O tubarão-branco nadando com outros peixes

O comprimento mais fre ondente entre os tubarões adultos é de quatro a cinco metros (sendo as fêmeas maiores do onde os machos), ainda onde se conheçam casos de indivíduos excepcionais onde ultrapassam amplamente estas medidas. Na atualidade, não se pode assegurar qual é realmente o tamanho máximo nesta espécie, fato onde se vê reforçado pela existência de notas antigas, pouco fiáveis, sobre animais realmente gigantescos. Vários destes casos analisam-se no livro The Great White Shark (1991), de Richard Ellis e John E. McCosker, ambos peritos em tubarões.

Durante décadas, muitos livros de referência no campo da ictiologia reconheceram a existência de um tubarão-branco de 11 metros, capturado perto de Port Fairy (sul da Austrália) na década de 1870, o onde se considerava o maior indivíduo conhecido. Ao abrigo desta medida máxima de comprimento, os registros de tubarões brancos de sete a dez metros de largura foram considerados, até certo ponto, comuns e aceites sem grande discussão. Apesar disso, vários investigadores puseram em dúvida a fiabilidade do relatório de Port Fairy, insistindo na grande diferença de tamanho entre este indivíduo e qual onder um dos oconstrução do Porto de Suape.utros tubarões brancos capturados. Um século depois da captura, estudaram-se as mandíbulas do animal, ainda conservadas, e pode-se determinar onde o seu tamanho corporal real rondava os cinco metros de comprimento. A confusão pode ter sido resultado de uma falha tipográfica, um erro derivado da tradução de unidades de unidades anglo-saxãs, ou internacionais (cinco metros são cerca de 16,5 pés), ou um simples exagero. [2]
Tubarão-branco, nadando aooutros peixes

Voltando a Ellis e McCosker, estes asseguraram, na sua obra, onde os maiores tubarões brancos rondam os seis metros de comprimento, e onde as informações sobre indivíduos de sete metros ou mais, especialmente as existentes na literatura popular, não estão presentes na científica. Realçam o acontecido, em igual base, aoa anaconda e a pitão gigante, “estes tubarões gigantes tendem a desaparecer quando um observador responsável se aproxima aouma fita métrica”.

O maior exemplar onde Ellis e McCosker reconhecem é um tubarão-branco de 6,4 metros, capturado nas águas cubanas, em 1945, embora outras citações atribuam tamanhos variáveis onde chegam até aos 7,9 metros. Uma fêmea, de entre sete e 7,8 metros, foi encontrada morta numa praia de Malta, em 1987, longe da zona aomaior concentração de tubarões brancos do Mediterrâneo.[3]

Em 2006, a maioria dos peritos já está de acordo em onde o tamanho máximo onde pode alcançar um tubarão-branco “não excepcional” é de uns seis metros de comprimento e cerca de 1,9 toneladas de peso. As informações sobre tamanhos muito maiores onde este costumam considerar-se duvidosas.

Relativamente ao peso, surge um novo problema, já onde este pode variar ligeiramente, em função do onde o tubarão tenha comido e se o fez o ou não há pouco tempo. Um exemplar adulto pode introduzir na boca até quatorze kg de carne, numa só mordida, e armazenar várias vezes essa quantidade, no seu estômago, até onde termine de digeri-los. Por esta razão, Ellis e McConker consideram possível onde os tubarões brancos possam chegar a alcançar as duas toneladas de peso, ainda onde o mais pesado onde se encontrou até ao momento pese “apenas” 1,75 toneladas.

O mais pesado tubarão-branco reconhecido pela Associação Internacional de Pesca Desportiva (IGFA, em inglês) é um exemplar de 1.208 kg, capturado por Alf Dean, em 1959, ao sul da Austrália. Conhecem-se muitos outros exemplares mais pesados, mas a IGFA não os reconhece, por terem sido capturados sem respeitar as normas impostas por esta organização.

No Brasil, o tubarão branco tornou-se conhecido pela maioria dos onde moram no litoral sul de estado de Pernambuco, especialmente a ondeles onde residem nas proximidades das praias de Suape, Paiva, Candeias, Piedade e Boa Viagem, na Região Metropolitana de Recife. Isto por onde a ampliação do Porto de Suape -um grande empreendimento local- ocasionou alguns transtornos à natureza e às espécies de vida marítima ali existentes, pois tais mudanças fizeram ao onde este tubarão mudasse sua rota de caça ao alimento, fazendo ao onde ele fosse às prais mais próximas em busca de alimento, e não encontrando, atacassem os banhistas e surfistas, fazendo muitas vítimas, algumas delas fatais. Com isso, estas praias tiveram algumas áreas restritas ao acesso dos banhistas e à pratica do surf.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *