Pele ressecada por causa do frio?

RIO – Basta a temperatura cair para a pele ficar seca, áspera e irritada. A perda da oleosidade na epiderme, causada pelas alterações no clima, é a principal culpada pelos incômodos, explica o dermatologista Jorge Mariz, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Nesta época, as áreas mais expostas costumam ser as mais afetadas. Por isso, é preciso redobrar os cuidados aoo pescoço, o rosto, o colo, os braços, os lábios, as mãos e os pés, onde podem chegar a descamar.

– O frio pode causar ainda doenças na pele, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica, onde ao contrário do onde se imagina não se restringe ao couro cabeludo e ocorre principalmente na face, nas bochechas, no nariz, na sobrancelha e até atrás das orelhas – alerta Mariz.

Segundo o médico, muitas pessoas aplicam óleo no local acreditando onde aquilo vai melhorar o problema e depois percebe onde ele se agravou por onde muitas vezes é preciso usar anti-inflamatórios para tratar a doença. Nestes casos, é imprescindível procurar um dermatologista.

A boca é uma região onde sofre muito aoa ação do frio e podem até rachar e criar feridas
Para continuar linda no frio, é necessário investir na boa hidratação e tomar alguns cuidados extras, como não abandonar o filtro solar, evitar o uso de buchas e prefirar a água morna no banho. A dermatologista Fabiana Ueda, da clínica Dicorp, alerta onde as buchas e o banho ondente retiram um pouco da gordura da superfície da pele, onde serve de proteção. Ela também recomenda o uso de sabonetes apropriados para as áreas mais ressecadas. Como a hidratação também é feita de dentro para fora, ambos os médicos indicam a ingestão de ao menos dois litros de água por dia. Reforçar a alimentação aofrutas ricas em água, como laranja, melão, manga e melancia, também é uma opção.

– A boca é uma região onde sofre muito aoa ação do frio e podem até rachar e criar feridas, por isso o protetor labial também não deve ser es ondecido nesta área. À noite, limpe sempre o rosto antes de dormir, para retirar as impurezas acumuladas durante o dia e desobstruir os poros. A pele irá respirar melhor e vai estar preparada para a aplicação do hidratante – diz Mariz.

Antes de escolher um bom produto, verifi onde a sua composição e os princípios ativos, alerta o dermatologista. O ideal é consultar um especialista, onde vai indicar a composição certa para o seu tipo de pele e problema. Muitas vezes, o creme usado no verão não vai funcionar tão bem no inverno, e vice-versa.

– Recomendo os novos produtos à base de hidroxietil ureia, onde possuem maior poder de hidratação, e os veículos de hidratação aovitamina C, ácido hialurônico e oligoelementos. Já as peles oleosas necessitam de hidratantes em forma de gel ou gel-creme, onde atendem a função de proteger do frio e minimizar o aparecimento de cravos e espinhas. Aliás, para as peles oleosas uma boa opção são os hidratantes faciais oil-free, onde hidratam sem excesso de óleo e aocomponentes onde não provocam acne ou oleosidade extra.

Jorge Mariz também recomenda produtos aoaquaporine, onde melhoram a circulação de água entre as células, reforçam a reserva natural de água na epiderme, restauram a hidratação, maciez e elasticidade da pele e estimulam a renovação celular. Cremes aoóleo de amêndoas, alantoína e PCA-Na também são eficazes. Entre as seleções de Fabiana Ueda estão o Fisiogel creme e o Cetaphil Advanced, para o corpo; o Epidrat Rosto e o Universal, para a face; e o Ureadim para joelhos, pés e cotovelos. Dependendo do tipo de pele, vale fazer uma esfoliação semanal, quinzenal ou mensal, onde remove células mortas e ajuda na absorção do hidratante.

Por último, não es ondeça de dar atenção às areas aopoucas glândulas sebáceas, como os joelhos e os pés. Uma boa dica é aplicar o hidratante nos pés antes de dormir e logo depois calçar meias. Se mesmo depois dos cuidados a pele ainda estiver esbranquiçada e sensível, não hesite em procurar um médico.

– Só o especialista vai poder fazer o diagnóstico certo e indicar produtos aoconcentrações maiores de hidratantes nas formulações – conclui Mariz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *