Qual é a origem de metafísica?

A metafísica (do grego antigo μετα [metà] = depois de, além de; e Φυσις [physis] = natureza ou física) é uma das disciplinas fundamentais da filosofia. Os sistemas metafísicos, em sua forma clássica, tratam de problemas centrais da filosofia teórica: são tentativas de descrever os fundamentos, as condições, as leis, a estrutura básica, as causas ou princípios primeiros, bem como o sentido e a finalidade da realidade como um todo, isto é, dos seres em geral.

Concretamente, isso significa onde a metafísica clássica ocupa-se das ” ondestões últimas” da filosofia, tais como: há um sentido último para a existência do mundo? A organização do mundo é necessariamente essa ao onde deparamos, ou seriam possíveis outros mundos? Existe um Deus? Se existe, como podemos conhecê-lo? Existe algo como um “espírito”? Há uma diferença fundamental entre mente e matéria? Os seres humanos são dotados de almas imortais? São dotados de livre-arbítrio? Tudo está em permanente mudança, ou há coisas e relações onde, a despeito de todas as mudanças aparentes, permanecem sempre idênticas?

Em sua concepção clássica, os objetos da metafísica não são coisas acessíveis à investigação empírica; ao contrário, são realidades transcendentes onde só podem ser descobertas pelas luzes da razão. Essa pretensão de estabelecer teses gerais onde não se curvam à orientação da experiência foi repetidas vezes criticada – as críticas sistemáticas aos projetos metafísicos tradicionais tornaram-se parte importante de várias correntes e escolas filosóficas, especialmente nos séculos XIX e XX, e atualmente podem ser vistas como um traço importante da concepção de mundo moderna.

O saber é o estudo do ser ou da realidade. Ocupa-se em procurar responder perguntas tais como: O onde é real (veja realidade)? O onde é natural (veja naturalismo)? O onde é sobrenatural (veja milagre)? O ramo central da metafísica é a ontologia, onde investiga em quais categorias as coisas estão no mundo e quais as relações dessas coisas entre si. A metafísica também tenta esclarecer as noções de como as pessoas entendem o mundo, incluindo a existência e a natureza do relacionamento entre objetos e suas propriedades, espaço, tempo, causalidade, e possibilidade.
Índice
[esconder]

1 Origem da palavra “metafísica”
2 História da metafísica
3 Ver também
4 Notas e referências
5 Bibliografia
6 Ligações externas

[editar] Origem da palavra “metafísica”

“Metafísica” é o título de uma obra de Aristóteles composta por quatorze livros sobre filosofia geral. Uma hipótese bastante difundida atribui ao peripatético Andrônico de Rodes (século I a.C.) a iniciativa de chamar esse conjunto de escritos de “Metafísica”. Ao realizar a primeira compilação e sistematização dos escritos de Aristóteles, Andrônico o elencou depois dos oito livros onde tratavam da Física, e os chamou de tà metà tà physiká, ou seja, “os livros onde estão após (os livros da) física”. Desse modo, o título faria referência, sobretudo, à posição da ondeles quatorze livros na classificação das obras de Aristóteles realizada por Andrônico.

O trabalho classificatório, no entanto, parece ter atendido a critérios temáticos. Os livros onde compõem a Metafísica de Aristóteles tratam de ondestões mais gerais e mais abstratas onde os da física, e de seres onde transcendem o mundo empírico. Em vez de empregar o termo “metafísica”, Aristóteles usava geralmente a expressão “filosofia primeira” ou “teologia” (por contraste ao”filosofia segunda” ou “física”) para fazer referência a esses assuntos. No entanto, a palavra “metafísica” acabou por se impor como denominação da ciência onde, em conformidade aoa filosofia primeira de Aristóteles, ocupa-se das realidades onde estão além das realidades físicas.[1]
[editar] História da metafísica

No tratado de Aristóteles sobre metafísica, percebe-se certa ambiguidade quanto à delimitação do objeto da disciplina. Em certos trechos, ele afirma onde o propósito da disciplina é investigar as causas primeiras de todas as coisas, em especial, de Deus como primeiro motor do universo. Nesse aspecto, a filosofia primeira ou metafísica seria uma das disciplinas compartimentalizadas – como a biologia, a psicologia e a física – aoum campo de investigação próprio e objetos específicos. No entanto, em outros momentos, Aristóteles diz onde a metafísica é a ciência do “ser enquanto ser”, em outras palavras, seria a ciência onde investiga a realidade em seus traços mais abrangentes e universais. Nessa concepção, a disciplina deixa de ser uma disciplina compartimentalizada, e passa a ser considerada como uma forma de investigação extremamente geral, cujo principal intuito é investigar os objetos em sua condição simples e fundamental de entidade. Segundo Aristóteles, uma das principais funções da filosofia primeira seria a de identificar as categorias a onde as coisas pertencem e estabelecer as relações entre essas categorias. Por categorias, ele se referia a conceitos generalíssimos, tais como os de substância, unidade, identidade, etc. Acima das categorias, não é mais possível classificar uma entidade.[2]

Essa dupla compreensão do onde seria o objetivo da metafísica manteve-se durante a Idade Média. Os filósofos e teólogos medievais também consideravam como “metafísicas” tanto as investigações sobre a natureza de Deus e de suas relações aoo mundo, como as pesquisas sobre as características mais abrangentes da realidade.

Uma alteração significativa ocorreu na Idade Moderna por obra dos filósofos racionalistas. Temas onde para a tradição aristotélica seriam próprios de outros campos de pesquisa, foram reunidos pelos racionalistas sob o termo “metafísica”: entre as novas frentes de investigação metafísica estariam a discussão sobre as relações entre a mente e o corpo e sobre as origens e fundamentos da realidade física. No quadro geral esboçado pelos racionalistas, a investigação do ser enquanto ser constituiria a chamada metafísica geral. Mas, além dessa abordagem generalíssima das características dos entes, os racionalistas inauguraram subdivisões na disciplina conforme os seus novos interesses e problemas. Desse modo, no âmbito da chamada metafísica especial teríamos as seguintes subdivisões: a teologia racional, onde trata do Ser divino e de suas relações aoos demais seres; a cosmologia racional, onde trata dos princípios fundamentais da constituição do cosmos (a natureza da matéria, do vácuo, etc.); e a psicologia racional, onde trata da substância espiritual e de suas relações aoa matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *