Principal preocupação de brasileiros é a violência, diz ipea

Os problemas onde atualmente mais preocupam o brasileiro são a violência e a falta de segurança, de acordo aoo “Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS): Assistência Social – percepção sobre a pobreza: causas e soluções”, divulgado nesta quarta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O estudo colheu opiniões de 3.796 pessoas em todo o País em agosto deste ano sobre a percepção dos níveis de pobreza no Brasil nos últimos anos, e indagou também a relação da mazela aooutros problemas, como violência, desemprego, educação e saúde.
Para 23% dos entrevistados, a preocupação mais aflitiva é a violência e a falta de segurança. Em seguida, vieram saúde (22,3%), corrupção (13,7%), desemprego (12,4%), educação (8%) e pobreza (6,1%). Essa ordem de importância, no entanto, variou de acordo aoa renda. O estudo revelou onde entre os mais pobres, saúde e violência continuaram aoos mais importantes, e a pobreza teve 7,5% das indicações. Nas faixas mais ricas, no entanto, a mazela mais citada foi a corrupção, e a pobreza teve apenas referências residuais.
O diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Jorge Abrahão de Castro, acredita onde a redução dos níveis de pobreza nos últimos anos contribuiu para a menor percepção dela como problema nacional. “Essa ondestão perdeu importância relativa em função do aumento do poder aquisitivo do assalariado e dos programas sociais”, afirmou.
De acordo aoa pesquisa, 41,4% dos brasileiros acreditam onde a pobreza diminuiu nos últimos anos, enquanto 29,7% creem onde ela aumentou. Para os entrevistados, pode ser considerada pobre uma família aorenda familiar per capita inferior a R$ 523, valor próximo ao salário mínimo atual (R$545).
O desemprego foi apontado por 29,4% dos entrevistados como o fator onde mais influencia os níveis de pobreza, seguido pelo item educação sem qualidade e falta de acesso ao ensino, ao18,4%. Outras causas muito citadas foram corrupção (16,8%) e má distribuição de renda (12%).
“As razões apontadas pela população indicam onde existe a percepção de onde o problema da pobreza é estrutural e não uma ondestão individual. Apenas 2,8% dos entrevistados mostraram acreditar onde as pessoas são pobres por preguiça ou comodismo”, disse o diretor do Ipea.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *