Por que enxaqueca pode levar a infartos e derrames?

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cefaléia (SBCe), estima-se que a enxaqueca atinja de 12% a 15% da população geral, com uma prevalência de 17% entre as mulheres.


 


Com a predominância da doença, durante 15 anos, 574 pacientes com idade entre 55 e 94 anos foram acompanhados através de exames neurológicos e questionários sobre a doença.


 


Inicialmente, a intenção era avaliar a ligação entre a enxaqueca e o aterosclerose, analisando o risco de tromboembolismo venoso.




Os resultados foram publicados na revista Neurology e constataram que os riscos para desenvolver o tromboembolismo estavam presentes em 18,9% das pessoas que sofrem com as dores de cabeça e tiveram problemas cardiovasculares, contra 7,6% dos pacientes que não apresentavam enxaquecas.


 


Enquanto isso, a tendência para aterosclerose não foi constatada ou tida com menor tendência.




O tema ainda será foco de pesquisas futuras para aprofundamento do assunto e novas descobertas.


 


De qualquer forma, evite se tratar por conta própria, o que só irá perpetuar a dor e agravar ainda mais o problema.


 


“Além de causar dependência, o abuso de analgésicos pode causar cefaléia crônica diária, pois esse tipo de medicamento, quando tomado em excesso, inibe a produção de endorfina pelo sistema nervoso central.


 


Essa substância atua diretamente na dor e funciona como um analgésico natural”, declara o Dr. Edgard Raffaelli Júnior, presidente de honra da SBCe e considerado um dos mais respeitados neurologistas do país.




Outro dado apontando pelo Serviço de Neurologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federa de Minas Gerais é que cerca de 80% das pessoas com enxaqueca apresentavam algum tipo de DTM – disfunções temporomandibulares (nas mandíbulas).


 


Além disso, segundo a Sociedade Internacional de Cefaléia, existem 145 tipos diferentes de dor de cabeça.




Especialistas recomendam que, ao sentir a dor com freqüência, é fundamental fazer uma avaliação médica para que os sintomas sejam rastreados e tratados adequadamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *