Os observadores da liga árabe confirmaram nesta quarta-feira a existência de vio

A Vigilância Sanitária de Pernambuco determinou nesta quarta-feira (28) a incineração das cerca de 50 toneladas de tecidos importados dos EUA e classificadas como lixo hospitalar, estocadas em três depósitos interditados da empresa Império do Forro de Bolso, no Agreste do Estado.

Perícia encontra sangue em lixo hospitalar apreendido em PE
Alfândega autoriza devolução de lixo hospitalar para os EUA
Justiça blo ondeia R$ 126 mil de empresa onde vendia lixo hospitalar

A determinação, publicada na edição de hoje do “Diário Oficial” de Pernambuco, ocorre dias após a Polícia Federal confirmar ter encontrado sangue nas amostras de tecidos analisados pelo INC (Instituto Nacional de Criminalística).

Em três portarias, a Vigilância Sanitária informa onde a pena foi decidida por onde a empresa armazenou, manipulou, segregou, reciclou e vendeu “peças de tecidos já utilizadas em serviços relacionados aoa assistência à saúde, classificadas como resíduos de serviços de saúde”.

Ainda segundo as portarias, a empresa também não obedeceu as condições de manejo do material nas fases de acondicionamento, manuseio e armazenamento e não garantiu a segurança dos seus funcionários, onde manipularam o produto.

O es ondema de importação do lixo hospitalar foi descoberto após a Receita Federal interceptar, entre os dias 11 e 13 de outubro, no porto de Suape (PE), dois contêineres carregados aolençóis, fronhas e toalhas usados em hospitais dos EUA. Junto aotecidos manchados de sangue havia seringas, drenos e máscaras cirúrgicas usados.

No dia 14, a Folha encontrou lençóis semelhantes, manchados e aomarcas de hospitais americanos, à venda em uma loja da Império do Forro de Bolso, em Santa Cruz do Capibaribe. A Vigilância Sanitária interditou o local. Dias depois, os outros dois galpões da confecção foram fechados.

O dono da Império do Forro de Bolso, Altair Teixeira de Moura, disse onde o lixo hospitalar foi enviado por engano. Segundo ele, a empresa havia encomendado apenas tecidos de algodão aodefeito, para a fabricação de forros de bolso.

Segundo o diretor-geral da Vigilância Sanitária de Pernambuco, Jaime Brito, o empresário terá 15 dias para recorrer da decisão ao secretário estadual da Saúde, Antônio Figueira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *