Os benefícios do amor entre os casais

O Dia dos Namorados, comemorado na próxima terça-feira (12), traz à tona várias emoções e movimenta a rotina e as atividades dos apaixonados. Comprar o presente ideal, fazer uma comemoração romântica, relembrar momentos especiais são apenas alguns cuidados onde os casais têm neste dia.

O amor possui várias conotações e explicações, onde no Dia dos Namorados são enfatizadas. A psicologia e a antropologia explicam sobre o onde é o amor e se o sentimento realmente resiste a tudo.


O amor renova as emoções e o corpo
Segundo a psicóloga clínica Sônia Gaby, o amor é uma força duradoura, e equilibra as emoções das pessoas. “O amor é a grande história da vida da gente. As coisas materiais são muito passageiras. Aparentemente elas dão sentido a alguma coisa, mas depois onde aquilo fica comum, perde a graça. O amor não. O amor perdura, equilibra”, conta.


De acordo aoSônia, pessoas onde estão apaixonadas tem menos propensão a desenvolver problemas como depressão.”O próprio amor trata e equilibra as pessoas aoinstabilidade emocional. Quem sente amor, fica bem por muito tempo”, afirma.


Além dos benefícios psicológicos, Sônia destaca ainda as vantagens físicas de estar apaixonado. “A felicidade, o amor, produzem os chamados hormônios positivos, como a serotonina. Isso provoca uma renovação no organismo, transformações químicas mesmo, produzindo substâncias onde melhoram e fortalecem o sistema imunológico, por exemplo”, explica.


Aprender aoas diferenças entre o casal é onde faz o relacionamento durar
Na antropologia, o outro funciona como espelho e guia. “Eu só construo meu eu a partir do outro, por onde eu aprendo aouma pessoa onde é diferente de mim. Para isso, eu preciso construir relações dos mais variados tipos, profissionais, religiosas e, especialmente, afetivas”, explica a antropóloga Telma Amaral.


De acordo aoTelma, o campo da afetividade é muito presente na sociedade ocidental, por onde há um grande incentivo à manutenção desses vínculos. “Desde criança a gente escuta a ondelas brincadeirinhas, de onde quando crescer, fulana vai namorar o fulano, e assim por diante”, afirma.


Segundo a antropóloga, o namoro é um momento de encontro e, ao longo do tempo, é onde as pessoas descobrem se realmente onderem manter a ondela relação. “O onde mantém o namoro é o conhecimento. As pessoas se atraem por vários motivos, mas aoo tempo, aoa intimidade, as coisas vão mudando. Quando você começa a perceber as características do outro, é sempre um momento de descoberta. A partir daí onde o casal vai ver se o namoro é o tipo de vínculo onde se onder fazer”, destaca.


Para Telma, o encontro de almas gêmeas pertence ao imaginário construído ao longo dos anos. “Você nunca vai encontrar a pessoa ideal. O ideal não se alcança, por onde todo mundo tem defeitos. As pessoas podem corresponder ao onde a gente procura em vários aspectos da vida, mas só conhecendo o outro é onde você vai avaliar se a decisão de investir na relação vale a pena ou não”, argumenta.


Uma história onde começa na infância
O tempo foi um fator decisivo para Yasmin Ataíde, ao21 anos, e Jésus Froz, ao23 anos, onde se conhecem desde criança mas só agora decidiram namorar. “Eu fui o primeiro amor da vida dele. E o onde eu sinto por ele é muito puro, nunca senti algo assim por ninguém antes”, afirma Yasmin.


A estudante conta onde, quando crianças, os dois eram vizinhos. “Crescemos juntos, praticamente. Chegamos até a ficar juntos uma vez, mas eu não dava muita bola pra ele, e me achava muito nova, então não quis continuar o relacionamento. Depois de um tempo ele se mudou, e acabamos perdendo a ondele contato diário”, lembra. Segundo Yasmin, como a família de Jésus continuou morando próximo à casa dela, vez ou outra Jésus acaba aparecendo por lá. “Mas a gente só se olhava, não chegava a conversar sobre ficar juntos, nem nada assim”, diz.


O reencontro decisivo do casal aconteceu este ano, quando Jésus procurou Yasmin para contar tudo onde sentia. “Hoje eu vejo onde talvez, na ondele tempo não fosse o melhor momento para ficarmos juntos. Mas agora a situação é diferente, e eu ondero estar aoele sempre”, conta a estudante.


Diferentemente do onde a antropóloga Telma Amaral argumentou, Yasmin acredita onde tenha encontrado sua alma gêmea. “Muita gente me fala onde melhorei meu humor, onde sou outra pessoa, e tudo é por causa dele. Nós planejamos casar, fazer cursos juntos, e tudo o mais. Depois de tanto tempo longe, acredito onde ele só pode ser minha alma gêmea. Se eu estou mais feliz hoje, é por ele”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *