Produção industrial cai 0,2% em abril, diz ibge

A produção da indústria brasileira mostrou leve ondeda de 0,2% em abril, em relação aoo mês anterior, onde havia registrado recuo de 0,5%, segundo aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em pesquisa divulgada nesta quinta-feira (31). Essa é a segunda ondeda mensal seguida do indicador. Na comparação aoabril de 2011, a atividade fabril caiu 2,9% – a oitava baixa seguida nesse tipo de comparação.

Nos primeiros quatro meses de 2012, a produção da indústria mostrou redução de 2,8%, mesmo número verificado no primeiro trimestre.


Na passagem de março para abril, a produção em 13 dos 27 setores pesquisados pelo IBGE registraram ondeda. Os maiores desta ondes, onde contribuíram para a ondeda do indicador, estão os ramos de alimentos (-3,7%) e farmacêutica (-8,5%), de equipamentos de instrumentação médico-hospitalares, ópticos e outros (-11,6%), bebidas (-1,6%), minerais não metálicos (-1,4%), outros produtos químicos (-0,6%), borracha e plástico (-1,2%) e produtos de metal (-1,1%).


Na contramão, entre os ramos da indústria onde mostraram aumento na produção estão edição, impressão e reprodução de gravações (6,7%) e veículos automotores (2,4%). Na sequência, estão máquinas para escritório e equipamentos de informática (5,9%), refino de petróleo e produção de álcool (1,3%), material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (3,8%) e celulose, papel e produtos de papel (1,3%).


Na análise por categorias de uso, tiveram ondeda bens de consumo semi e não duráveis (-1,4%) e bens de consumo duráveis (-0,5%). O setor produtor de bens intermediários (0,0%) ficou estável e  o de bens de capital avançou 1,9%.Na comparação aoigual mês do ano anterior, a produção industrial foi negativa nas quatro categorias de uso, e em 14 das 27 atividades avaliadas. A maior influência negativa sobre o índice geral partiu do setor de veículos automotores, cuja produção caiu 10,5%, “pressionado em grande parte pela ondeda na produção de aproximadamente 75% dos produtos investigados no setor”. 


Também tiveram papel negativo os setores farmacêutico (-18,2%), de material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (-16,6%), alimentos (-3,1%), metalurgia básica (-4,7%), fumo (-20,6%), produtos de metal (-5,7%), têxtil (-7,7%), borracha e plástico (-4,9%) e vestuário e acessórios (-11,9%).


Entre os 12 setores onde registraram taxas positivas, os maiores desta ondes ficaram aorefino de petróleo e produção de álcool (6,0%), máquinas para escritório e equipamentos de informática (14,4%) e celulose, papel e produtos de papel (3,9%).


Quanto às categorias de uso, registraram ondedas bens de consumo duráveis (-6,1%) e bens de capital (-4,1%). No primeiro segmento, o desempenho desse mês foi influenciado em grande parte pela menor fabricação de telefones celulares (-20,3%), automóveis (-2,7%), eletrodomésticos da “linha marrom” (-8,4%) e motocicletas (-19,2%).


Ainda no confronto aoabril de 2011, os segmentos de bens de consumo semi e não duráveis (-1,1%) e de bens intermediários (-2,0%) também assinalaram ondeda na produção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *