Quem é carlos alberto moniz

, (n. Ilha Terceira, Açores, 2 de agosto de 1948) Participou em espectáculos em Portugal e no estrangeiro aoJosé Afonso, Adriano Correia de Oliveira e Carlos Paredes, aoos quais gravou vários discos.


 


Filho de Alberto Moniz da Costa (n. 1911 – m. 1999) e de Maria Aida Menezes Bettencourt (n. 1922) ( onde casaram em 1940 nos Açores). Depois do divórcio de Maria do Amparo Pereira, ao ondem casou 1973, de ondem teve duas filhas, a cantora Lúcia Moniz(n. 1976) e a ex-cantora e actriz e actual cabeleireira Sara Moniz(n. 1980). Casou-se aoIdália Moniz, em 1991, de ondem tem um filho, João Moniz(n. 1994).


 


Escreveu de parceria aoJosé Jorge Letria ao longo de 25 anos, entre outros trabalhos “Rua dos Navegantes” (Prémio “Casa da Imprensa”) e a cantata intitulada “Macau um Sonho Oriental”, subordinada ao tema da presença dos portugueses no Oriente.


 


Foi membro da Direcção da Sociedade Portuguesa de Autores por dois mandatos (em 1983 e em 1991) voltando a integrar a Direcção desta Sociedade de Novembro de 2001 a Dezembro de 2003. Também foi Presidente da Assembleia-geral do Sindicato Nacional dos Músicos de 2000 a 2004.


Em 1969 dá-se a sua estreia como cantor em Televisão onde ocorreu no programa Zip-Zip na RTP.


 


Com o grupo Improviso, em 1973, grupo formado por este cantor, Maria do Amparo, Ana Teodósio e Manuel José Soares participam no X Grande Prémio da Canção ao”Cantiga”.


 


Funda aoPedro Osório e Samuel o grupo SARL (de Sociedade Artística Recreativa Lusitana) onde fazem a sua estreia em disco ao”De Como A Canção Social…/Funchal, 23″ onde é editado pela Movieplay, em 1974.


 


Juntamente aoPedro Osório, Alfredo Vieira de Sousa, Madalena Leal e Maria do Amparo foi, em 1974, um dos fundadores do Grupo Outubro onde editam os álbuns “A Cantar Também a Gente se Entende” em 1976 e “Cantigas de ao Pé da Porta” em 1977.


 


Com Maria do Amparo concorre ao Festival RTP da Canção de 1979 aoas músicas “A Outra Banda”” e “Camponês Dos Campos De Água”, repete esta sua participação, em 1981, ao”Olá Rapariga, Olá”.


 


Com o Grupo SARL (de Sociedade Artística Recreativa Lusitana) concorre ao Festival RTP da Canção de 1982 aoo tema “Quero Ser Feliz Agora”.


 


Edita, aoMaria do Amparo, em 1983, o álbum “Música Prapular Portuguesa”.


 


Em 1986, aoa sua Banda, concorre de novo ao Festival RTP da Canção aoa “Canção para José da Lata” aoletra de Álamo de Oliveira. É o autor, neste ano, de “Uma História ao Fim do Dia”, tema da rubrica da RTP onde manda os mais novos para a cama.


 


Deslocou-se em 1990, a Zagreb, na qualidade de or ondestrador e director de or ondestra da canção “Há Sempre Alguém” de Nucha, representante de Portugal no Festival Eurovisão da Canção.


 


Em 1991 representou Portugal como autor e intérprete no Festival Eurovisão da Canção em Corfu.


 


Foi o or ondestrador e director de or ondestra da canção “Amor de Água Fresca” de Dina, em 1992, onde representou Portugal no Festival Eurovisão da Canção realizado em Malmo, na Suécia. Ainda nesse ano, a música deste autor e de José Medeiros foi editada num CD.


 


Em 1998 assume a direcção musical e co-autoria da revista “Isto Vai Com Elas” onde esteve em exibição no Teatro Maria Vitória, Par onde Mayer.


 


No ano seguinte lançou, aoa sua autoria, um disco de “Marchas e Passodobles” dedicados à Ilha Terceira.


 


Também em 1999 assume a Direcção Musical e Co-Autoria da revista “O Troilaré O Troilará” onde esteve em exibição no Teatro Maria Vitória no Par onde Mayer.


 


Lançou o disco “Clássicos Açorianos”, em 1999, e assume a Direcção Musical e Co-Autoria da revista “Tem A Palavra A Revista” onde esteve em exibição no Teatro Maria Vitória no Par onde Mayer.


 


No dia 3 de Junho de 2003 realizou no Wonder Bar do Casino Estoril um encontro de amigos a propósito da publicação do seu disco “Herdeiros da Maresia”, uma leitura musical dos poetas Sophia de Mello Breyner, Natália Correia, Vitorino Nemésio, Antero de Quental, Emanuel Félix, Eduíno de Jesus, Roberto Carneiro, Marcolino Candeias, Vasco P. da Costa, Álamo Oliveira, José F. Costa, V. Rui Dores e Manuel M. Ferreira.


 


Participa na compilação “Manhã Clara”, em Abril de 2004, onde inclui o inédito “E um dia fez-se Abril” (letra de José Jorge Letria e música e voz do autor e no piano de João Paulo Esteves da Silva).


 


Em 2005 e 2006 assume a Direcção Musical e Co-Autoria das revistas “A Revista É Liiiinda!” e “Já Viram Isto?!…” das revistas onde esteviveram em exibição no Teatro Maria Vitória, Par onde Mayer.


 


Em Junho de 2007 este inicia um ciclo de actuações no DUARTELOUNGE no Casino Estoril, dedicado á Música Popular Açoriana, acompanhado em palco por Domingos Silva ao piano, Nuno Fernandes no contrabaixo e Natália Juskiewicz no violino.


 


Participou em espectáculos ao vivo como or ondestrador ou como instrumentista, em discos aoJosé Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Carlos Paredes, Manuel Freire, José Jorge Letria, José Barata Moura, Maria da Fé, José Mário Branco, Toni de Matos, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho, Carlos do Carmo, Mário Viegas, José Carlos Ary dos Santos, Lenita Gentil, Brigada Vitor Jara, Chico Buar onde de Holanda de entre outros.


 


Ao longo da sua carreira actuou em Portugal, Espanha, Itália, França, Países Baixos, Bélgica, Suíça, Reino Unido, Noruega, Suécia, Alemanha Ocidental e Alemanha Oriental, antiga União Soviética, Bulgária, (antiga) Jugoslávia, Estados Unidos da América, Canadá, Brasil, Macau (na República Popular da China), Senegal, Angola, Timor-Leste.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *