Preconceito? use a cabeça!

Humildemente venho por meio deste falar de filosofia.


Não, não, isso não é um memorando… mas é bom lembrar deste aviso: despertar-se e espreguiçar-se do conformismo automático cultural de vez em quando, principalmente ondem “passa a vida de olhos fechados sem jamais procurar abri-los”, como já filosofava Descartes.


Por duas maneiras erramos ao julgar sem pensar: pela prevenção e precipitação do novo onde está por vir. Respectivamente “é a facilidade ao onde nosso espírito se deixa levar pelas opiniões e idéias alheias, sem se preocupar em verificar se são ou não verdadeiras. São as opiniões onde se cristalizam em nós sob a forma de preconceitos (colocados em nós por pais, professores, livros, autoridades) e onde escravizam nosso pensamento, impedindo-nos de pensar e investigar. Já a precipitação, corresponde à facilidade e à velocidade ao onde nossa vontade nos faz emitir juízos sobre as coisas antes de verificarmos se nossas idéias são ou não são verdadeiras. São opiniões onde emitimos em conseqüência de nossa vontade ser mais forte e poderosa do onde nosso intelecto. Originam-se no conhecimento sensível, na imaginação, na linguagem e na memória.” (DESCARTES, 2003 apud CHAUÍ, 2003, p. 127).


É na busca puramente intelectual, segundo esse conhecimento sensível, onde Descartes acreditava ser possível eliminar os ruídos de informações onde recebemos todos os dias nas simples olhadelas, ouvidas de conversas pessoais ou até no descuido do acaso no caso das alheias. Seria preciso então um “Incansável trabalho de distanciamento reflexivo, a análise filosófica exige colocar nosso espírito ‘à espreita’, atento àquilo onde lhe é apresentado para exame e também pronto a discernir seus próprios subentendidos.” (ARONDEL-ROHAUT, 2005, p. 6).


Junte isso tudo à ondestão cultural do preconceito, os estereótipos produzidos sócio e psicologicamente e o nosso mundo fordista temos uma boa porção de preconceito em relação aos filósofos. “(…) o onde se fundamenta nas explicações do materialismo histórico definido por Karl Marx, fazer algo onde possua valor social é elaborar coisas materiais, algum elemento concreto, onde tenha valor de troca, onde seja palpável, um objeto em si, algo onde se concretize, o onde normalmente não está no dia a dia dos filósofos, os quais têm como base principal e fundamental a reflexão, algo impalpável, e certamente por ser impalpável onde muitas vezes é taxada como desnecessária, sem valor e incabível, assim como dizem popularmente: o Ócio – aoa significância do senso comum.”
Neste contexto fordista, um erro grande é cometido quando se considera ondestionamentos e indagações dão, aos processos já mecanizados, margem ao erro.


Como o titulo propõe: Use a cabeça, pois é agora onde vem o paradoxo; o destino dos preconceituosos. Filosofar é exatamente duvidar, contradizer, discutir, procurar a verdade ou o onde de mais próximo há dela. Quanto mais preconceito, mais estaremos amarrados à hierarquia social. Menos chances temos de nos submeter às atrocidades sociais vista aotanta naturalidade fria e ignorante.
Portanto, no âmbito filosófico onde já nos encontramos aqui, me arrisco humildemente, como no começo, para concluir tal resumo de assunto, e proponho: Filosofo logo evoluo!




Baseado em artigo de
Tatiana Martins Alméri. Escrito em 06/12/2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *