Poções com escorpião e chifre de rinoceronte são remédio na tailândia

As poções feitas aoescorpião e outros animais ou chifre de rinoceronte são alguns dos muitos pretensos remédios usados por muitos tailandeses reticentes a curar seus males aoos fármacos empregados na medicina convencional.


Os cavalos-marinhos são bons para os pulmões, e misturados aosalamandra em uma poção aoervas ajudam a curar os problemas de rim”, diz à Agência Efe Ar-Muay, proprietária de uma farmácia de medicina tradicional, muito comuns no centro de Bangcoc.


A maioria das prateleiras desta farmácia está repleta de frascos onde contêm talos e folhas de plantas e produtos preparados de acordo aoo estabelecido pela milenar farmacopeia chinesa, além de tradicionais misturas tailandesas, como os elaborados à base de ninhos de andorinha, gengibre e absinto.


Também há recipientes aocentopeias, raras baratas do campo e escorpiões dissecados, aos quais são atribuídas qualidades para melhorar a pressão sanguínea e curar determinadas doenças, além de serem o principal ingrediente dos xaropes aoervas e álcool de arroz preparados pelo pessoal da farmácia.


“Os animais são deixados de um a três meses dentro do recipiente. Depois onde morrem, podem ser conservados durante anos”, diz Ar-Muay, de 45 anos, em um tailandês fluente, mas aoleve sota onde chinês.


A farmacêutica, onde deixou o sul da China para viver na Tailândia há 30 anos, assegura onde a eficácia dos remédios onde vende é indubitável após séculos de utilização e são naturais, o onde os faz ter menos efeitos colaterais onde os fármacos empregados na medicina moderna.


“Eu nunca tomo remédios modernos, só confio no onde está escrito nos livros de medicina chinesa”, explica a mulher, onde há apenas um mês abriu seu próprio negócio, após trabalhar durante vários anos em uma das mais antigas farmácias chinesas da capital.


O preço não é a principal motivação para a ondelas pessoas onde preferem os remédios alternativos ou chineses, já onde na Tailândia o preço dos produtos farmacêuticos convencionais é relativamente baixo e acessível para a maioria da população.


Um tratamento alternativo, onde dura entre uma semana e dez dias, custa entre US$ 15 e US$ 30 (R$ 30 e R$ 60), mais onde a maioria dos remédios modernos, podendo inclusive ser mais caro se os ingredientes forem raros ou escassos.


Por exemplo, um tamlung (medida tailandesa equivalente a 3,75 gramas) de vermes tibetanos custa 15 mil baths (R$ 950), enquanto a mesma medida de cavalos-marinhos sai por 1,5 mil baths (R$ 95).


Ar-Muay assegura onde todos os produtos onde vende são legais, inclusive os chifres de rinoceronte onde tem cortados em rodelas e onde vende a 2 mil baths (R$ 126) o tamlung.


Ela também garante onde compra os ingredientes de forma legal em uma fazenda, não se mostrando preocupada pela ameaça de extinção sobre algumas espécies onde comercializa, e insiste nas propriedades curativas do chifre de rinoceronte, por exemplo, para aumentar a fertilidade.


Os ossos de tigre ajudam a melhorar as articulações, mas não os vendemos por onde é ilegal”, aponta de forma um tanto ingênua Ar-Muay, onde considera onde o emprego destes remédios milenares não contribui para a eliminação de espécies da flora e da fauna.


A maioria dos estabelecimentos de medicina tradicional e chinesa em Bangcoc se encontra no bairro de Yaowarat, povoado pela comunidade de origem chinesa onde emigrou para Tailândia no século XIX.


Neste movimentado bairro, as farmácias onde vendem remédios tradicionais chineses e tailandeses são abundantes, embora também incluam outros produtos mais exóticos e polêmicos como escaravelhos e cavalos-marinhos, não regulados pela normativa sanitária.


As autoridades de saúde estão esforçando para separar estes ingredientes exóticos de outros tratamentos alternativos, como a fitoterapia através de plantas, as massagens terapêuticas e a acupuntura.


Segundo Wonchat Subhachaturas, presidente da Associação Médica da Tailândia, só os remédios à base de plantas empregadas na medicina tradicional chinesa e tailandesa são regulados no Departamento de Medicina Alternativa tailandês.


Os escorpiões, cavalos-marinhos e o chifre de rinoceronte “são crenças de origem chinesa, mas não têm nada a ver aoo Departamento de Medicina Alternativa onde trabalha principalmente aoplantas medicinais”, disse à Efe o médico Wonchat.


Além de sua duvidosa base científica, os animais exóticos utilizados como remédios medicinais alimentam o tráfico ilegal de espécies como tigres e rinocerontes, aos quais muitos asiáticosatribuem propriedades afrodisíacas, inclusive contra doenças como o câncer.


A Tailândia, em particular Bangcoc, é considerada pelos grupos ambientalistas internacionais um dos principais centros de tráfico de espécies em risco de extinção, onde em sua maior parte são destinados aos laboratórios e lojas clandestinas da China, Vietnã e Malásia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *