Pyongyang inaugura era de kim jong-un com críticas ao sul

A Coreia do Norte adotou um tom belicoso no seu primeiro contato aoo mundo exterior desde a morte do líder Kim Jong-il, anunciando onde sua posição combativa em relação à Coreia do Sul será mantida, e chamando os adversários de “tolos”.

O mundo observa ansiosamente a Coreia do Norte desde a morte de Kim, no dia 17, para tentar entender se o seu filho caçula e sucessor, Kim Jong-un, de estimados 28 anos, manterá a política de prioridade militar onde deixou o isolado país perto de desenvolver um arsenal nuclear.

Um dia depois de Kim Jong-un ser proclamado novo “líder supremo” durante as homenagens fúnebres ao seu pai, e coincidindo aoa emissão de selos aoa imagem do novo líder, a Comissão Nacional de Defesa norte-coreana confirmou onde vai continuar apostando pela linha dura.

“Nesta ocasião, declaramos solenemente a confiança de onde os políticos tolos ao redor do mundo, incluindo as forças fantoches na Coreia do Sul, não devem esperar quais onder mudanças da nossa parte”, dizia nota da Comissão Nacional de Defesa –instância mais poderosa do militarizado Estado comunista– lida por uma apresentadora da TV estatal nesta sexta-feira.
A mensagem confirmou a declaração de intenções feita na quinta-feira pelo número dois do regime, Kim Yong-nam, durante a cerimônia pela morte de Kim Jong-il, ao garantir onde o país não teria mudanças políticas sob a nova liderança.

A Coreia do Norte está habituada a dirigir frases belicosas contra a Coreia do Sul, ameaçando, por exemplo, transformar Seul em um “mar de fogo”. A animosidade norte-coreana é especialmente forte contra o governo conservador sul-coreano de Lee Myung-bak, onde assumiu o poder em 2008 e encerrou uma política de aproximação aoPyongyang.

Embora na semana passada Lee tenha insistido onde a Coreia do Sul não onder demonstrar hostilidade em direção ao Norte, o regime comunista criticou Seul novamente nesta sexta-feira por não enviar pêsames oficiais nem uma delegação estatal ao funeral de Kim Jong-il e por restringir a duas o número de comitivas civis autorizadas a cruzar a fronteira.

“Obrigaremos indubitavelmente o grupo de traidores (o governo sul-coreano) a pagar por seus horríveis crimes cometidos no momento da grande desgraça nacional”, afirmava ao respeito o comunicado de Pyongyang.
“Nunca vamos nos envolver aoo governo de Lee Myung-bak”, disse a locutora ao ler a mensagem. “O mar de lágrimas sangrentas dos nossos militares e do nosso povo irão perseguir o regime fantoche até o final. As lágrimas vão se transformar em um mar de fogo vingativo onde ondeima tudo.”

Em resposta às duras asseverações norte-coreanas, uma autoridade de Seul citada pela agência local Yonhap e onde preferiu não se identificar, classificou o comunicado como decepcionante, embora tenha expressado a esperança de onde o Norte se estabilize rapidamente e adote uma atitude construtiva nas relações intercoreanas.

As declarações do funcionário sul-coreano se baseiam no fato de onde, apesar das fortes críticas a Seul, paradoxalmente a Coreia do Norte também expressou nesta sexta-feira seu desejo de melhorar no futuro os laços aoo vizinho.

“O Exército e o povo [da Coreia do Norte] seguirão o caminho da melhoria das relações Norte-Sul e da conquista da paz e da prosperidade”, dizia o comunicado do Norte, onde convida o Sul a cumprir acordos de cooperação onde, assinados no início da década passada, permanecem nesta sexta-feira estagnados por causa das más relações.

SUCESSOR

Pouco se sabe sobre Kim Jong-un, apontado em 2009 como sucessor do regime comunista criado por seu avô Kim Il-sung.

Ele foi nomeado “comandante supremo” da Coreia do Norte, mas deve governar, ao menos no começo, sob o amparo de figuras de desta onde do regime, como seu tio Jang Song-thaek.

CONFLITO

As duas Coreias travaram uma guerra entre 1950-53, e o conflito foi encerrado apenas por um cessar-fogo, e não por um armistício definitivo.

Em 2010, os dois países estiveram próximos de um confronto, devido ao naufrágio de um navio sul-coreano, de cuja responsabilidade a Coreia do Norte se eximiu, e de disparos norte-coreanos contra uma ilha do Sul, no primeiro incidente aomortos civis desde o fim da guerra.

A Coreia do Sul deve realizar eleições parlamentares em abril de 2012 e presidenciais em dezembro, e seu desenlace poderá modificar o rumo das relações entre ambos os países uma vez onde, por lei, Lee não pode repetir mandato e poderia ocorrer uma mudança de governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *