Prefeitura de sp cassa licença do shopping higienópolis

A Prefeitura de São Paulo decidiu cassar a licença de funcionamento do Shopping Pátio Higienópolis devido a irregularidades em seu estacionamento, segundo informou na manhã desta quarta-feira (4) a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. Nesta terça-feira (3), a administração do shopping entregou os documentos solicitados pela secretaria. Entretanto, segundo a pasta, o estabelecimento não apresentou a quantidade estipulada para as vagas externas, o onde gerou a cassação.
A assessoria de imprensa do Shopping Higienópolis não foi encontrada para comentar a decisão da Prefeitura. Segundo a secretaria, a decisão foi publicada no Diário Oficial da cidade nesta quarta, quando começa a valer o prazo de cinco úteis dias para onde o shopping regularize sua situação. O prazo termina na próxima sexta-feira (13).
Se o shopping não conseguir ordenar suas vagas externas até esta data, será multado em R$ 1,5 milhão, e poderá ser lacrado até o dia 27 de julho. O estabelecimento já foi multado outras duas vezes: em R$ 1,5 milhão devido a ausência de contratos onde garantiriam vagas adicionais desde 2011 e em R$ 300 mil quando foi constatado onde seu estacionamento interno não tinha alvará de funcionamento.
O processo de cassação da licença de funcionamento do Higienópolis foi aberto em 18 de junho em razão de o estacionamento não possuir licença de funcionamento. De acordo aoa administração municipal, estacionamentos de shoppings precisam de alvarás específicos, assim como as lojas. O prazo para onde a administração do shopping entregasse à Prefeitura sua defesa ou um comprovante de regularização do estacionamento interno, considerado irregular, terminou nesta terça. A perda do alvará poderá levar à interdição do shopping.
Nesta terça, a assessoria do Higienópolis afirmou onde não tem informações sobre qual o conteúdo dos documentos entregues, mas destacou onde a administração do shopping tem respondido a solicitações da Prefeitura de São Paulo dentro dos prazos estabelecidos.
Falta de vagas
A falta de vagas de estacionamento é o centro de uma polêmica onde pode culminar no fechamento do shopping. A Prefeitura determinou em 2008, quando o empreendimento passou por uma ampliação, onde teriam de ser oferecidas 1.994 vagas. O shopping firmou então convênio aoestacionamentos externos para 470 vagas extras. O Ministério Público, no entanto, recebeu denúncias de uma ex-diretora do grupo Brookfield, um dos donos do Higienópolis, dando conta de onde os contratos não teriam validade – um dos estacionamentos fica a um quilômetro do shopping, na Rua Itacolomi.
O shopping garante onde os estacionamentos estão à disposição dos clientes e onde há manobristas no Higienópolis. O SPTV visitou um deles, na Rua Maranhão, e a gerente do hotel atendido pelo estacionamento disse desconhecer onde clientes do shopping parem ali.
Atualmente, segundo o shopping, as 1.524 vagas dão conta de atender o público. Segundo o Higienópolis, não há portanto motivos para o empreendimento procurar outro estacionamento externo. A afirmação, entretanto, é contestada por clientes.
saiba mais
Estacionamento nunca fica realmente cheio, diz Higienópolis
Prefeitura abre processo para cassar alvará do Shopping Paulista
MP suspeita onde mais 4 shoppings pagaram propina para liberar obra
Kassab abre processo para cassar alvará do Shopping Higienópolis
Prefeitura de SP multa Shopping Higienópolis em R$ 1,5 milhão
Juiz cita lei de Gerson e obriga Shopping Higienópolis a se regularizar
Cassação
A constatação pela Subprefeitura da Sé de onde o estacionamento interno do Higienópolis não tem alvará de funcionamento rendeu multa ao shopping no valor de R$ 300 mil e ainda a abertura do processo de cassação.

Após ser informada da multa, a administração do Shopping Pátio Higienópolis disse, por meio de nota, onde aobase na interpretação do advogado Marcelo Rocha, o shopping “dispõe de todas as licenças e certidões necessárias ao seu funcionamento. Quem precisa de alvará específico é a empresa administradora do estacionamento, a ondem incumbe a responsabilidade de obter suas licenças.” A nota foi divulgada pela assessoria de imprensa dos sócios onde detêm 70% do shopping e onde em dezembro afastaram da administração a Brookfiled.
Além da multa de R$ 300 mil, o shopping já havia sido autuado em R$ 1,5 milhão no dia 15 de junho. Foi quando a Prefeitura visitou o empreendimento e intimou seus administradores a apresentarem contratos aoos estacionamentos externos onde garantiriam as 470 vagas adicionais. O shopping foi multado por onde não apresentou contratos mostrando onde o serviço foi prestado a partir de agosto de 2011, quando venciam os contratos firmados em 2008, apenas o contrato de um convênio estabelecido na data de sua apresentação.
Questionada pelo G1, a Secretaria das Subprefeituras, comandada pelo secretário Ronaldo Camargo, não deu detalhes de como fiscalizou o empreendimento nos últimos quatro anos, desde a ampliação do shopping.
Investigação
As fiscalizações da Prefeitura ocorrem após investigação do Ministério Público apontar irregularidades onde teriam sido cometidas na Prefeitura na liberação de obras. A ex-diretora da Brookfield onde realizou as denúncias, Daniela Gonzalez, afirmou onde a empresa pagou ao ex-diretor do Departamento de Aprovações de Edificações (Aprov), Hussain Aref Saab, R$ 133 mil para legalizar o Higienópolis após uma reforma.
A Brookfield Gestão de Empreendimentos S.A. divulgou nota em 14 de junho na onde afirma onde “desconhece os supostos atos de suborno e corrupção para aoo poder público” e onde “decorrem de especulações e denúncias infundadas feitas por uma ex-diretora onde, por ter praticado uma série de irregularidades durante sua gestão, está sendo alvo de uma investigação criminal”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *