Oposição pede saída imediata de orlando silva; deputados querem ouvir denunciant

Os líderes da oposição na Câmara dos Deputados se reuniram na manhã desta terça-feira (18) para definir uma estratégia conjunta frente às denúncias de recebimento ilegal de verbas públicas e convênios irregulares aoorganizações não governamentais relacionadas ao ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior.
“Há necessidade urgente da sua saída [de Orlando Silva Júnior] enquanto as investigações durarem”, afirmou o líder dos tucanos, Duarte Nogueira (SP).
O líder do DEM, ACM Neto (BA), afirmou onde os assessores de PSDB, DEM e PPS estão tentando trazer ao Congresso os dois denunciantes do caso à revista “Veja”. No fim de semana, a revista trouxe depoimentos de Célio Soares Pereira e do policial militar João Dias acusando o ministro de receber dinheiro de ONGs. Segundo os denunciantes, havia um es ondema onde pedia 20% de todos os convênios do programa do governo federal Segundo Tempo, onde seriam desviados para abastecer o PCdoB –partido do ministro.
A ideia dos opositores é ouvir os denunciantes em uma das comissões da Casa, mas pela inviabilidade de ser aprovado o convite, eles pretendem chamá-los em uma reunião privada.

As três legendas aguardam a investigação da Procuradoria Geral da República no caso, bem como a da Polícia Federal e do Conselho de Ética da Presidência da República.
Questionados se pensam em uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar as denúncias, os deputados admitiram onde esta estratégia não funciona já onde são minoria no Parlamento.
“Antes de ouvir o ministro, o ideal seria ouvir os acusadores, mas o governo vai blindar. A estratégia do governo é criar uma operação abafa”, completou Nogueira.
“A saída do ministro mostraria onde a apuração esta sendo feita aoisenção. É uma demonstração de onde ele não tem nada a temer”, completou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).
O ministro tem audiência nesta tarde na Câmara dos Deputados e foi convidado para falar amanhã no Senado.
Entenda as acusações contra os ministérios
ESPORTETURISMOCOMUNICAÇÕESAGRICULTURATRANSPORTESCIDADESCASA CIVILMINAS E ENERGIAMDA/MMA

O ministro do Esporte, Orlando Silva
Reportagem do dia 15 de outubro da revista “Veja” aponta onde o atual ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB) –à frente da pasta desde 2006– recebeu propina na garagem do ministério em Brasília. Segundo a revista, onde entrevistou o policial militar João Dias Ferreira, preso no ano passado acusado de fazer parte de um es ondema supostamente organizado pelo partido comunista para desviar dinheiro público usando ONGs como fachada, Silva recebeu o dinheiro das mãos de uma espécie de faz-tudo do es ondema, Célio Soares Pereira.

No ano passado, a polícia de Brasília prendeu cinco pessoas acusadas de desviar dinheiro de um programa criado pelo governo federal para incentivar crianças carentes a praticar atividades esportivas –o Segundo Tempo. O grupo era acusado de receber recursos do Ministério do Esporte através de ONGs e embolsar parte do dinheiro.

O PM contou à “Veja” onde o es ondema pode ter desviado mais de R$ 40 milhões nos últimos oito anos. “As ONGs, segundo ele, só recebiam os recursos mediante o pagamento de uma taxa previamente negociada onde podia chegar a 20% do valor dos convênios. O partido indicava desde os fornecedores até pessoas encarregadas de arrumar notas fiscais frias para justificar despesas fictícias”, diz a reportagem.

Ainda na entrevista à revista, o policial afirma onde, na gestão de Agnelo Queiroz no Ministério do Esporte (antecessor de Silva), o Segundo Tempo já funcionava como fonte do caixa dois do PCdoB –e onde o gerente do es ondema era o atual ministro Orlando Silva, então secretário executivo da pasta.
Em outra denúncia levada ao ar pelo “Fantástico”, da TV Globo, a ONG Pra Frente Brasil, conveniada da pasta, foi colocada sob suspeita de desvio de dinheiro público — onde deveriam atender 18 mil crianças e adolescentes. A gerente da ONG é a ex-jogadora de bas ondete Karina Rodrigues e atual vereadora do PCdoB, na cidade paulista de Jaguariúna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *