O que é cardiopatia congênita?

Cardiopatia congênita



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.




Cardiopatia congênita é a doença na qual há anormalidade da estrutura ou função do coração, que está presente no nascimento, mesmo que descoberta muito mais tarde.




 

Nas doenças congênitas o defeito está presente no momento do nascimento.

Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário de uma estrutura cardíaca normal. As alterações do fluxo sangüíneo, resultantes desta falha podem influenciar o desenvolvimento estrutural e funcional do restante do sistema circulatório. Situações como a Síndrome de pré-excitação ventricular ou as fases iniciais de uma Cardiopatia hipertrófica, podem passar completamente desapercebidas nos primeiros anos de vida e mesmo assim podem ser classificadas como cardiopatias congênitas.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é cardiopatia congênita ?

Cardiopatia congênita
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cardiopatia congênita é a doença na qual há anormalidade da estrutura ou função do coração, que está presente no nascimento, mesmo que descoberta muito mais tarde.
Nas doenças congênitas o defeito está presente no momento do nascimento.
Nas doenças congênitas o defeito está presente no momento do nascimento.

Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário de uma estrutura cardíaca normal. As alterações do fluxo sangüíneo, resultantes desta falha podem influenciar o desenvolvimento estrutural e funcional do restante do sistema circulatório. Situações como a Síndrome de pré-excitação ventricular ou as fases iniciais de uma Cardiopatia hipertrófica, podem passar completamente desapercebidas nos primeiros anos de vida e mesmo assim podem ser classificadas como cardiopatias congênitas.
Índice
[esconder]

* 1 Tipos de cardiopatia congênitas
* 2 Etiologia (Origem do problema)
* 3 Prevenção
* 4 Sintomas
* 5 Prognóstico
* 6 Tratamento

[editar] Tipos de cardiopatia congênitas

É bastante grande o número de doenças nessa área. São as mais comuns:

* Comunicação interatrial, ou CIA. Existe um defeito de fechamento do septo interatrial, permitindo a passagem do sangue do átrio esquerdo para o átrio direito.
* Comunicação interventricular, ou CIV. O defeito ocorre entre os septos interventriculares (ventrículos esquerdo e direito).
* Persistência do canal arterial, ou PCA. É o não-fechamento do canal arterial, estrutura normal na circulação fetal, comunicando o tronco da artéria pulmonar e a aorta.

Segue uma lista não-exaustiva das doenças desta área.

*
o Comunicação átrio-ventricular.
o Truncus arteriosus.
o Fístula coronária artério-venosa.
o Origem anômala de artéria coronária.
o Aneurisma do seio de Valsalva.
o Coarctação de aorta.
o Hipoplasia do arco aórtico.
o Estenose congênita da válvula aórtica.
o Hipoplasia do coração esquerdo.
o Insuficiência congênita da válvula aórtica.
o Atresia da veia pulmonar
o Estenose da veia pulmonar.
o Cor triatriatum.
o Estenose congênita da válvula mitral.
o Insuficiência congênita da válvula mitral.
o Fístula artério-venosa pulmonar.
o Estenose periférica da artéria pulmonar.
o Obstrução intraventricular direita.
o Tetralogia de Fallot.
o Atresia da válvula tricúspide.
o Anomalia de Ebstein.
o Transposição completa dos grandes vasos.
o Conexão anômala das veias pulmonares.
o Bloqueio átrio ventricular completo congênito.
o Taquicardia supraventricular congênita.

[editar] Etiologia (Origem do problema)
Aventa-se a possibilidade de radiações gama vindas do espaço poderem provocar mutações nos gametas e mal formações
Aventa-se a possibilidade de radiações gama vindas do espaço poderem provocar mutações nos gametas e mal formações

São variadas as causas destas situações.

* Defeito em um gene único.
* Associada a doenças do tecido conjuntivo como na Síndrome de Marfan.
* Associada a erro inato de metabolismo, como na Homocistinúria.
* Anormalidades nos cromossomas, como na Trissomia do 21 (Síndrome de Down).
* Anormalidades associadas a Teratogenia, como na Rubéola ou toxicidade por Álcool etílico.

[editar] Prevenção

Apenas 15% das mal-formações cardíacas tem sua causa determinada. Em 85% dos casos não se identifica o motivo. Dessa maneira, em 85% das situações não há medidas preventivas. A não-exposição a possíveis agressores (como exames radiológicos), certos medicamentos (como a Talidomida) e pessoas com infecções com potencial lesão ao feto (como a rubéola) são naturalmente medidas preventivas. Existem métodos para o diagnóstico precoce, como estudo dos cromossomas de células do líquido amniótico e a ecocardiografia fetal. A detecção precoce permite um acompanhamento diferenciado da gestação e o planejamento das medidas pós-parto.

[editar] Sintomas

Os sintomas são variáveis, conforme o tipo, o grau e o tempo de evolução da doença. São sintomas comuns:

* Cianose.
* Falta de ar.
* Baqueteamento digital (dedos em forma de baqueta de tambor).
* Sudorese e cansaço para as mamadas (neonatal).
* Modificações no formato do tórax.

[editar] Prognóstico

O prognóstico, previsão de evolução, também é muito variável. Existem doenças que não alteram tempo ou qualidade de vida, mas existem doenças que nas quais é impossível a vida extra-útero. Entre estes dois extremos há uma infinidade de nuançes possíveis de apresentações clínicas e de perspectiva de vida.

[editar] Tratamento

O tratamento ideal é a correção do defeito estrutural. Conforme o caso, pode-se precisar de cirurgia imediata ou aguardar meses ou anos para a cirurgia. Conforme o caso, a intervenção pode ser feita intra-útero. Cada apresentação clínica tem particularidades quanto aos medicamentos ou outras medidas indicados.

Este artigo é um esboço sobre Medicina. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *