O que é experiência de quase morte?

Uma enfermeira do País de Gales publicou um livro em que descreve situações em comum pelas quais pessoas que quase morreram disseram ter passado.

Nos últimos dez anos, Penny Sartori entrevistou 300 pacientes internados em unidades de terapia intensiva e conseguiu 15 depoimentos completos.


Os relatos estão no livro Experiências de Quase-Morte em Pacientes Internados em Terapia Intensiva – Um Estudo Clínico de Cinco Anos (em tradução livre).


“Fiz o estudo com uma grande variedade de pacientes na terapia intensiva, incluindo os que estavam muito doentes ou próximos da morte”, disse a enfermeira. “Consegui os melhores resultados quando estudei pacientes de infarto.”


A enfermeira, que começou a estudar o assunto em 1998, afirma que as pessoas que passaram pelas experiências se viam “flutuando sobre elas mesmas”.


“Os pacientes também foram capazes de lembrar com precisão o que havia ocorrido na sala onde se encontravam no hospital, apesar de terem estado inconscientes e de olhos fechados”, afirmou.


Túnel


Sartori revelou que pesquisados relataram que se viam percorrendo um túnel em direção a uma luz brilhante.


Alguns contaram que se encontraram com uma figura que lhes disse “sua hora ainda não chegou” e outros, que tinham se encontrado com familiares já mortos e se comunicado com eles por telepatia.









 Não acredito que se trate apenas de existir a vida depois da morte. Mas do que é a consciência e da forma como a definimos.

 

Penny Sartori


“Alguns pacientes informaram que viram toda sua vida projetada em apenas um instante”, disse a enfermeira.


No final das experiências de quase-morte, alguns pacientes relataram ter flutuado de volta para seus corpos, e outros sentiram como se despertassem de repente.


A autora explica que muitas das experiências de quase-morte, em geral, podem ser explicadas pelo efeito das endorfinas, substâncias químicas que o organismo libera e produzem sensação de bem-estar, e também pelos níveis anormais de gases, como oxigênio, no sangue.


Sartori disse que levou esses fatores em conta ao analisar os relatos.


Consciência


Segundo a enfermeira, apesar de apenas 15 dos 300 pacientes ouvidos terem conseguido descrever suas experiências de quase-morte, essas sensações podem ser comuns em pessoas que estão morrendo.


Para alguns dos pacientes seria mais difícil relembrar a experiência. “É como quando nos esquecemos de um sonho ao acordar”, disse Sartori.


A enfermeira disse que vai continuar pesquisando experiências de quase-morte.


“Não acredito que se trate apenas de existir a vida depois da morte”, explicou a pesquisadora, “mas do que é a consciência e da forma como a definimos”.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é experiência de quase morte

O termo Experiência de Quase-Morte (EQM) refere-se a um conjunto de sensações freqüentemente associadas a situações de morte iminente, associadas a hipóxia cerebral, sendo que as mais divulgadas são o efeito túnel e a “experiência fora-do-corpo” (EFC ou OOBE, também denominada autoscopia). O termo foi cunhado pelo Dr. Raymond Moody em seu livro escrito em 1975, “Vida Depois da Vida”.

Apesar destas sensações serem freqüentemente associadas a uma experiência mística, são explicadas cientificamente como uma resposta secundária fisiológica do cérebro à hipóxia. Na maioria dos casos a morte clínica do paciente foi atestada pelos médicos, mas em nenhum deles houve a confirmação de morte cerebral.
Relatos

As pessoas que vivenciaram o fenômeno, geralmente relatam uma série de experiências comuns a elas, tais como:

* um sentimento de paz interior;
* a sensação de flutuar acima do seu corpo físico;
* a percepção da presença de pessoas à sua volta;
* visão de 360º;
* ampliação de vários sentidos;
* a sensação de viajar através de um túnel intensamente iluminado no fundo (efeito túnel).

Nesse espaço atemporal, a pessoa que vive a EQM, percebe a presença do que a maioria descreve como um “ser de luz”, embora esta descrição possa variar conforme os arquétipos culturais, filosofia ou religião pessoal. O portal entre estas duas dimensões é também descrito como “A fronteira entre a vida e a morte”. Por vezes, alguns pacientes que tiveram esta experência relatam que tiveram que decidir se queriam ou não regressar à vida física. Muitas vezes falam de um campo, uma porta, uma sebe ou um lago como uma espécie de barreira que, se atravessada, implicaria o não regresso ao seu corpo físico.

Com a multiplicação de referências a acontecimentos comparáveis à experiência de quase-morte, iniciou-se uma nova corrente onde diversos pesquisadores de todo o mundo, deram início à discussão e análise do fenómeno de forma mais aberta. A comunidade médica foi forçada a olhar para a morte e a sobrevivência da consciência sob uma nova perspectiva. Contudo, existem ainda observadores que negam as explicações científicas e atribuem este fenómeno a acontecimentos relacionadas com a descrição do que pode ser Deus ou a outra qualquer origem sobrenatural, recorrendo às explicações tradicionais como a memória genética[carece de fontes?] ou à associação da experiência ao nascimento biológico[carece de fontes?].

[editar] Mudanças psicológicas e comportamentais

Após a Experiência de Quase-Morte os pacientes parecem alterar o próprio ponto de vista em relação ao mundo e as outras pessoas. As mudanças comportamentais são significativamente positivas. O principal fator para a mudança é a perda do medo da morte (tanatofobia); passam a valorizar mais as suas vidas e a dos outros; reavaliam os seus valores, ética e prioridades habituais; tornam-se mais serenos e confiantes.

[editar] EQM e Ciência

Até muito recentemente, este fenômeno era considerado pela ciência oficial, um assunto vulgar, fruto de lendas, crendice popular ou religiosidade. No entanto, pesquisadores como o Dr. Raymond Moody, principalmente após o seu livro “Vida Depois da Vida”, levou ao início de uma nova corrente de pesquisas de todo o mundo sobre o fenômeno.

Estudos realizados em hospitais entre sobreviventes a paradas cardíacas aonde observou-se o fenômeno conhecido como experiência de quase-morte (que ocorre em cerca de 11% dos pacientes)[1], incluindo as do cardiologista holandês Pim Van Lommel [2] [3], demonstram apenas achados completamente explicáveis pela falta de oxigênio no cérebro [4] [5] [6] em pacientes nos quais a morte encefálica não foi comprovada[7]. As mesmas descrições de experiências de quase morte podem ser reproduzidas por medicações como a quetamina[8] ou por indução de hipóxia cerebral por alta gravidade[9], incluindo visão em túnel, comunhão com Deus, saída do corpo e alucinações.

As investigações científicas sobre assuntos relacionados ao pós morte sempre existiram e foram motivo de debate acadêmico [10] [11] [12]. Mesmo com tanto interesse e a presença de numerosos relatos anedóticos, ainda não há qualquer comprovação científica que suporte essa hipótese.

[editar] Referências bibliográficas

1. ↑ Parnia S; Waller DG; Yeates R; Fenwick P A qualitative and quantitative study of the incidence, features and aetiology of near death experiences in cardiac arrest survivors. Resuscitation. 2001; 48(2):149-56
2. ↑ Lommel, Pim Van, Dr., (2001) Near-death experience in survivors of cardiac arrest: a prospective study in the Netherlands, pdf
3. ↑ Lommel, Pim Van, Dr., (2003) A Reply to Shermer: Medical Evidence for NDEs
4. ↑ Woerlee, GM Darkness, Tunnels, and Light Skeptical Inquirer, maio 2004
5. ↑ Woerlee, G. M. (2005). Mortal Minds – The Biology of Near-Death Experiences. Prometheus.
6. ↑ Nelson KR; Mattingly M; Lee SA; Schmitt FA Does the arousal system contribute to near death experience? Neurology. 2006; 66(7):1003-9
7. ↑ Rothstein TL Recovery from near death following cerebral anoxia: A case report demonstrating superiority of median somatosensory evoked potentials over EEG in predicting a favorable outcome after cardiopulmonary resuscitation. Resuscitation. 2004; 60(3):335-41
8. ↑ Jansen, K [1]
9. ↑ Dr. James E. Whinnery The Trigger of Gravity
10. ↑ David Fontana, Prof., Cardiff University and Liverpool John Moores University, UK, (Finland 2003) Does Mind Survive Physical Death?, pdf
11. ↑ Neal Grossman, Prof., Indiana University and University of Illinois, United States, (2002) Whos Afraid of Life After Death? Why NDE Evidence is Ignored, published at the Institute of Noetic Sciences (IONS)
12. ↑ Parnia S; Fenwick P Near death experiences in cardiac arrest: visions of a dying brain or visions of a new science of consciousness. Resuscitation. 2002; 52(1):5-11

[editar] Ver também

* Autoscopia
* Projeção da consciência
* Experiência fora-do-corpo
* Projeciologia
* Conscienciologia
* Raymond Moody
* Vida Depois da Vida (Livro)
* Doutrina Espírita
* Racionalismo Cristão

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *