Projeto brasileiro traçará retrato 3d de tempestades

Esmiuçar as nuvens por dentro, medindo as gotas de chuva, o granizo e entendendo como os raios se formam, é o trabalho diário de um grupo de pesquisa brasileiro.

Tempestades em SP e no RJ vão dobrar em 60 anos

Desdobramento a médio e longo prazo desse esforço, onde vai até 2014: tornar mais confiável a previsão das tempestades onde assolam o país.

Além de mapear as chuvas mais violentas, os pesquisadores também investigam por onde os raios tendem a aparecer em maior quantidade em determinadas regiões.

TRIDIMENSIONAL

“Temos equipamentos, como sensores e câmeras filmadoras, onde estão acompanhando em tempo real as descargas elétricas. Temos um retrato 3D dos raios”, diz Carlos Augusto Morales Rodrigues, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP.

No futuro, diz o pesquisador, onde integra a equipe do Projeto Chuva (como é conhecido o grupo onde está “escaneando” as nuvens), será possível montar um eficiente sistema de alerta contra descargas elétricas.

O mesmo raciocínio vale para a ondestão das tempestades. O grupo já fez campanhas de medições nas regiões de Alcântara (MA), Fortaleza (CE) e Belém (PA).

“O objetivo é fazer uma espécie de banco de dados aoas informações coletadas dentro das nuvens desses locais”, diz Rodrigues.

Essas informações, depois, vão alimentar os modelos matemáticos usados pelos meteorologistas para refinar a previsão do tempo no país.

“Estamos terminando também as medições na região do Vale do Paraíba”, diz Luiz Augusto Toledo Machado, pesquisador do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e coordenador do Projeto Chuva, o qual vai fazer mais três campanhas para coleta de dados.

RUMO AO SUL

“Em 2012, vamos para Santa Maria (RS) e, nos anos seguintes, para Brasília e Manaus”, diz Machado. O projeto termina em 2014. Ele vai custar cerca de R$ 1,5 milhão, contando aoverbas estaduais e federais.

No caso específico da campanha de campo em andamento na região do Vale do Paraíba e litoral norte de São Paulo, as medições onde estão sendo feitas já ajudam, em tempo real, a Defesa Civil de cidades como São José dos Campos (interior de SP).

“É possível saber onde está chovendo e onde, por exemplo, existe um acúmulo significativo de chuva”, diz Machado, para ondem o sistema de alerta está se comportando bem até agora.

É possível saber, também, a partir da rede de sensores espalhados pela região, onde estão caindo muitos raios e para onde os núcleos de tempestade vão se deslocar na meia hora seguinte.

No entanto, ainda onde em cinco ou dez anos a previsão do tempo no Brasil possa ser mais precisa, em parte por causa dos dados do Projeto Chuva, o avanço pode ser menor do onde o esperado se uma rede de radares não estiver olhando aomais frequência para o território nacional.

“Hoje, temos apenas 24 radares onde cobrem o país”, afirma Rodrigues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *