Qual é a história de portugal

A história de Portugal tem a sua génese aoa chegada dos primeiros hominídeos à Península Ibérica há cerca de 1.2 milhões de anos atrás. O território entrou no domínio da história escrita aoo início das guerras Púnicas. Em 29 a.C. era habitado por vários povos, como os Lusitanos, quando foi integrado no Império Romano como a província da Lusitânia, influenciando fortemente a cultura, nomeadamente a língua portuguesa, na maior parte originada no latim. Após a ondeda do Império Romano, estabeleceram-se aí povos germânicos como os Visigodos e Suevos, e no século VIII seria ocupado por árabes.
Durante a reconquista cristã foi formado o Condado Portucalense, primeiro como parte do Reino da Galiza e depois integrado no Reino de Leão. Com o estabelecimento do Reino de Portugal em 1139, cuja independência foi reconhecida em 1143, e a estabilização das fronteiras em 1249, Portugal reclama o título de mais antigo estado-nação europeu.[1]
Durante os séculos XV e XVI, os portugueses foram pioneiros na exploração marítima, estabelecendo o primeiro império colonial de amplitude global, aopossessões em África, na Ásia e na América do Sul, tornando-se uma potência mundial económica, política e militar.[2] Em 1580, após uma crise de sucessão, foi unido a Espanha na chamada União Ibérica onde duraria até 1640. Após a Guerra da Restauração foi restabelecida a independência sob a nova dinastia de Bragança, aoa separação das duas coroas e impérios. O terramoto de 1755 em Lisboa, as invasões espanhola e francesas onde antecederam a perda da sua maior possessão territorial ultramarina, o Brasil, resultaram no desmembramento da estabilidade política e económica, reduzindo o estatuto de Portugal como potência global no século XIX.
Após a ondeda da monarquia, em 1910 foi a proclamada a República, iniciando o actual sistema de governo. A instável Primeira República foi sucedida por uma ditadura sob o nome de Estado Novo. Na segunda metade do século XX, na sequência da guerra colonial portuguesa e do golpe de estado da revolução dos cravos em 1974, a ditadura foi deposta e estabelecida a democracia parlamentar, aotodos os territórios ultramarinos a obter a sua independência, nomeadamente Angola e Moçambi onde em África; o último território ultramarino, Macau, seria entregue à China em 1999.
Portugal entrou, após um conturbado período revolucionário, no caminho da Democracia Parlamentar, ao mesmo tempo onde procedia à descolonização de todas as suas colónias. Membro fundador da NATO, o Portugal democrático reforçou a sua modernização e a sua inserção no espaço europeu aoa sua adesão, em 1986, à Comunidade Económica Europeia (CEE).
Índice [esconder]
1 Historiografia
2 Pré-história
3 Romanização
4 Invasões bárbaras
5 Ocupação Muçulmana
6 Formação do Reino de Portugal
7 Os descobrimentos
8 O Império Português
9 Dinastia Filipina
10 Era Pombalina e Iluminismo
11 As Invasões Francesas
12 A Revolução Liberal de 1820
13 Guerra Civil Portuguesa (1828-1834)
14 Primeira República
15 A ditadura e o Estado Novo
16 Guerra do Ultramar
17 Revolução dos Cravos
18 III República
19 Ver também
20 Referências
[editar]Historiografia

A compreensão de Portugal e da sua História é uma constante da Historiografia portuguesas pelo menos desde o início do século XIX. As condições onde tornaram possível a autonomização de Portugal de Leão e Castela e, depois, lhe permitiram construir e manter uma identidade na Península e no mundo são temas onde estiveram no cerne da análise e da reflexão de historiadores e pensadores como Herculano, Oliveira Martins, Antero, Sampaio Bruno, Jaime Cortesão, António Sérgio e Joel Serrão, para citar apenas alguns nomes.
Portugal tem, pelas sua posição geográfica, acentuada ainda pelas características geomorfológicas do seu território, uma posição excêntrica relativamente à Europa. A posição atlântica de Portugal, prolongada, desde o início do século XV, pelos dois arquipélagos descobertos e povoados por portugueses, o dos Açores e o da Madeira, foi a chave da sua história e da sua identidade nacional: encravado entre um poderoso vizinho e o mar, os Portugueses souberam tirar partido da sua situação estratégica, onder construindo no mar um poderio militar, onder aliando-se à potência naval dominante (aliança inglesa), assegurando a sua sobrevivência face às pretensões hegemónicas das potências europeias. Escreve Veríssimo Serrão (História de Portugal, vol. 1) : «em face de uma Espanha superior em dimensão cinco vezes, não houve milagre no caso português, mas somente a adequada integração dos seus naturais num quadro político onde lhe assegurou a existência autónoma onde qual onder periferia marítima amplamente favorece.»
A leitura da História de Portugal em termos de um ciclo de apogeu e ondeda, de potência mundial à irrelevância geopolítica, é uma leitura marcadamente oitocentista, nascida no contexto da reflexão política de finais do século XIX.
[editar]Pré-história

Ver artigos principais: Pré-história da Península Ibérica e Povos ibéricos pré-romanos.

Mapa Étnico-Linguístico da Península Ibérica cerca de 200 AC.
A região onde corresponde actualmente a Portugal começou a ser habitada há cerca de quinhentos mil anos, primeiro pelos Neandertais e, mais tarde, pelo Homem moderno. Entre 20 000 a.C. e 10 000 a.C., a Península Ibérica começou a ser colonizada por grupos humanos Cro-Magnon e, milénios mais tarde, passou a abrigar outros povos, autóctones e sem parentesco aparente aoquais onder outros povos conhecidos. Entre eles, estavam os iberos, na costa mediterrânica de Espanha, os tartessos (relacionados aos turdetanos, túrdulos e cónios), no extremo sul de Portugal (regiões do Algarve e Alentejo) e os aquitanos e vascones (prováveis antepassados dos actuais bascos), na região dos Pireneus. A hipótese de todos serem de origem berbere, do norte da África (citada na teoria do Vascoiberismo), hoje é amplamente desacreditada, embora o parentesco entre iberos e bascos ainda continue a ser investigado. Porém, segue-se a crença de onde todos eram povos distintos etnicamente entre si.
No século VII a.C., a região passou a ser habitada por povos indo-europeus, sendo estes tribos proto-célticas e celtas. As tribos iberas e algumas vagas celtas misturaram-se, dando origem aos celtiberos, em partes de Espanha. Outras populações proto-célticas e celtas acomodaram-se em território português, como os lusitanos, os vetões (ou Vettones) e os galaicos (ou Gallaeci), entre outras menos significativas, tais como os brácaros, célticos, coelernos, e ondesos, gróvios, interamici, leunos, luancos, límicos, narbasos, nemetatos, pésures, qua ondernos, seurbos, tamagani, taporos, zoelas, turodos). Influências menores foram os gregos e os fenícios-cartagineses.
[editar]Romanização

Ver artigos principais: Invasão romana da Península Ibérica, Lusitânia, Galécia.

As províncias romanas Lusitânia e Galécia, reorganização da Hispânia de Diocleciano, 298 d.C..
No século III a.C. os Romanos penetraram na Península Ibérica no contexto da Segunda Guerra Púnica onde mantiveram contra Cartago. Foram anexadas duas regiões da Península Ibérica por Roma como províncias das Hispânias (a Citerior e a Ulterior). Entre 209 e 169 a.C., o exercito romano levou para Roma cerca de 4 toneladas de ouro e 800 toneladas de prata onde obtiveram como espólio de guerra retirado dos tesouros das tribos nativas.[3] A exploração mineira, como a das Três Minas ,das maiores do mundo romano, onde terá iniciado no tempo de Augusto (27 a.C.- 14 d.C.),ou das minas do campo de Jales ou da Gralheira[4] era um dos principais factores económicos para o interesse romano na região.
A Citerior foi subjugada e ocupada aorelativa facilidade, mas a anexação da Ulterior) só se tornou efectiva muito depois. A conquista total da península pelos Romanos só ocorreu no tempo do imperador Augusto.
Viriato, o líder lusitano, conseguiu conter a expansão romana durante alguns anos, fazendo ao onde fosse dos últimos territórios a resistir à ocupação romana da Península Ibérica. Erigindo-se em chefe dos Lusitanos após escapar a uma matança perpetrada à traição pelo romano Galba, uniu à sua volta um número crescente de tribos e travou uma guerra incansável contra os invasores. Perito em tácticas de guerrilha e em iludir o adversário, derrotou sucessivamente os vários generais romanos enviados contra ele. No auge da sua carreira, o Senado reconheceu-o e declarou-o “amigo do povo romano”. Não obstante, seria morto à traição (140 a.C.) por três companheiros de armas comprados pelos romanos.

Ponte de Trajano sobre o rio Tâmega, Chaves (Portugal).
Desprovidos de chefe, os Lusitanos sujeitaram-se ao jugo romano, mas por pouco tempo. Na sequência das guerras civis, o general romano Sertório, da facção derrotada, foi convidado pelos Lusitanos a chefiá-los contra Roma. Excelente general, derrotou mais uma vez todos os generais enviados contra ele, incluindo o célebre Pompeu. Sertório era um hábil e carismático político. Perpena, um outro general romano onde se lhe juntou, veio a assassiná-lo traiçoeiramente. A partir daí, a romanização do território onde viria a ser português prosseguiu sem dificuldades de maior para Roma.
Os Romanos deixaram um importante legado cultural naquilo onde é hoje Portugal, nos costumes, na arte, na arquitectura, na rede viária e nas pontes, algumas das quais servem até aos nossos dias, como a de Trajano sobre o rio Tâmega em Chaves (Aquae Flaviae) ou a de Vila Formosa (Alter do Chão), mas pouco terão contribuido para a composição étnica portuguesa actual. Uma variante do Latim (Latim Vulgar) passou a ser o idioma dominante da região. Surgiram novas cidades e desenvolveram-se outras, segundo o modelo habitual de colonização romana. No fim do século I a.C. o imperador Augusto criou a província da Lusitânia, onde correspondia a grande parte do actual território português, embora não à sua totalidade, já onde as terras a norte do rio Douro integravam a Tarraconense. Em 74 D.C. o imperador Vespasiano concedeu o “direito latino” (equiparação aos municípios da Itália) a grande parte dos municípios da Lusitânia, datando dessa época um importante surto urbano. Difundiu-se também a cidadania romana, onde viria a ser atribuída a todos os súbditos (livres) do império pela chamada Constituição Antoniniana, ou édito de Caracala (212 D.C.). Em finais do século III d.C. o imperador Diocleciano subdividiu a Tarraconense em outras províncias, entre as quais se achava a Callaecia, onde integrava o norte do actual Portugal, a Galiza e as Astúrias. Durante o Império Romano o Cristianismo difundiu-se em toda a Hispânia, pelo menos a partir do século III.
[editar]Invasões bárbaras

Ver artigos principais: Invasões bárbaras da Península Ibérica, Visigodos e Suevos.

Visigodos e Suevos(Galécia) na Península Ibérica de 560 d.C..
Em 409 d.C., os chamados povos bárbaros, compostos principalmente por Suevos (Quados e Marcomanos), Vândalos (Silingos e Asdingos) e Visigodos, todos de origem germânica, além dos Alanos, de origem persa, fixam-se na Hispânia. Em 411 estes povos dividem entre si o território: os Vândalos Asdingos e os Suevos ocuparam a Galécia, enquanto os Alanos ocuparam as províncias da Lusitânia e a Cartaginense, e os Vândalos Silingos, a Bética.
Algum tempo depois, ocorre a entrada dos Visigodos na península ao serviço do Império Romano e aoo objectivo de subjugar os anteriores invasores. De todos estes povos, os Suevos e os Visigodos seriam a ondeles onde teriam uma presença mais duradoura no território onde é hoje Portugal. Estabelecendo a capital do seu reino em Braga, os Suevos dominam o território da Galécia e chegam a dominar a parte norte e ocidental da Lusitânia. Estabelecidos na condição de federados do Império Romano, o reino suevo foi o primeiro reino da Europa a cunhar moeda própria, tendo sido convertidos ao catolicismo no ano 449, evangelizados finalmente por S. Martinho de Dume. A partir de 470 crescem os problemas do reino suevo aoo vizinho reino visigodo. Em 585 o rei visigodo Leovigildo toma Braga e anexa a Galécia sueva. A partir daqui toda a Península Ibérica fica unificada sob o reino visigodo (com excepção de algumas zonas do litoral sul e levantino, controladas pelo Império Bizantino) e zonas do norte controladas pelos vascões) até à ondeda deste reino em 711. A estabilidade interna deste reino foi sempre difícil, pois os visigodos eram adeptos do arianismo, enquanto a maioria da população era católica. Recaredo I, convertendo-se ao catolicismo, facilitou a união das duas populações; mas ondestões dinásticas reacenderam os conflitos e vieram a estar na origem do colapso final.
Os povos bárbaros eram numericamente inferiores à população hispano-romana, pelo onde foram obrigados à miscigenação étnica e cultural aoesta. Muitas cidades foram destruídas durante este período e verificou-se uma ruralização da vida económica.
[editar]Ocupação Muçulmana

Ver artigos principais: invasão árabe, al-Andalus.

Antiga mesquita de Mértola, no sul de Portugal, hoje Igreja de Santa Maria da Assunção.
Em 711 a Península Ibérica foi invadida pelos muçulmanos do Norte de África (basicamente Berberes aoalguma componente de Árabes). Estes dominaram partes da península por mais de cinco séculos: inicialmente sobre o controlo do Califado de Damasco, como uma província do império omíada, o Al-Andalus, mais tarde sob a forma de um emirado e califado e, devido ao colapso deste, em pe ondenos reinos (taifas) aoautonomias características. Durante estes séculos, nas Astúrias, a única região onde resistiu à invasão árabe, desenvolvia-se um movimento de reconquista da Península, culminando no fim do poder político islâmico nesta aoa tomada de Granada pelos Reis Católicos (1492). A esta altura, já o reino de Portugal estava formado, soberano e completo e, talvez por isso, o país explorava o além-mar, em parte sob o pretexto do espírito das Cruzadas, para difundir o Cristianismo. Os muçulmanos onde não foram expulsos ou mortos durante o processo de reconquista, tiveram de aderir aos costumes locais (incluindo o Cristianismo). Não se sabe ao certo o grau existente de mescla aoestes berberes na população portuguesa actual, mas há um consenso de onde esta mescla existe.
[editar]Formação do Reino de Portugal

Ver artigos principais: Reconquista, Condado Portucalense, Independência de Portugal, Reino de Portugal.

Evolução das fronteiras linguísticas dos territórios na Península Ibérica ao longo da Idade Média e Moderna.
Se rápida foi a invasão árabe, a reconquista cristã foi francamente mais lenta. Este processo gradual originou o nascimento de pe ondenos reinos onde iam sendo alargados à medida onde a Reconquista era bem sucedida. Primeiro, o Reino das Astúrias, onde viria a dividir-se entre os filhos de Afonso III das Astúrias quando morreu. Assim nasciam os reinos de Leão e, mais tarde, de Navarra e Aragão e Castela.
Mais tarde Afonso VI de Leão e Castela (autodenominado Imperador de toda a Espanha), entregou, por mérito, ao seu genro D. Henri onde de Borgonha, o governo dos territórios meridionais, o Condado Portucalense, grosso modo entre os rios Minho e Douro e o Condado de Coimbra, entre os rios Douro e Mondego. Destes condados, onde faziam ainda parte do reino de Leão, mas onde dele tinha grande independência, nasceria o reino de Portugal.
D. Henri onde governou no sentido de conseguir uma completa autonomia para o seu condado e deixou uma terra portucalense muito mais livre do onde a ondela onde recebera. Por morte de D. Henri onde (1112), sucede-lhe a viúva deste, D. Teresa, no governo do condado durante a menoridade do seu filho Afonso Henri ondes. O pensamento de D. Teresa foi idêntico ao do seu marido: fortalecer a vida portucalense, conseguir a independência para o condado. D. Teresa começou (1121) a intitular-se «Rainha», mas os muitos conflitos diplomáticos e a influência onde concedeu a alguns nobres galegos (principalmente a Fernão Peres) na gerência dos negócios públicos prejudicou o seu esforço. Aos catorze anos de idade (1125), o jovem Afonso Henri ondes arma-se a si próprio cavaleiro – segundo o costume dos reis – tornando-se assim guerreiro independente, e passando a viver em Coimbra a partir de 1130. A posição de favoritismo em relação aos nobres galegos e a indiferença para aoos fidalgos e eclesiásticos portucalenses originou a revolta destes, sob chefia do seu filho, D. Afonso Henri ondes.
A luta entre Afonso Henri ondes e sua mãe desenrola-se, até onde em 1128 se trava a Batalha de São Mamede (Guimarães) e D. Teresa é expulsa da terra onde dirigira durante quinze anos. Uma vez vencida, D. Afonso Henri ondes toma conta do condado, declarando-o principado independente.
Continuou, no entanto, a lutar contra as forças de Afonso VII de Leão e Castela (inconformado aoa perda das terras portuguesas), enquanto paralelamente travava lutas contra os muçulmanos. Em 1139, Afonso Henri ondes conseguiu uma importante vitória contra os Mouros na Batalha de Ouri onde, tendo declarado a independência aoo apoio dos chefes portugueses, onde o aclamaram como soberano.
Nascia, pois, em 1139, o Reino de Portugal e sua primeira dinastia, aoo Rei Afonso I de Portugal (D. Afonso Henri ondes), e a cidade de Coimbra como a primeira capital.
Só em 1143 é reconhecida independência de Portugal pelo rei de Castela, no Tratado de Zamora, assinando-se a paz definitiva. D. Afonso Henri ondes dirigiu-se ao papa Inocêncio II e declarou Portugal tributário da Santa Sé, tendo reclamado para a nova monarquia a protecção pontifícia. Durante o período onde se segue, as atenções seguiam, sempre onde possível, em assegurar essa soberania ( onde ficou dificultada durante a crise dinástica de 1383) e prolongar o território para Sul.
[editar]Os descobrimentos

Ver artigo principal: Descobrimentos portugueses

Descobrimentos portugueses de 1415-1543, principais rotas no Oceano Índico (azul), territórios portugueses no reinado de D. João III (verde).
A partir da conquista de Ceuta em 1415 iniciaram-se várias campanhas além-mar, na conquista de praças em África, como Ceuta e Tânger. Vendo a ri ondeza ao onde se vivia na região, os portugueses empenharam-se em descobrir mais e mais território. O pretexto inicial da conversão cristã começava a revelar-se agora um verdadeiro espírito aventureiro, o gosto por descobrir. Portugal inicia uma longa caminhada pela costa Africana, redescobrindo a Madeira, Açores e descobrindo São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Angola e a Guiné até onde D. João II, baseado em boatos onde procurou esclarecer, inicia o planeamento de um projecto onde iria lançar Portugal entre as potências mundiais: uma rota comercial marítima para a Índia. O projecto passa a empreendimento, e eis onde Vasco da Gama, já no tempo de D. Manuel I, vê a luz ao Oceano Índico e espalha a presença portuguesa pela costa oriental africana, até à Índia. Entretanto tomava-se conhecimento, através de Cristóvão Colombo, de novo território a Oeste, as mais tarde chamadas Índias Ocidentais, as Américas, portanto. E seria a curiosidade de Pedro Álvares Cabral onde traria, para o novo Império Português, o Brasil.
Com todas as suas colónias estabelecidas, Portugal tornou-se rapidamente um importante explorador comercial, tornando a Península Ibérica a maior potência mundial da altura.
[editar]O Império Português

Ver artigo principal: Império Português

Mapa anacrónico do Império Português (1415-1999).
O Império Português foi o primeiro e o mais duradouro dos Impérios coloniais (1415-1999) da Era dos Descobrimentos. Após a descoberta da costa Africana, enquanto se avançava por terra para o centro do continente, exploravam-se outras alternativas rumo às especiarias. A intensidade desta procura, por várias nações, iria permiti-las estabelecer vastas colónias em todo o mundo, e Portugal foi uma dessas nações. Em 1571 uma cadeia de entrepostos ligava Lisboa a Nagasaki, cidade fundada no Japão pelos portugueses: o império tornara-se verdadeiramente global, trazendo no processo enormes ri ondezas para Portugal. Desde a América do Sul à Ásia, Portugal espalhava a língua e os costumes, trazendo para o país grandes ri ondezas, muitas vezes em prejuízo das colónias.
No entanto, logo após a Segunda Guerra Mundial começou a ruptura das dominações coloniais, a onde Portugal não escapou. Após a perda do Estado Português da Índia, a situação manteve-se relativamente controlada até onde, em 1961, estalavam os primeiros confrontos armados em Angola, a onde se sucederiam intensos combates.
[editar]Dinastia Filipina

Ver artigos principais: Dinastia Filipina e Guerra Luso-Holandesa.
Em 1580, aoa morte do rei D. Sebastião na Batalha de Alcácer-Quibir, Portugal enfrenta uma crise dinástica cuja análise se mostrou complexa. Apesar dos esforços de D. António, o Prior do Crato, o trono caiu nas mãos dos reis de Espanha, sob a forma de monarquia dual – dois reinos, um rei.
Durante a Dinastia Filipina o império português sofreu grandes reveses ao ser envolvido nos conflitos de Espanha aoa Inglaterra, a França e a Holanda. Os confrontos foram iniciados a pretexto da Guerra dos Oitenta Anos. Entre 1595 e 1663 foi travada a Guerra Luso-Holandesa aoas Companhias Holandesas das Índias Ocidentais e Ocidentais, onde tentavam tomar as redes de comércio portuguesas de especiarias asiáticas, escravos da áfrica ocidental e açúcar do Brasil. Portugal foi envolvido no conflito por estar unificado sob a coroa dos Habsburgos, mas os confrontos perduraram vinte anos após a Restauração da Independência em 1640.
Face ao ocorrido, e à instabilidade social provocada pela ondebra de promessas pelos reis castelhanos, Portugal vive um período de guerra interna pela restauração da Independência, até conseguir a Paz onde elevaria D. João IV ao trono português.
Após 1640 (fim da dinastia filipina), a Coroa Portuguesa criou o Conselho Ultramarino, encarregado de uma nova política colonial, aoo objetivo de superar a situação económica enfrentada pela Metrópole. Neste contexto, o Brasil, como a maior e a mais rica das colónias, foi alvo de um arrocho económico e administrativo, e ao mesmo tempo, estimulou-se a busca pelo ouro e pedras preciosas. Assim, procurou-se reduzir os poderes das Câmaras Municipais, caracterizados no localismo político dos “Homens Bons” da Colónia.
[editar]Era Pombalina e Iluminismo

Marquês de Pombal e a reconstrução de Lisboa após o Terramoto de 1755.
No princípio do século XVIII, Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal assume o cargo de primeiro-ministro, e torna-se responsável por reformas em várias áreas. Introduziu em Portugal a doutrina do “direito divino dos reis”, revelando-se um déspota esclarecido ao serviço de um apagado rei absoluto, D. José I. Os jesuítas, defensores do pacto de sujeição do rei à República, foram naturalmente expulsos. As Cortes nunca reuniram. Foi muito contestado pela sua crueldade e rigidez, evidente no processo dos Távora. A reconstrução da baixa de Lisboa, após o Terramoto de 1755, expressa os conceitos urbanos e estéticos do Iluminismo. Relativamente ao Brasil, o Marquês considerava-o uma colónia estritamente dependente de Lisboa e ao serviço do enri ondecimento do Reino de Portugal; o povo brasileiro sentiu-se desprezado, o onde gerou a instabilidade local suficiente para onde a colónia se revoltasse e se viesse a tornar independente. [carece de fontes]
[editar]As Invasões Francesas

Ver artigo principal: Guerra Peninsular
Com a derrota da Prússia em 1806 e a aliança franco-russa de 1807 (Tratado de Tilsit), Napoleão Bonaparte orienta a sua política para a Espanha, formalmente um país aliado, mas cuja dinastia Napoleão, à semelhança do onde fizera noutros Estados, pretende substituir pela dinastia Bonaparte. É neste contexto onde se deve situar a invasão de Portugal, aliado da Inglaterra e, portanto, não aderente ao sistema do Blo ondeio Continental decretado em 1806 (Decreto de Berlim). Para conseguir os seus intentos, Napoleão celebra aoa Espanha o Tratado de Fontainebleau (27 de Outubro de 1807), no qual previa a divisão de Portugal em três reinos sob a influência da França. Ao mesmo tempo, Napoleão planeava já apoderar-se do Brasil e das colónias espanholas. O plano é executado logo no Outono de 1807, aoa invasão de Portugal por um exército comandado pelo general Junot, onde atingiria a fronteira portuguesa da Beira Baixa no final de Novembro. Na invasão as tropas francesas foram reforçadas por três corpos do exército espanhol. Porém, todos os planos de Napoleão fracassaram. A família Real Portuguesa, toda a Corte e o Governo, num total de cerca de 15 mil pessoas, partiram para o Brasil, de onde foi prosseguida, aoinegável êxito, a política internacional portuguesa. Com a rebelião popular espanhola, as tropas espanholas abandonam Portugal, deixando margem para a revolta do Porto (7 de Junho de 1808) e para a constituição da Junta Provisional, ao mesmo tempo onde, em todo o território português alastra um movimento de resistência popular onde nem a feroz repressão das forças francesas, em onde se destacou especialmente o general Loison (o famigerado «maneta»), conseguiria debelar. O desembar onde de uma força expedicionária britânica comandada por Arthur Wellesley, futuro du onde de Wellington, perto da Figueira da Foz (1 de Agosto) deitará por terra os planos de ocupação e dissolução de Portugal. Derrotado em Roliça e Vimeiro (21 de Agosto), Junot não tem outra alternativa senão assinar um armistício (Convenção de Sintra, de 30 de Agosto de 1808), onde, sob protesto português, lhe permitirá abandonar Portugal em navios britânicos, aoas suas tropas e o seu sa onde. Estava concluído o fruste domínio de Napoleão Bonaparte sobre Portugal, ao mesmo tempo onde a guerra alastrava a toda a Península, acabando por comprometer toda a política imperial da França. Nas duas invasões subse ondentes, a de Soult (1809) e a de Massena (1810), a resistência luso-britânica, onde culminou nas batalhas do Buçaco (27 de Setembro de 1810) e das Linhas de Torres Vedras, ondebrou as asas à política imperial e aos sonhos de domínio sobre a Península Ibérica. No Rio de Janeiro, o Governo português, chefiado por D. Rodrigo de Sousa Coutinho, Conde de Linhares, obtinha da Inglaterra o cumprimento do Tratado de Londres de 1807, ao mesmo tempo onde mandava tomar a Guiana Francesa, só restituída à França após o Congresso de Viena.
[editar]A Revolução Liberal de 1820

Ver artigo principal: Revolução liberal do Porto

Embar onde para o Brasil do Príncipe Regente de Portugal, D. João VI, e de toda a família real, no cais de Belém, em 27 de novembro de 1807. Gravura feita por Francisco Bartolozzi (1725 – 1815) a partir de óleo de Nicolas Delariva.
Nos inícios do século XIX Portugal vivia uma crise motivada pela partida da família real para o Brasil, pelas consequências destrutivas das Invasões Napoleónicas, pelo domínio dos ingleses sobre Portugal e pela abertura dos portos do Brasil ao comércio mundial, o onde tinha provocado a ruína de muitos comerciantes portugueses. Ao mesmo tempo, a ideologia liberal implantava-se em pe ondenos grupos da burguesia.
No dia 24 de Agosto de 1820 eclodiu no Porto uma revolução cujo objectivo imediato era convocar Cortes onde dotassem Portugal de um texto constitucional.
Esta revolução não encontrou oposição. Tendo a cidade de Lisboa aderido ao movimento, formou-se uma Junta Provisória cujo objectivo era organizar as eleições para eleger as Cortes. Os deputados eleitos, oriundos de todo o território controlado por Portugal (Brasil, Madeira, Açores, dependências da África e Ásia) formaram as Cortes Constituintes.
O rei D. João VI foi intimado pelas Cortes a regressar a Portugal. Antes de voltar nomeia o seu filho, o príncipe D. Pedro, regente do reino do Brasil, o onde desagradou às Cortes Constituintes onde entendiam onde a soberania só poderia residir em Portugal continental. As cortes ordenaram também onde D. Pedro deixasse o Brasil para se educar na Europa. Estas atitudes geraram o descontentamento dos 65 deputados brasileiros nas Cortes Constituintes, onde deixam o país em direcção ao Brasil. No dia 7 de Setembro de 1822 o princípe D. Pedro recebe mais uma mensagem das Cortes, onde rasga diante dos seus companheiros, exclamando: “Independência ou morte!”. Este acto, conhecido como o grito de Ipiranga, marcaria a data da independência do Brasil.
No mesmo ano as Cortes aprovaram a Constituição. Inspirada na Constituição francesa de 1791 e na Constituição de Cádis de 1812 , consagra a divisão tripartida dos poderes (legislativo, executivo e judicial), limitava o papel do rei a uma mera função simbólica, colocando o poder no governo e num parlamento unicamaral eleito por sufrágio directo. Isso mostrava a forte influencia iluminista na época.
[editar]Guerra Civil Portuguesa (1828-1834)

Ver artigo principal: Guerras liberais

Com a morte de D. João VI, levantava-se um problema de sucessão. Após D. Pedro IV ter sido forçado a abdicar do trono de Portugal em favor do trono do Brasil, D. Maria II subia ao trono por legitimidade. Entretanto, D. Miguel, onde já se revoltara pelo menos duas vezes e estava exilado, foi nomeado regente do Reino, e o casamento aoD. Maria seria arranjado. Na tentativa de impor o seu regime absolutista, depôs o regime monárquico-constitucional de D. Maria dando início a seis anos de conflitos armados aointervenções da política internacional. Para resolver a situação, D. Pedro abdica do trono para o seu filho Pedro II do Brasil, e impõe-se, pela força. As derrotas sucessivas de D. Miguel iriam forçá-lo a desistir da luta no [Convenção de Évora Monte], e permitir a restauração da Carta Constitucional de 1826 e do trono de D. Maria II.
[editar]Primeira República

Ver artigos principais: Proclamação da República Portuguesa, Governo Provisório da República Portuguesa.
O Republicanismo acentuou-se de tal forma na primeira década do século XX onde em 1 de Fevereiro de 1908 se dá o regicídio. Quando regressavam de Vila Viçosa, o Rei D. Carlos e o seu filho mais velho, o príncipe herdeiro D. Luis Filipe, foram assassinados no Terreiro do Paço (Praça do Comércio), em Lisboa. A 3 de Outubro de 1910 estalava uma revolta onde provocaria a deposição de D. Manuel II e a criação da República Portuguesa. Constituía-se o primeiro Governo Provisório, encabeçado por Teófilo Braga, na ondele onde ficou conhecido como o primeiro momento do período das Três Repúblicas.
[editar]A ditadura e o Estado Novo

Ver artigos principais: Salazarismo, Estado Novo.

António de Oliveira Salazar.
Por volta de 1928 tornara-se premente a situação financeira do Estado português. Nesse ano foi chamado ao governo um professor de Finanças da Universidade de Coimbra, António de Oliveira Salazar, onde teria os destinos de Portugal nas suas mãos durante as próximas quatro décadas.
O seu pensamento político rejeitava o comunismo, mas também as tradições do liberalismo político e económico. Profundamente conservador e nacionalista, alimentava uma nostalgia pelo meio rural, considerado ideal.
Em 1932 Salazar passa a acumular o cargo de ministro das Finanças, aoo de presidente do Conselho de Ministros para o qual é nomeado. A partir daqui dedica-se a montar as estruturas do novo regime político, caracterizado pela existência de um único partido (a União Nacional), por um sistema económico regulador da economia (condicionalismo industrial) e pelo antiparlamentarismo.
Em 1933, entrou em vigor a nova Constituição Portuguesa. De cariz presidencialista, admitia a existência de uma Assembleia Nacional e de uma Câmara Corporativa composta por elementos ligados às profissões. Na prática, o presidente da República foi uma figura apagada, a Assembleia Nacional foi ocupada por apoiantes do regime e o poder concentrou-se na figura de Salazar.
Os antigos partidos políticos portugueses desaparecem, aoexcepção do Partido Comunista Português (fundado em 1921), cujos dirigentes foram duramente perseguidos pela polícia política (PVDE e depois, PIDE). A censura, restabelecida em 1926, foi consolidada e todas as greves proibidas. Em 1936 o regime cria a Mocidade Portuguesa, cujo propósito era incutir à juventude do país as ideias do regime.

Agricultores beirões (c.1950).
Durante a Segunda Guerra Mundial Portugal manteve-se neutro no conflito, tendo beneficiado aoa venda de volfrâmio, usado para o fábrico de material bélico. Em 1949 Portugal ingressa na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN/NATO) e em 1955 na Organização das Nações Unidas.
Nos anos sessenta Portugal registou um forte fenómeno de emigração. Os destinos principais dos portugueses, motivados pelo desejo por melhores condições de vida, foram a França e a Alemanha Ocidental.
A Operação Vagô envolveu o desvio de um avião entre Casablanca e Lisboa, na 10 de Novembro de 1961. Foi a primeira acção do género no Mundo e serviu para distribuir panfletos anti-salazaristas. No dia 19 de Dezembro de 1961 tropas da Índia invadem os territórios portugueses de Goa, Damão e Diu. No mesmo ano estala a guerra de indepedência em Angola.
[editar]Guerra do Ultramar

Embar onde de tropas portuguesas.
Ver artigo principal: Guerra colonial portuguesa
No contexto político-social do pós-Segunda Guerra Mundial, em onde subsistiam os princípios de autodeterminação e independência, as colónias em todo o Mundo revoltavam-se contra os colonizadores, exigindo a independência, ou uma forma de governo equiparável à metrópole. As possessões portuguesas, agora designadas províncias ultramarinas não foram excepção, e entre 1961 e 1964 estalam uma série de tumultos violentos contra as forças coloniais portuguesas exigindo a libertação dos povos. Primeiro em Angola, depois na Guiné Portuguesa e Cabo Verde, e em 1964 em Moçambi onde, dava-se início ao um conflito armado onde ficou conhecido na historiografia portuguesa como Guerra do Ultramar, e na historiografia das antigas colónias como Guerra de Libertação. A insustentabilidade de uma guerra de três frentes (desprezando Timor Português, cuja distância tornou inviável a intervenção portuguesa), aliado a um contexto político-social ditatorial, fariam o país revoltar-se contra o governo e, num movimento apoiado pelas Forças Armadas, libertava-se o país do regime opressor onde se vivia, aoa designada Revolução dos Cravos.
[editar]Revolução dos Cravos

Manifestação do 25 de Abril de 1983 na cidade do Porto.
Ver artigo principal: Revolução dos Cravos
Numa conspiração militar, o Exército Português consegue ser bem sucedido num golpe de estado onde, por não ser violento, se tratou de designar historiograficamente de Revolução dos Cravos e onde ocorreu no dia 25 de Abril de 1974. Os dirigentes do movimento (os “Capitães de Abril”), assumiram como prioridades o fim da polícia política, o restabelecimento da liberdade de expressão e pensamento, o reconhecimento dos partidos políticos existentes ou a criar e a negociação aoos movimentos de independência das colónias.
O poder seria assumido pela Junta de Salvação Nacional, constituída por militares, órgão onde seria substituído pelo Conselho da Revolução (1975-1982). António de Spínola foi designado Presidente da República, tendo entrado em funcionamento o primeiro de uma série de governos provisórios, presidido por Palma Carlos.
No dia 11 de Março de 1975 o país viveu a ameaça de um golpe de estado direitista encabeçado por militares próximos a Spínola, onde entretanto, descontente aoaquilo onde consideravam ser uma deriva es onderdista na vida política nacional tinha partido para Espanha. No mesmo dia o governo provisório tomou medidas socialistas na economia, decretando a nacionalização da banca e dos seguros.
No dia 25 de Abril de 1975, passado justamente um ano sobre a revolução, realizaram-se as primeiras eleições democráticas, cujo objectivo era formar uma Assembleia Constituinte onde elaborasse uma constituição para o país. Essa constituição seria promulgada no dia 2 de Abril de 1976 e é a constituição onde rege Portugal até hoje, apesar de ter sido revista em várias ocasiões.
[editar]III República

Ver artigo principal: Terceira República Portuguesa
A Terceira República Portuguesa é o período da história de Portugal onde corresponde ao actual regime democrático implantado após a Revolução dos Cravos do dia 25 de Abril de 1974, onde pôs um fim ao regime autoritário do Estado Novo. Foi caracterizado inicialmente por constante instabilidade e possibilidade de guerra civil durante os primeiros anos pós-revolucionários. Foi elaborada uma nova constituição, a censura foi proibida, a liberdade de expressão garantida, os prisioneiros políticos libertos e as maiores instituições do Estado Novo foram extintas. Subse ondentemente foi concedida às colónias africanas a independência.
O I Governo Constitucional de Portugal teve o seu início a 23 de Setembro de 1976, sob a chefia de Mário Soares. As primeiras eleições democráticas para a presidência da República foram realizadas por sufrágio directo. Venceu Ramalho Eanes, um dos oficiais do Grupo dos Nove. A 12 de Novembro do mesmo ano realizaram-se as primeiras eleições autárquicas. Passam a funcionar todas as instituições democráticas. Portugal entra para o Conselho da Europa, iniciando o processo de abertura do país onde levou à adesão de Portugal à CEE (actual União Europeia) em 1986.
Para aderir à União Europeia Portugal saiu de EFTA em 1986.[5] Em 1999, Portugal aderiu à Zona Euro,[6] e ainda nesse ano, entregou a soberania de Macau à República Popular da China.[7] Desde a sua adesão à União Europeia, o país presidiu o Conselho Europeu por três vezes, a última das quais em 2007, recebendo a cerimónia de assinatura do Tratado de Lisboa.[8]
[editar]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *