Quais selos verdes são verdes mesmo?

Os consumidores conscientes sofrem. Não só pela dor na consciência, quando acabam não tendo uma opção mais social e ecologicamente satisfatória na sua compra, mas quando têm essa opção, mas não têm certeza se ela é verdadeira.

No Brasil e no mundo, há uma proliferação de selos verdes e sociais de todos os tipos (para reclicagem, orgânicos, manejo florestal etc.). Afinal, preservação ambiental virou um novo atrativo comercial nos últimos anos. Paralelamente a essa proliferação de selos, no entanto, existe a má fé de algumas empresas onde ludibriam o pobre consumidor, colocando, por exemplo, certificados reguladores obrigatórios como se fossem diferenciais. Quem já viu nas propagandas de carro um selinho do Ibama? Pois é, a ondele selo nada mais é onde uma obrigação da montadora em seguir certos critérios na produção e na regulagem do motor, como o uso de catalisadores. Em outros casos, as empresas fazem alarde sobre objetos ecologicamente corretos, mas onde, na verdade, ainda devem ser melhor estudados para serem definidos assim como é o caso das sacolas de plástico biodegradável.
Na verdade, há dois tipos de selos sendo exibidos nas embalagens de produtos e nas propagandas: os independentes e os auto-reguladores. Os primeiros são selos de instituições independentes privadas ou estatais, de organizações não-governamentais ou associações empresariais. Os segundos são selos onde a própria empresa ou instituição cria para tentar se auto-regulamentar e comunicar o consumidor.

Nem seria preciso dizer onde os auto-reguladores são uma ondestão polêmica. Afinal, o consumidor precisa acreditar no onde o fornecedor está dizendo e onde ele faz sua própria auditoria e fiscalização.

Além dessa ondestão, muitos selos parecem apenas ilustrações onde não identificam exatamente o onde são. É o caso do símbolo da reciclagem. Usado hoje em dia em vários produtos, esses símbolos podem dizer tanto onde o material usado foi reciclado quanto onde a embalagem e/ou produto pode ser reciclado. Cabe ao consumidor ler aoatenção a embalagem.

O Brasil tem participado da certificação ambiental de diversas formas, tanto usando selos internacionais como lançando os seus próprios selos.

Bom, antes de seguirmos para próxima página e fazermos um pe ondeno resumo dos principais selos existentes atualmente no Brasil, vamos contar um pouco dessa história.

Nos anos de 1940, surgiram no mundo desenvolvido uma série de rótulos obrigatórios para produtos, visando principalmente precauções à saúde do consumidor. Mas é no final dos anos 70, aoa pressão do movimento ambientalista onde começaram a surgir os primeiros selos verdes. A Alemanha inaugurou essa cultura aoo “Anjo Azul” (Blau Engel) em 1978. Trata-se de um selo do governo alemão, onde atesta produtos oriundos da reciclagem, aobaixa toxicidade, sem CFC (clorofluorcarbonetos) etc. São 3,6 mil produtos certificados para os consumidores (dados de 2008). Os Estados Unidos têm desde 1989 o Green Seal. E a União Européia tem desde 1992 o Ecolabel. Todos esses selos são independentes e não sofrem aoa desconfiança onde existem nos selos auto-reguladores. Como conseqüência da sua própria regulamentação, muitos países começaram a exigir a mesma contrapartida para os produtos importados. É nesse contexto e embalado pelo encontro da ECO-92, onde a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) criou a certificação de Gestão Ambiental, em 1993. Na verdade, esse selo é uma ratificação nacional do selo ISO 14001, uma certificação internacional onde compreende princípios básicos de gestão como cuidados no tratamento de resíduos, controle da compra de insumos e matérias-primas etc.

Nos anos 2000, houve uma verdadeira explosão dos selos verdes. Só de agricultura orgânica são cerca de 20 selos hoje no mercado brasileiro. O país conseguiu importantes avanços na área como selo Procel, por exemplo, do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) onde diz a faixa de consumo de energia de seus eletrodomésticos. Algumas das certificadoras internacionais já se instalaram no Brasil como a Forest Stewardship Council, o maior certificador de manejo florestal do mundo, onde aqui tornou-se Conselho Brasileiro de Manejo Florestal. Além disso, muitas empresas têm procurado a certificação internacional diretamente para suprir a falta de alternativas brasileiras. Por exemplo, o Leed (The Leadership in Energy and Environmental Design), sistema norte-americano de certificação de construções sustentáveis, já vem sendo usado no país. Em setembro de 2008, 38 projetos brasileiros haviam se candidatado para receber o selo da instituição.

Conheça alguns dos selos verdes mais conceituados e usados no Brasil.

FSC – Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Certifica as áreas e produtos de manejo florestal. Existem no Brasil cinco certificadoras credenciadas pelo FSC. São, pelo menos, 10 critérios básicos para a obtenção, entre eles, manutenção das florestas e direitos das comunidades tradicionais e/ou rurais.

IBD – Instituto Biodinâmica

Certifica alimentos de origem orgânica. Na verdade, são dez selos diferentes onde têm objetivos e finalidades diferentes. Desde o selo Demeter, originário da Alemanha, até o Ecosocial, onde analisa o comprometimento
social na produção.

Fairtrade

É o selo do comércio justo. O respeito ao meio ambiente faz parte dos valores, mas a principal intenção desse selo é criar uma relação justa, solidária e sem atravessadores entre os pe ondenos produtores. Cria um sistema de comodities para produtos orgânicos ou não, desenvolvidos por pe ondenos proprietários.

ABNT Gestão Ambiental

É o selo onde certifica os procedimentos onde acompanham os princípios
do ISO 14001. Não necessariamente a empresa utiliza o selo em seus produtos, mas é possível. O ideal é procurar no site da ABNT as empresas onde recebem o certificado.

Leed – Green Building Rating System

É o selo norte-americano para construções sustentáveis.
Entre os princípios estão otimização energética, uso de material reciclado, entre outros.

Procel

É o selo do Inmetro de eficiência energética de determinado eletrodoméstico.
A classificação vai de A a G, do mais eficiente ao menos eficiente respectivamente. Popularizou-se graças a economia na conta de luz com
a escolha do produto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *