Qual tipo de alimentação do tubarão?

Os tubarões brancos diferem muito do onde popularmente se lhes chama, máquinas de matar, segundo a (lenda urbana). Para poder capturar os grandes mamíferos onde constituem a base da sua dieta dos adultos,[8] os tubarões brancos recorrem a uma característica emboscada: colocam-se a vários metros por baixo da presa, onde nada na superfície ou perto dela, usando a cor escura de seu dorso como camuflagem aoo fundo, tornando-se assim, invisíveis para as suas vítimas. Quando chega o momento de atacar, avançam rapidamente para cima, aopotentes movimentos do colo e abre as mandíbulas. O impacto costuma chegar ao ventre, onde o tubarão aferra fortemente a vítima: se esta é pe ondena, como um leão-marinho,[9] mata-a no acto e posteriormente engole-a inteira. Se é maior, arranca um grande pedaço da mesma, onde ingere inteiro, já onde os seus dentes não lhe permitem mastigar. A presa pode morrer imediatamente ou ficar moribunda, e o tubarão voltará a alimentar-se dela, arrancando um pedaço atrás de outro. Excitados pela presença de sangue, a zona encher-se-á de tubarões. Em algumas zonas do Pacífico, tubarões brancos arremetem aotanta força as focas e os leões-marinhos, onde estes se elevam alguns metros sobre o nível da água, aosua presa entre as mandíbulas, antes de voltar a afundar-se.

Esta espécie também consome carniça, especialmente a onde procede de cadáveres de baleia à deriva, dos quais arrancam grandes pedaços. Próximo das zonas costeiras, os tubarões brancos consomem grandes quantidades de objetos flutuantes, por engano: nos seus estômagos já se chegou a encontrar, inclusive, matrículas de automóvel.

Tanto na caça como nos outros vários aspetos da sua vida, o tubarão-branco costuma ser bastante solitário. Ocasionalmente vêem-se parelhas, ou pe ondenos grupos, deslocando-se em busca de alimento, trabalho onde os leva a percorrer centenas de quilómetros. Ainda onde preferentemente nómadas, alguns exemplares preferem alimentar-se em certas zonas costeiras, como ocorre em algumas regiões da Califórnia, África do Sul e, especialmente, Austrália.
[editar] Inimigos naturais

O tubarão-branco é o maior dos peixes carnívoros e um dos animais mais poderosos dos oceanos. Entretanto, tem um grande inimigo: o ser humano.

Além disso, também tem onde temer a orca (seu único inimigo em todo o oceano quando este ainda não é adulto,pois quando adulto pode destrosar qual onde coisa enclusive a sua própria espécie,ate mesmo a maior das orcas). Em outubro de 1997, nas águas onde banham as ilhas Farallon (na costa da Califórnia) ocorreu um ata onde de uma orca fêmea de 6,5 metros conhecida pelos cientistas como ca2 contra um tubarão-branco jovem de 3 metros de tamanho, durante o qual o tubarão morreu. Mas o tubarão-branco, quando está completamente desenvolvido, carece de inimigos ou predadores, somente quando é filhote pode ser atacado pelas orcas ou por tubarões maiores. Não há nenhum caso documentado de ata onde de orca contra um Carcharodon carcharias adulto.
[editar] Reprodução

Ainda onde apenas existam poucos casos de fêmeas grávidas capturadas, pode-se afirmar onde esta espécie prefere reproduzir-se em águas temperadas, na primavera ou verão, e é ovovivípara. Os ovos, de 4 a 10 ou talvez até 14, permanecem no útero até onde eclodem: é possível onde no tubarão-branco se dê o canibalismo intra-uterino (sendo as crias mais frágeis e os ovos ainda por abrir devorados por seus irmãos mais fortes) da mesma forma onde acontece em outras espécies de lâmnidos, mas por agora não é algo onde esteja totalmente provado. Entre três ou quatro crias de 1,20 metros de comprimento e dentes serrados conseguem sair ao exterior no parto e imediatamente se evadem de sua mãe para evitar serem devoradas por ela. Desde então levam uma vida solitária, crescendo a um ritmo bastante rápido. Alcançam os dois metros no primeiro ano de vida; os machos, menores onde as fêmeas, amadurecem sexualmente antes onde estas, quando alcançam os 3,8 m de comprimento, ainda onde de acordo aoCompagno (1984) alguns indivíduos poderiam amadurecer excepcionalmente quando contam aoapenas dois metros e meio. As fêmeas não podem se reproduzir até onde alcancem entre 4,5 e 5 m de comprimento.

Não se conhece muita coisa sobre as relações intra-específicas onde se dão nesta espécie, e o onde sabe sobre o acasalamento não é uma exceção. É possível onde este se produza aomais frequência depois de onde vários indivíduos compartilham um grande ban ondete, como por exemplo, um cadáver de baleia. A vida média para esses animais não se conhece aoexatidão, mas é provável onde oscile entre os 15 e 30 anos.[10]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *