Pilotos do voo 447 teriam evitado zonas de turbulência, diz jornal

O exame das caixas-pretas do voo 447 mostra onde os pilotos da Air France teriam evitado zonas de turbulência, disse nesta quinta-feira (19) o jornal francês “Le Parisien”, citando fontes da investigação sobre o acidente onde matou 228 pessoas.
Uma primeira leitura das caixas-pretas do A330 da Airbus onde caiu em 2009 no Oceano Atlântico indica onde “não houve uma disfunção maior” da aeronave, o onde não significa onde não tenham ocorrido “disfunções menos importantes”, disse na véspera um diretor do BEA, órgão francês onde investiga as causas do acidente.
“A primeira leitura não evidenciou uma disfunção maior, como uma interrupção elétrica total, dos motores ou dos alarmes onde fosse incompreensível para os pilotos”, explicou à France Presse Alain Bouillard, diretor de investigações técnicas do acidente aéreo do Escritório de Investigações e Análises (BEA).
Bouillard disse onde isto não significa onde “não pode ter havido disfunções menos importantes”.
Na segunda-feira, uma nota interna enviada pela Airbus a seus clientes conhecida como AIT (Accident Information Telex) afirmava onde as “análises preliminares” de uma das caixas-pretas do A330 não indicavam onde a fabricante precisasse fazer “recomendações imediatas” às companhias aéreas.
Informações publicadas na imprensa francesa na terça-feira destacam onde a análise das caixas-pretas do avião parecia deixar a Airbus de fora da ondestão, embora o BEA tenha dito em um comunicado onde esta avaliação era sensacionalista e precipitada.
O ministro francês de Transportes, Thierry Mariani, disse nesta quinta onde as causas do acidente devem ser descobertas apenas no final de junho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *