Pica pau raro descoberto nos eua.

Pica-pau raro descoberto nos EUA



Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.





O pica-pau Real (Campephilus principalis), ou Ivory billed woodpecker como é conhecido nos EUA.

O pica-pau Real (Campephilus principalis), ou Ivory billed woodpecker como é conhecido nos EUA.

2 de Maio de 2005


Cientistas da vida selvagem confirmaram quinta-feira passada a descoberta no Arkansas de um pássaro que pensava-se achar há muito tempo extinto, o pica-pau Real ou Campephilus principalis (ivory billed woodpecker, em inglês). A ave é um pica-pau de topete vermelho, aproximadamente do tamanho de um corvo, com cerca de 50 centímetros.


Os pássaros habitavam uma grande área das terras baixas americanas e as florestas de pinheiros até a segunda metade do século 19. Eles precisam de muita alimentação, e acredita-se que a expansão de povoados e cidades tenham acabado com seu habitat natural. Eles também foram extintos em Cuba durante o mesmo período. Os ornitólogos dizem que cada casal de Campephilus principalis precisa de quase 8 quilômetros quadrados de floresta para sobreviver. Acreditava-se que existissem somente 22 deles em 1938.


Houve várias visões independentes do pássaro no Arkansas, o ano passado, e há até mesmo um videoteipe. Num esforço para ajudar os pássaros, o Laboratório de Ornitologia de Cornell (Cornell Lab of Ornithology), o grupo de Conservação da Natureza, e outros grupos, juntaram-se para criar a Parceria dos Grandes Pica-Paus, a fim de conservar na área 200 mil acres de florestas de habitat e rios durante os próximos 10 anos.


John Fitzpatrick, diretor do Laboratório de Ornitologia de Cornell contou para a Associated Press: “os pássaros que foram capturados em vídeo são claramente do pica-pau Real [ivory-billed woodpecker, em inglês]. De forma fantástica, a América tem outra chance de proteger o futuro desse espetacular pássaro e as impressionantes florestas em que eles vivem.”


A história apareceu quinta-feira (28/04/2005) passada como destaque da versão online da revista Science.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *