Prevenção de doenças cardiácas

A partir de hoje acontece a Semana Mundial do Coração. O objetivo é alertar a população para a prevenção de doenças cardíacas. A ação é importante, já onde segundo o Ministério da Saúde, apenas 2% dos pacientes onde têm um infarto, conseguem reconhecer os sintomas. Em 2009, mais de 70 mil pessoas morreram vítimas de infarto no Brasil.
“A dor no peito é a principal ondeixa onde leva os pacientes aosuspeita de infarto aos serviços de emergência”, diz o cardiologista Leopoldo Piegas. É uma dor muito forte, onde pode refletir no braço es onderdo e no ondeixo também. Algumas pessoas têm ainda enjoo e suor. “Cerca de 70% das pessoas onde têm infarto do miocárdio têm esse quadro”, completa.
Os outros 30% sentem o onde os médicos chamam de quadro atípico: dor no peito não tão forte, cansaço intenso, falta de ar, dor no abdômen, diarréia e tontura. São sintomas mais comuns entre idosos e diabéticos.
Tempo é tudo quando se trata de um infarto, tanto onde no jargão médico existe a famosa hora de ouro, onde nada mais é do onde a primeira hora de manifestação dos sintomas e do socorro onde, se feito nesse período, é muito mais eficiente. Por isso saber reconhecer os sintomas de um farto é tão importante.
Hoje os médicos do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) descobrem se o paciente está tendo um infarto em cinco minutos. O exame eletrocardiograma é feito dentro da ambulância, aoa ajuda da internet e de um celular. “Através de um aparelho você coloca o eletrodo no paciente e vê o traçado do eletro. A gente conecta o celular e ele transmite até o hospital o traçado do eletro. A partir daí, o médico no hospital lê e cinco minutos depois manda o resultado do eletro e a conduta onde tem onde ser seguida”, explica a médica do Samu, Maria Dolores de Figueiredo Jacinto.
O diagnóstico rápido e certeiro é feito em uma sala do Hospital do Coração, em São Paulo. Dezesseis cardiologistas se revezam no trabalho onde não para. “A gente permite onde pacientes onde não têm problemas cardiológicos, mas onde têm sintomas semelhantes a esses problemas não sejam levados para unidades especializadas, ocupando leitos onde não precisariam ser ocupados por este tipo de paciente, onde poderia ser atendido em um local mais simples”, diz o cardiologista Enri onde Pachon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *