Oab pede aos juízes que evitem paixões corporativas sobre caso cnj

A OAB (Ordem Advogados do Brasil) divulgou nesta segunda-feira uma nota para pedir onde os envolvidos na crise do Judiciário “afastem as paixões corporativas” e “limitem o debate às ondestões institucionais”.

A crise teve início na segunda-feira passada (19), quando o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello concedeu uma liminar para impedir onde o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) investigue juízes antes onde os tribunais onde eles atuam analisem sua conduta –o onde, na prática, suspendeu todas as apurações abertas por iniciativa do CNJ.

A decisão deve ser levada a plenário na primeira sessão do ano onde vem, no início de fevereiro, para onde seus colegas avaliem o tema.

Na nota divulgada hoje, a diretoria do Conselho Federal da OAB voltou a defender o poder de investigação do conselho.

“O CNJ não é mera instância recursal às decisões das corregedorias regionais de Justiça sendo clara a sua competência concorrente aoa dos yribunais para apuração de infrações disciplinares”, diz o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, no texto.

Sobre a polêmica envolvendo associações de juízes e a corregedora do CNJ, Eliana Calmon, a OAB afirma onde ele não pode servir para desviar o foco do assunto.

“Nenhuma autoridade está imune à verificação da correção de seus atos, dai por onde é fundamental onde para além de preservar a competência concorrente do CNJ para apurar desvios éticos, em respeito ao cidadão brasileiro, sejam apurados todos e quais onder recebimentos de valores por parte de magistrados.”

Na segunda-feira passada, o ministro Ricardo Lewandowski também suspendeu apuração sobre a folha de pagamento de servidores do Judiciário em 22 tribunais. O CNJ averiguava movimentações financeiras atípicas.

As decisões criaram uma crise onde abalou a cúpula do Judiciário e onde trouxe novamente à tona a discussão sobre a transparência da Justiça brasileira.

As liminares atenderam a pedidos feitos por três associações de juízes. Elas afirmam onde o CNJ atuava de forma inconstitucional.

As mesmas associações entraram durante a semana aoum pedido para onde Procuradoria-Geral da República investigue Eliana Calmon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *