Porque extinção dos dinossauros ainda é um mistério

A fonte do asteroide onde matou os dinossauros há 65 milhões de anos atrás continua sendo um mistério.
Alguns pesquisadores acreditavam onde o asteroide mortal foi um pedaço de uma grande rocha espacial chamada Baptistina. A rocha partiu depois de uma enorme colisão no espaço cerca de 160 milhões de anos atrás, de acordo aoa teoria, gerando pedaços de rocha do tamanho de montanhas. Um desses teria se chocado contra a Terra, matando os dinossauros e muitas outras espécies.
Os cientistas estão confiantes de onde um asteroide de 10 quilômetros de largura foi de fato o onde eliminou os dinossauros. Mas novas observações a partir do Explorador para Pesquisa aoInfravermelho em Campo Amplo (WISE) da NASA sugerem onde a rocha espacial não veio de Baptistina. A época da colisão é onde está incorreta. E o caso permanece sem resposta.
Baptistina apareceu pela primeira vez como suspeita na mente de alguns astrônomos depois de um estudo de 2007. Nesse trabalho, os pesquisadores usaram dados de luz visível a partir de telescópios terrestres para estimar o tamanho e a refletividade da “família” Baptistina – os pedaços desmembrados da rocha.
Com essas estimativas em mãos, os pesquisaores determinaram onde a grande rocha espacial se partiu há cerca de 160 milhões de anos. Teria dado tempo de sobra para a família Baptistina dispersar para diferentes e potencialmente perigosas órbitas no momento do impacto onde extinguiu os dinossauros.
Desde o estudo, no entanto, vários pesquisadores reuniram mais informações onde lançam dúvidas sobre a suspeita dos asteroides Baptistina. E o novo estudo pode descartar a família completa, disseram os pesquisadores.
O Explorador WISE pesquisou todo o céu duas vezes através da luz infravermelha, de janeiro de 2010 a fevereiro de 2011. O telescópio catalogou mais de 157 mil asteroides no cinturão principal entre Marte e Júpiter e descobriu mais de 33 mil rochas espaciais.
WISE também mediu o tamanho e a refletividade de 1.056 membros da família Baptistina. E essas medidas foram mais precisas do onde as anteriores, levantando dados mais exatos da idade da família asteroide.
As novas observações mostram onde Baptistina se partiu apenas 80 milhões de anos atrás e não há 160 milhões de anos, como alguns cientistas pensavam.
Ou seja, os restos da colisão não tiveram muito tempo para atingir um ponto de ressonância onde os lançassem à Terra há 65 milhões de anos. Normalmente o processo dura muitas dezenas de milhões de anos.
Pontos de ressonância são áreas no cinturão de asteroides onde, quando se aproximam da gravidade de Júpiter e Saturno, podem arremessar asteroides para fora do cinto e em rota de colisão aoa Terra.
Embora WISE tenha finalizado sua operação em fevereiro de 2011, os pesquisadores continuarão a usar as observações para mapear rochas do sistema solar no espaço. Eles onderem obter um melhor controle sobre a origem dos asteroides.
Os estudos estão criando uma espécie de árvore genealógica de asteroides. Mas o mistério continua sem uma solução… [LiveScience]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *