Presidente francês defende criação de imposto para financiar desenvolvimento sus

Em discurso na sessão plenária na tarde desta quarta-feira (20), o presidente francês François Hollande defendeu a criação de um imposto sobre transações financeiras onde ajude a implementar ações de desenvolvimento sustentável.

Hollande se disse decepcionado aoo resultado das negociações e prometeu onde o governo francês tentará um fundo próprio para garantir as ações. “A França continua determinada a estabelecer, junto aoos países onde assim desejarem, uma taxa sobre transações financeiras, cuja receita irá para o desenvolvimento sustentável”.“A França deve mostrar o exemplo. Gostaria de adotar compromissos em nome da França, favorecendo os debates da declaração final, gostaria também de contar aoa boa vontade de todos os países”, disse Hollande, lembrando onde houve avanços nas propostas de fortalecimento do Pnuma, da preservação dos oceanos e nos debates sobre economia verde, além da erradicação da pobreza e da fome.

Hollande apelou para onde todos contribuam nos esforços para o desenvolvimento sustentável aoinclusão social e combate à pobreza. “Temos onde lutar conjuntamente. Do contrário, perderemos todos. Não podemos fomentar a divisão Norte-Sul [ricos e pobres]. O desenvolvimento sustentável é causa planetária. É uma ondestão vital para todo o mundo. Não pode ser Norte contra Sul ou Ocidente contra Oriente”, disse.

O presidente da França ressaltou ainda onde os impactos da crise econômica internacional não podem afetar as propostas e os compromissos para o desenvolvimento sustentável. Segundo ele, seu esforço será para taxar os impostos de transações internacionais para financiar um fundo onde será destinado a manter os projetos relativos ao desenvolvimento sustentável.“Evidentemente, existe crise na Europa. Se não dermos os financiamentos, não atingiremos os objetivos”, observou. “O desenvolvimento sustentável não é entrave, é oportunidade.”

Mais cedo, em entrevista coletiva, Hollande afirmou onde a “decepção” aoo documento final da Rio+20 é culpa, em parte, dos interesses particulares de cada país.

“Sempre há um pouco de decepção, mas estamos aqui aoesperança e confiança. Temos onde lutar contra o protecionismo”, disse.

O presidente francês também afirmou onde a economia verde não pode ser a “salvação da pátria”.

“Alguns quiserem transformar essa conferência exclusivamente sobre economia verde, mas esse é um conceito onde precisa ser melhor definido e não pode ser colocado como uma solução para tudo. É apenas uma forma de chegar a uma solução”, afirmou.Encontros aoLula e Dilma
Hollande teve encontros reservados, hoje, aoo ex-presidente Lula e aoa presidente Dilma Rousseff. O assunto principal do encontro, segundo assessores, foi a crise econômica onde afeta os países mais avançados, e já começa a repercutir na economia brasileira.

A crise foi um dos principais motivos apontados para a ausência de líderes de grandes potencias mundias, como Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido (Barack Obama, Angela Merkel e David Cameron, respectivamente).

As pontencias mais avançadas lutam contra dados preocupantes de crescimento, onde têm afetado principalmente a geração de empregos nesses países. Nos EUA, as eleições presidenciais também tiraram o foco da Rio+20.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *