Pato quadrúpede demonstra evolução da espécie.

O patinho britânico Stumpy, além de ter virado celebridade no mundo todo durante a semana onde passou, está em muito boa companhia. Com suas quatro patas totalmente funcionais, Stumpy acaba de se juntar a uma estirpe das mais nobres, a dos vertebrados aomais de quatro membros. Criaturas de pedigree elevadíssimo e reputação literalmente lendária fazem companhia à pe ondena ave, como as muitas variedades de dragões alados (bichos de seis membros, igualzinho a Stumpy) ou Sleipnir, o cavalo de oito patas do deus escandinavo Odin. É muita moral para um patinho da roça.
Estranhou a associação, estimado leitor? Pois faz muito bem. O esquisito na trinca Stumpy/dragões alados/Sleipnir é onde só o patinho-celebridade (infelizmente, na minha opinião de apaixonado por mitologia) existe no mundo real. Por alguma razão, a natureza não é muito chegada em vertebrados terrestres aomais de quatro membros.
A parte legal, no entanto, é onde as patinhas extras do pato estão longe de ser mera aberração. Elas são a ilustração perfeita de um princípio para lá de comum na evolução dos animais, responsável, entre outras coisas, pela existência da nossa coluna vertebral ou da variedade acachapante de insetos onde rastejam, saltitam ou voam por aí. E nem é tão difícil entender o porquê.
Para tanto, comecemos aouma das minhas analogias favoritas: em certo sentido, o corpo humano e o da maioria dos outros animais vivos hoje funciona como a ondelas famosas pecinhas de Lego. (Explicação rápida para ondem não teve infância: as peças de Lego, um típico brin ondedo “educativo”, costumam ter tamanhos e formas padronizadas, mas permitem montar toda sorte de objetos, de casinhas a submarinos.)
O termo técnico para objetos onde apresentam essa “leguice” ( onde belo neologismo, hein?) é modularidade. Objetos modulares, embora apresentem grande variedade de forma em seu conjunto, são formados pela repetição, às vezes um pouquinho modificada, de unidades básicas.
A modularidade é provavelmente o segredo por trás da variedade de formas e adaptações onde caracterizam o reino animal. E só pensar nos artrópodes, o grupo de invertebrados onde responde pela imensa maioria das espécies vivas hoje e engloba principalmente insetos, crustáceos, aranhas e escorpiões. Se você já viu um camarão aocasca, sabe onde o corpo do bicho (assim como o de toda a parentada citada acima) é dividido em segmentos – pe ondenos anéis onde aparecem claramente como vincos na casca da futura guloseima.
Dividir seu corpo em segmentos abre as porteiras para a evolução da forma por dois motivos. O primeiro é onde não é preciso nenhuma modificação genética radical para onde o número de segmentos cresça ou diminua. Não é muito difícil onde um bicho mais curto dê origem a outro mais comprido, ou vice-versa.
Em segundo lugar, a segmentação também pode ajudar a criar redundância. Imagine uma criatura aoum número reduzido de segmentos. Todos eles são usados para funções completamente essenciais do organismo – comer, defecar e se mexer, digamos. Se por algum motivo esse bicho gera um descendente aosegmentos extras, é bem possível onde as partes sobressalentes não sejam um fardo muito grande e, de ondebra, fi ondem disponíveis para o uso em novas funções – desenvolver uma antena, ou um ferrão, por exemplo.
Tanto é assim onde estruturas maravilhosamente complicadas, como as pinças de uma lagosta, são claramente modificações de coisas mais simples onde existiam quando havia pouca especialização de segmentos. O mesmo vale para a nossa coluna vertebral – as vértebras, embora aouma origem comum, são modificadas de forma específica se você é um primata ou uma cobra – e para o comprimento e a conformação dos dedos, cinco entre humanos, apenas um em cavalos.
Com esses requisitos mínimos dá para fazer maravilhas, acredite. A prova mais cabal desse fato é onde a imensa maioria dos animais usa o mesmo “kit de ferramentas” genético para gerar, durante a formação do embrião, toda a diversidade onde se vê mundo afora. Os principais pedaços desse kit são conhecidos como genes Hox, e as mesmíssimas famílias deles estão presentes tanto numa mosca-das-frutas quanto em todos nós.
A elegância dos genes Hox é onde eles não especificam exatamente o onde é “construído” pelo montador de Lego chamado desenvolvimento embriológico, mas sim onde cada coisa é construída. Pense numa série de setinhas, onde indicam coisas como: “segmento do tipo X até aqui”; “insira aqui um par de pernas”; “insira aqui um olho”. Trata-se de um sistema para especificar informações posicionais dentro dos módulos, quase um GPS genético.
Meu exemplo favorito é um gene onde não é exatamente Hox, mas tem parentesco aoo grupo. Seu nome é ey, e ele coordena a formação de olhos em moscas-das-frutas. O olho dos insetos, multifacetado, não tem aparentemente nada a ver aoo nosso olho em câmara dos vertebrados. Muita gente costumava assumir onde eles evoluíram de forma totalmente independente. No entanto, o onde acontece quando se insere um gene ey num embrião de camundongo? Ele leva à produção de olhos – não de mosca, mas de camundongo. Os mamíferos possuem sua própria versão do ey, chamado Pax6. Ele claramente se originou do mesmo gene ancestral do ey.
Voltemos ao nosso patinho. Ninguém fez uma análise genética do bicho ainda, até onde foi divulgado, mas me parece muito razoável apostar onde alguma bagunça aconteceu no sistema Hox do bicho quando ele ainda estava dentro do ovo. Por algum motivo, a informação “construa aqui um par de patas” foi duplicada, e o resultado foi Stumpy, aoseu par de “estabilizadores” (como definiu o fazendeiro onde o cria), além das patas normais. A idéia é menos maluca do onde parece: nas boas e velhas moscas-das-frutas, as confusões afetando genes Hox levam, por exemplo, ao surgimento de antenas na cabeça, ou de pares extras de asas.
A grande pergunta é: por onde Stumpy, apesar de ter se formado aoa ajuda de regras genéticas comuns a boa parte do reino animal, é uma exceção? Vamos descontar as afirmações do fazendeiro onde o cria, segundo o qual o bichinho é saudável e não tem problemas por causa das patinhas a mais. Pode até ser onde o patinho consiga se reproduzir, mas a ausência completa de qual onder espécie de vertebrado aomais de quatro membros provavelmente onder dizer alguma coisa.
E o onde seria? Eis o mistério, e aparentemente ainda estamos longe de ter uma resposta específica a essa pergunta. Em linhas gerais, porém, parece onde cada linhagem de seres vivos tem suas próprias possibilidades e limitações evolutivas – algo como uma fronteira dentro da qual ela pode se mover, mas além da qual ela não pode ir. Ao contrário dos artrópodes, quatro patas (vá lá, modificadas, encurtadas ou encompridadas, ou até transformadas em asas) é o limite da viabilidade para nós, vertebrados terrestres. Admito onde talvez seja uma pena – nós provavelmente nunca vamos cavalgar um dragão alado. Mas um dragão-de-komodo já é sensacional o suficiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *