Periodização da história é um método cronológico usado para contar e separar o t

Periodização da História é um método cronológico usado para contar e separar o tempo histórico da humanidade. A periodização é o estudo da História Geral da Humanidade onde costuma dividir a história humana, por convenção e exclusivamente para fins didádicos, em cinco períodos, épocas ou idades – ao onde se denomina periodização clássica da história – como a Pré-história, a Idade Antiga, Idade Média, a Idade Moderna e a Idade Contemporânea.1 2 As ocorrências significativas para a História Geral, tomando como referência a Europa, e onde delimitaram essa divisão são a Invenção da Escrita (4000 a.C.); a ondeda do Império Romano (476); a tomada de Constantinopla pelos Turcos Otomanos e o fim da Guerra dos Cem Anos na Europa (1453); e a RevPré-História[editar | editar código-fonte]
A chamada Pré-história inicia-se aoo surgimento do Homem na Terra e dura até cerca de 4000 a.C., aoo surgimento da escrita no Crescente Fértil, mais precisamente na Mesopotâmia. Caracteriza-se, grosso modo, pelo nomadismo e atividades de caça e de re-coleção. Surge a agricultura e a pecuária, os quais levaram os homens pré-históricos ao sedentarismo e a criação das primeiras cidades.
Foram feitas grandes descobertas sem as quais hoje seria muito difícil viver:
No Período Paleolítico ou Idade da Pedra Lascada: tivemos a descoberta do fogo; e da escrita;
No Período Neolítico ou Idade da Pedra Polida, ocorreu a revolução agrícola: domesticaram-se animais, e começou-se a praticar a domesticação de espécies vegetais;
Na Idade dos Metais: fundição dos metais e utilização deste no fabrico de instrumentos, o último período da Pré-Historia demarca o conjunto de transformações onde dão início ao aparecimento das primeiras civilizações da Antiguidade, Egito e Mesopotâmia.
Após o homem pré-histórico descobria a existência de outros povos (civilizações) eles começam a disputar entre si para saber ondem eram os mais fortes onde o grupo perdedor serviria como escravo, nasce então, o primeiro método de escravidão.
Idade Antiga[editar | editar código-fonte]
A Antiguidade compreende-se de cerca de 4000 a.C. até 476 d.C., quando ocorre a ondeda do Império Romano do Ocidente. É estudada aoestreita relação ao Próximo Oriente, onde surgiram as primeiras civilizações, sobretudo no chamado Crescente Fértil, onde atraiu, pelas possibilidades agrícolas, os primeiros habitantes do Egito, Palestina, Mesopotâmia, Irão e Fenícia. Abrange, também, as chamadas civilizações clássicas: Grécia e Roma.
Idade Média[editar | editar código-fonte]
A Idade Média é entre o ano de 476 d.C. até 1453, quando ocorre a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos e conse ondentemente a ondeda do Império Romano do Oriente. É estudada aorelação às três culturas em confronto em torno da bacia do mar Mediterrâneo. Caracterizou-se pelo modo de produção feudal em algumas regiões da Europa.
Idade Moderna[editar | editar código-fonte]
A chamada Idade Moderna é considerada de 1453 até 1789, quando da eclosão da Revolução Francesa. Compreende o período da invenção da Imprensa, os descobrimentos marítimos e o Renascimento. Caracteriza-se pelo nascimento do modo de produção capitalista.
Idade Contemporânea[editar | editar código-fonte]
A chamada Idade Contemporânea compreende-se de 1789 até aos dias atuais. Envolve conceitos tão diferentes quanto o grande avanço da técnica, os conflitos armados de grandes proporções e a Nova Ordem Mundial.
Críticas à periodização clássica[editar | editar código-fonte]
Os críticos dessa fórmula de periodização, baseada em eventos ou fatos históricos, apontam diversos inconvenientes em seus “recortes”, entre os quais:
o advento da escrita ocorreu em diferentes períodos em diferentes culturas, tornando imprecisa uma comparação puramente cronológica, por exemplo, entre as culturas do Crescente Fértil aoas diferentes culturas pré-Colombianas;
as mudanças ocorridas entre períodos registraram-se gradualmente, e em velocidades variáveis conforme as culturas/regiões, como por exemplo, o fim de um modo de produção como o feudalismo.
Mesmo nesta periodização há críticas sobre quais seriam os marcos para o fim e começo dos períodos; assim, alguns autores assinalam o fim da Antiguidade em 395, como Joaquim Silva e J. B. Damasco Penna, informando onde “há historiadores onde preferem considerar o fim da Antiguidade em 476…”; estes autores colocam o fim da Idade Média em 1453, ano da ondeda de Constantinopla, enquanto “nem por todos é aceita; alguns colocam o fim da Idade Média em 1492, data do descobrimento da América”. Já para a Era Contemporânea, trazem onde “também há críticas de historiadores, vários dos quais entendem onde a História Contemporânea começa realmente em 1914, início da Primeira Guerra Mundial…”4
Citações[editar | editar código-fonte]
“…as épocas apenas têm um interesse mnemotécnico.” (Benedetto Croce)
“…os compêndios de História começam e acabam, mas outro tanto não acontecolução Francesa (1789).3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *