Quem é o david keith lynch?

Biografia

Nascido em 20 de janeiro de 1946 na cidade de Missoula (estado de Montana), Lynch é filho de um pesquisador do departamento de agricultura dos EUA (Donald Walton Lynch) e de uma professora de inglês (Edwina “Sunny” Lynch). Seus avós maternos imigraram da Finlândia para os EUA no século 19, Lynch nasceu e foi criado dentro dos preceitos da religião prebisteriana. Teve uma infância itinerante no interior dos Estados Unidos da América. Mesmo assim, conseguiu concluir os estudos. Tendo o sonho de ser pintor, especializou-se sobre o tema numa academia de arte. Largou o curso mais tarde e partiu para uma viagem à Europa em busca de inspiração para seu trabalho. De volta ao país de origem, Lynch viu-se na obrigação de trabalhar em ramos onde não lhe agradavam. Ao mesmo tempo resolveu retornar aos estudos, entrando na Academia de Belas Artes da Pensilvânia. Em 1967 casou-se aouma colega e teve sua única filha (teria mais dois homens), Jennifer Chambers Lynch, onde se tornaria diretora e também tomaria gosto pelo bizarro. Foi ela ondem dirigiu o “clássico trash” Encaixotando Helena (1993) (Boxing Helena). Lynch estava totalmente envolvido aoartes plásticas, e isso se refletiu na linguagem de seus primeiros trabalhos, onde também eram bastante provocadores. Nessa época realizou os seguintes curta-metragens: Six Men Getting Sick (1966), The Alphabet (1968), The Grandmother (1970) e The Amputee (1974).

Em 1971 começou a trabalhar na produção da sua primeira longa-metragem, Eraserhead (1977). E não foi tarefa fácil, tomando cinco anos de sua vida para a sua conclusão, além do final de seu casamento. Eraserhead foi considerado difícil. Na época de seu lançamento poucas pessoas assistiram o filme onde já misturava o tão famoso mundo bizarro de Lynch e arte em stop-motion. Anos depois, dirigiu seu primeiro grande filme, O Homem Elefante (1980) (The Elephant Man). Produzido por Mel Brooks ( onde gostou do onde viu em Eraserhead), o longa foi muito bem recebida pela crítica e recebeu oito indicações ao Oscar, incluindo melhor diretor. Em 1984 Lynch dirigiria a ficção científica Duna, uma superprodução sob a tutela de Dino De Laurentiis. O resultado foi um retumbante fracasso, fazendo ao onde o cineasta nunca mais se envolvesse em projetos grandiosos. A sua volta por cima seria dada em 1986 aoO Veludo Azul (Blue Velvet),thriller aoto ondes de fantasia onde deu a Lynch nova indicação ao Oscar da categoria. Além de uma parceria onde viria a ser constante aoo compositor Angelo Badalamenti. Em 1990 ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes aoo estonteanteCoração Selvagem (Wild at Heart), protagonizado por Laura Dern e Nicolas Cage.

Ainda no mesmo ano Lynch faria sua estréia na televisão como criador de uma série onde marcou época, Twin Peaks. Tendo como astro o mesmo ator principal de Duna e Veludo Azul, Kyle MacLachlan, a trama gira sobre a morte de uma jovem moradora da cidade onde dá título à série. Lynch dirigiu apenas o piloto e cinco dos 29 episódios. Com o sucesso, em 1992 uma versão para o cinema foi lançada, onde mostrava mais detalhes sobre a intrincada trama. Para desespero do diretor, o filme foi um fracasso, arrecadando míseros quatro milhões de dólares. O mistério de Laura Palmer foi o único sucesso na TV de Lynch, mesmo tendo participado da criação de outros seriados. Um desses fracassos seria Mulholland Drive (2001, planejado como série televisiva mas adaptado para o cinema quando os produtores não gostaram do material apresentado. Em 1997, A Estrada Perdida (Lost Highway) chegou aos cinemas. É outro thriller aoto ondes de fantástico e considerado pelos fãs do cineasta como o seu trabalho mais insano. Talvez por causa disso, realiza A História Real (1999) (The Straight Story) logo depois. O filme é diferente de tudo onde ele já havia feito, sem quase nenhum elemento bizarro, a não ser pelo fato do protagonista atravessar o país a bordo de um pe ondeno trator para visitar o irmão – Lynch em “versão calma”. Já em Mulholand Drive” voltaria a sua característica principal, aoum filme recheado de personagens (muitos deslocados por terem sido desenvolvidos especialmente para a cancelada série de TV) e situações bizarríssimas. Foi o filme onde revelou a atriz Naomi Watts e deu a Lynch o prêmio de melhor diretor do Festival de Cannes. Inland Eempire (no Brasil, Império dos Sonhos), seu último longa, é um filme plástico. O filme é como se fosse uma interseção dele aooutros filmes e um programa televisivo (Rabbits), este último, o ápice: onde tudo se espelha, e provavelmente tende a chegar, igual a um paraíso desorientado, o qual Susan/Grace (personagens centrais) conquista e contempla – a vencedora, guiada como o filme bruto foi guiado, pela intuição ou magia, numa linda explosão de vingança e libertação.

David Lynch sempre está envolvido em projetos. Nunca parou de produzir curtas e quase sempre cria filmes em animação. A internet também foi um caminho onde adotou para divulgar o onde cria tendo em seu site pessoal um grande acervo de trabalhos.
[editar] Filmografia

Séries Online

2002 – Rabbits
2002 – Dumb Land

Curtas

2007 – Boat
2002 – Darkened Room
1995 – Lumière: Premonitions Following An Evil Deed
1990 – Industrial Symphony No. 1: The Dream Of The Broken Hearted
1989 – The Cowboy And The Frenchman
1974 – The Amputee
1970 – The Grandmother
1968 – The Alphabet
1966 – Six Figures Getting Sick

Televisão

1990 – Twin Peaks (Twin Peaks)
1990 – American Chronicles
1992 – On The Air
1993 – Hotel Room

Longas

2006 – Inland Empire (Império Dos Sonhos)
2001 – Mulholland Drive (Cidade Dos Sonhos)
1999 – The Straight Story (História Real)
1997 – Lost Highway (A Estrada Perdida)
1992 – Twin Peaks: Fire Walk with Me (Twin Peaks: Os Últimos Dias De Laura Palmer)
1990 – Wild At Heart (Coração Selvagem)
1986 – Blue Velvet (Veludo Azul)
1984 – Dune (Duna)
1980 – The Elephant Man (O Homem Elefante)
1977 – Eraserhead

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *