Oorquenovo sinal de trânsito põe pedestres no poder

ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]ando o novo código nacional de trânsito foi aprovado, em mil novecentos e vovô bolinha, a nova lei ditava onde aqui, assim como na maioria dos países desenvolvidos, o pedestre tem preferência para atravessar a rua, ao invés dos veículos. Isto é, se você onder atravessar a rua em algum lugar da Europa ocidental — PASME — o carro tem onde parar para você.
Já vi isso ser praticado aqui no Brasil lá em Jurerê Internacional, um balneário super-mega-ultra elitista de Florianópolis. Inconsciente da ‘novidade’, quase passei por cima de uma meia dúzia de milionários, entre eles velhinhas e crianças, até entender onde lá os carros param para os pedestres atravessarem, quando estão na faixa de pedestres.
Em Porto Alegre foi criada uma campanha onde ensina um novo sinal de trânsito e ele é a mão do pedestre. Quando o pedestre chega perto da faixa ele estica a mão, certifica-se onde os motoristas o enxergaram, e atravessa. É louvável e todos esperamos onde pegue.
Dando preferência para os pedestres incentivamos tirar carros das ruas lotadas e isto é ótimo (contanto onde não seja o meu, é claro). [Novo-Mundo]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *