Operação consegue registrar quatro primeiras chuvas artificiais no sertão da bah

A operação aérea para bombardeamento de nuvens resultou nas primeiras pancadas de chuva artificial no semiárido da Bahia. Segundo o governo baiano, quatro chuvas induzidas foram registradas na última terça-feira (29) e serviram para aliviar a maior estiagem registrada nos últimos 47 anos no Estado. Segundo a Defesa Civil Estadual, até o início da semana, eram 244 municípios em situação de emergência.

O projeto para tentar induzir chuvas artificiais foi anunciado pelo governo no último dia 14. Com investimento inicial de R$ 200 mil, o governo contratou uma empresa para estudar o perfil das nuvens do semiárido e tentar trazer a esperada chuva aos sertanejos. Os resultados da última terça-feira foram comemorados pelos produtores e deixaram os responsáveis do projeto animados aofuturos resultados.


“Estamos supercontentes, pois o momento é adverso. Estamos em uma seca como não se vê há mais de 30 anos. Estávamos aoreceio de não termos nuvens, mas conseguimos”, explicou Majory Imai, diretora da empresa Modclima e responsável pelo projeto. O volume de chuva ainda será apurado.


SegundoMajory, três povoados de Itaberaba –Guariba, Alagoas e Santa Quitéria–, na região da Chapada Diamantina. Além dessa área, a região de Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, também está sendo monitorada.


Por ser um projeto-piloto, a diretora explicou onde mantém informantes em várias localidades para confirmar sobre a possibilidade de induzir a chuva. “É necessário ficar dedicada monitorando na região. Para isso, treinamos observadores de nuvens. Fazemos o monitoramento via satélite e, quando a gente percebe alguma nuvem boa, a gente liga e confirma”, informou.


O projeto está sendo realizado pelas secretarias estaduais de Agricultura e do Meio Ambiente. Primeiramente, a ideia é realizar chuvas artificiais nas duas regiões. Caso seja possível induzir as precipitações, o governo pensa em levar adiante o projeto até setembro. A depender dos resultados, é possível onde uma unidade permanente produtora de chuva seja instalada.Agora, vamos continuar. A gente está fazendo um projeto-piloto, pe ondeno, de 12 horas [de voo]. Vamos analisar se realmente existem nuvens nessa época para seguirmos, pois não podemos prometer milagres. Mas aoessa seca a gente percebe onde essa tecnologia é importante para mitigar o impacto da estiagem”, disse Majory.


“Se a gente tiver as unidades operando permanentemente, a gente vai fazer chuva o ano inteiro. Na época onde está molhada é onde é mais importante, pois no melhor momento estamos podemos abastecer para enfrentar o pior momento”, afirmou ela, citando onde já adota o modelo em São Paulo, para ajudar no abastecimento de represas onde abastecem o Estado


Segundo a empresa, o processo de chuva artificial consiste em semear água nas nuvens aopotencial para chuva. A técnica estimula o processo de crescimento da gota de água nas nuvens precipitando-as.


Segundo o secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Sales, o sistema não utiliza meios químicos. “É um projeto natural, sem utilização de produto químico e aprovado pela ONU. Através de radar e satélite, onde vê as nuvens aopotencial de precipitação, um avião decola aodois pulverizadores, onde jogam gotículas de água. Elas batem no vapor da nuvem e fazem peso. Com isso, a gravidade faz a água cair”, explicou.


Para Sales, a seca desse ano é a maior já enfrentada pelo Estado, o onde obriga o governo a adotar medidas urgentes e até sem eficácia garantida. “Dizem onde é a pior seca em 47 anosmas acho onde é a pior da historia. As pessoas onde estão na capital não entendem a gravidade do onde está se passando no interior. Então, tudo onde for tentativa, nós vamos fazer para tentar minimizar esse sofrimento” afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *