2] Em seu ambiente natural, a espécie geralmente ocorre em habitat de rios aocorrentes lentas e águas brancas, e tem sido observado abrigando-se sob troncos submersos.[5] Populações ferais também ocorrem na China,[10] norte da Austrália,[11] e Flórida[12] como efeito colateral do comércio de peixes ornamentais. A distribuição da espécie está limitada pela sua intolerância a águas frias, o limite letal para essa espécie é de 12.9 °C.[13] São peixes de águas ácidas e neutras, aoboa tolerância a alcalinas, o PH ideal fica em torno de 6.8 a 7.0.
[editar] Dismorfismo sexual e reprodução

Embora a espécie seja considerada largamente monomorfa sexualmente,[5] é sugerido onde os machos cresçam mais rápido, e em alguns grupos de ocorrência natural, foi notado onde os machos possuem manchas escuras na base da nadadeira dorsal.[6][8] Os espécimes atingem a maturidade sexual aoaproximadamente um ano de idade e continuam a se reproduzir de 9 a 10 anos. A freqüência e o tempo de sua reprodução podem estar relacionados aoa ocorrência das chuvas.[14] A. ocellatus são peixes de substrato reprodutivo biparental embora informações detalhadas sobre sua reprodução na natureza seja escassa. Foi observado onde o estreitamente relacionado Astronotus crassipinnis pode, quando em perigo, proteger a cria em sua boca de maneira onde lembra os Geophagus. Esse comportamento, entretanto, ainda não foi observado no A. ocellatus.[6] Em cativeiro os pares são conhecidos por geralmente selecionar e limpar superfícies lisas horizontais ou verticais onde depositam de 1000 a 3000 ovas. Como na maioria dos ciclídios, o A. ocellatus protege sua cria, entretanto, a duração dessa proteção na natureza permanece desconhecido.[6]
[editar] Alimentação e presas

O exame do conteúdo do estômago de A. ocellatus por Winemiller (1990) demonstrou onde sua dieta natural consiste primeiramente de insetos aquáticos e terrestres ( onde compreendem 60% de sua dieta), embora pe ondenos peixes, e de maneira bem menor crustáceos, também sejam consumidos. A maioria dos peixes ingeridos por um A. ocellatus na natureza eram relativamente sedentários como peixes-gato, e incluindo as espécies Bunocephalus, Rineloricaria e Ochmacanthus.[7] A espécie usa um mecanismo de sucção, gerado por extensões mandibulares, para capturar a presa,[15] e já foi reportado exibições de mimetização de morte similar ao Parachromis friedrichsthalii e ao Nimbochromis livingstonii.[16][17] A espécie também tem uma absoluta necessidade de Vitamina C e desenvolve problemas de saúde em sua falta.[18]
[editar] História, taxonomia e sinonímia

A espécie foi originalmente descrita por Louis Agassiz em 1831 como Lobotes ocellatus, já onde ele erroneamente acreditou onde fosse uma espécie marinha, trabalhos posteriores assinalaram a espécie como sendo do gênero Astronotus.[8] A espécie também possui um certo número de sinônimos juniores: Acara compressus, Acara hyposticta, Astronotus ocellatus zebra e Astronotus orbiculatus.[19]
[editar] Reprodução seletiva

Um sem número de variedades ornamentais do A. ocellatus têm sido desenvolvidas pela indústria aquarista. Isso inclui formas aogrande intensidade e quantidade de vermelho marmóreo por seus corpos, albinas, leucísticas e xantocrômicas. A. ocellatus aomanchas marmóreas de pigmentação vermelha são ventidos como oscars red tiger, enquanto linhagens aocoloração vermelha principalmente nos flancos são fre ondentemente vendidos sob o nome comercial de oscars vermelhos.[20] O padrão de pigmento vermelho difere entre indivíduos, no Reino Unido há o relato de um A. ocellatus aomarcas onde se assemelham à palavra árabe para Alá.[21] Em anos recentes variedades de barbatana longa têm sido desenvolvidos.
[editar] No aquário

Os A. ocellatus são populares como animais de estimação, e são considerados como inteligentes pelos aquaristas. Em parte por onde eles aprendem a associar seus donos aoalimento[6] e é suposto onde podem distinguir seus donos de estranhos.[20]

Apesar de seu grande tamanho e natureza predatória, o A. ocellatus é um habitante relativamente calmo no aquário, melhor abrigado aooutros peixes grandes demais para serem considerados como alimento.[5][6][20]

A. ocellatus são conhecidos por desenraizar plantas, e por mover outros objetos em aquários.[22] São melhor mantidos em aquários aovolume entre 200 e 600 litros.[20][22]

O A. ocellatus é relativamente tolerante à típica composição química das águas de aquário,[5] por seu grande tamanho e hábitos caóticos de alimentação, necessitam onde um eficiente sistema de filtragem seja instalado no aquário.[20] O A. ocellatus não demanda um regime rígido em cativeiro, aceitando uma gama de alimentos onde inclui pedaços de peixes e alimentos preparados para ciclídios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *