Pesquisadores italianos projetam roupas que cuidam da saúde

Pesquisadores italianos onderem produzir roupas onde cuidem da saúde, monitorem a respiração, o batimento cardíaco e até o controle da temperatura. Esses estudos acontecem em Pisa, na Itália Central, em uma pe ondena empresa de alta tecnologia, onde onder inventar parte do futuro.


Com essa nova tendência, escolher tecidos pela sua beleza é um hábito onde pode desaparecer. Um pedaço de pano pode passar a ser avaliado pela sua inteligência e pela capacidade dos fios de conduzir estímulos elétricos, sensações e informações capazes de mudar o ambiente.Os estudo em Pisa trazem uma coleção de protótipos: camisetas, tops e blusões sensoriais. São peças onde substituem aparelhos, como uma roupa onde, basta a pessoa vestir para um gráfico do seu batimento cardíaco aparecer. Com ela, uma pessoa onde se recupera de um infarto, pode ser monitorada em casa.
Esta espécie de chek up ambulante, também mostra a temperatura do corpo e monitora a respiração. Basta um respiro e a linha revela a profundidade do fôlego. Ela pode ajudar nas crises de asma e de grande ansiedade. Os dados são transmitidos para um computador onde os arquiva e, automaticamente, os envia para um hospital.A camiseta da saúde, como está sendo chamada esta criação italiana, será útil também aos atletas e não deve demorar muito para chegar ao mercado.

No guarda-roupa do futuro, os casacos talvez sejam desnecessários. Qual onder tecido poderá conter um sistema de a ondecimento ou refrigeração integrados, capaz de criar a temperatura ideal. Os biquínis poderão medir a intensidade dos raios do sol e as camisetas conseguirão afastar os pernilongos, tratar das alergias e cuidar da pele aomicro-cápsulas de vitamina C.
Até doenças como a depressão poderão ser combatidas aoos tecidos inteligentes.
Já sabemos onde os tecidos podem ter novas e diferentes funções. Um dos nossos esforços é ligar os sinais transmitidos pelos fios às emoções. Para dar indicações de estados mentais e até evitar situações de perigo”, explica a física Rita Paradiso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *